Rondônia, - 05:59

 

Você está no caderno - Saúde
Saúde
20 milhões de crianças perderam vacinas importantes em 2018, segundo OMS
Incluindo a que protege contra o sarampo, que voltou a ser epidêmico. Com a cobertura vacinal estagnada em vários países, outras doenças podem reaparecer
Publicado Quarta-Feira, 11 de Setembro de 2019, às 11:37 | Fonte Abril 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

(Science Photo Library - IAN HOOTON/Getty Images)

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou essa semana que 20 milhões de crianças não foram vacinadas contra o sarampo e outras doenças perigosas em todo o mundo. Desde 2010, a cobertura da tríplice bacteriana (que barra difteria, tétano e coqueluche) está estagnada em 86% — o ideal para garantir proteção a todos é 95%. 

As doses contra a poliomielite e rubéola também estão na lista de coberturas abaixo de 90%. Desde 2017, as entidades de saúde do mundo alertam para o risco de doenças já erradicadas voltarem a fazer estragos. Algumas delas têm consequências sérias, como morte, paralisia infantil e malformações congênitas.  

A queda da cobertura vacinal é mais acentuada em países pobres e zonas de conflito, mas não exclusiva deles. No Brasil, que sempre foi referência no assunto, a cobertura do Programa Nacional de Imunizações atingiu em 2017 seu pior índice desde 2002. E a OMS avisa que mesmo em nações com alta taxa de vacinação a incidência do sarampo — a doença mais preocupante no momento — aumentou, provavelmente por conta de grupos que perderam a vacina no passado. 

O sarampo 

Ele é o caso mais emblemático. Em 2018, cerca de 350 mil casos de sarampo foram registrados no mundo — mais do que o dobro de 2017. O Brasil registrou 10 mil, com 12 mortes confirmadas. Este ano, os casos seguem avançando em diversas regiões do país, especialmente no Sudeste e no norte. 

A cobertura vacinal contra a doença, que é altamente contagiosa, ficou em 86% entre as crianças em 2018 na primeira dose e 69% na segunda. As duas são necessárias para garantir imunidade ao vírus. No Brasil, a cobertura geral do Programa Nacional de Imunizações está em 74% — a do sarampo ficou em cerca de 85%. 

“O sarampo é um indicador em tempo real de onde temos mais trabalho a fazer para combater doenças evitáveis. Como a doença é muito contagiosa, um surto aponta para comunidades que estão perdendo as vacinas”, declarou Henrietta Fore, diretora-executiva da UNICEF, em comunicado à imprensa. 

Os horários comerciais das unidades básicas de saúde e a falta de algumas vacinas quando os pais conseguem ir aos postos são os fatores que mais dificultam o acesso das crianças brasileiras à vacina. Mas a percepção de que as doenças evitadas por elas são coisa do passado e não tão perigosas — muita gente não viu as epidemias comuns até os anos 1980 — também contribui para a queda da cobertura.

Motivos não faltam para manter a carteirinha de vacinação dos filhos em dia. 

Por Chloé Pinheiro





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Saúde


Cai para três número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil
Total de casos descartados sobe para 45 em todo o país ...


Lábios secos? Culpe estes erros que nem se percebe ao cometer
Os lábios são muito finos e, ao contrário de outras áreas da pele, não têm glândulas sebáceas, portanto, tendem a secar facilmente...


Pele irritada: A máscara facial caseira que vai acalmar o rosto
A receita inclui ingredientes que possuem propriedades que acalmam a pele combatendo a vermelhidão e a irritação...


Ter uma planta na mesa reduz o stress no local de trabalho
Estes são os resultados de um estudo realizado no Japão e citado pela CNN....

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE