Rondônia, - 20:34

 

Você está no caderno - Economia
Economia
Brasil é o terceiro país mais complexo para fazer negócios
O Índice de Complexidade Global do Grupo TMF, que analisa regras tributárias, leis trabalhistas e influência dos sindicatos, considera apenas Grécia e Indonésia mais refratárias às empresas
Publicado Segunda-Feira, 10 de Junho de 2019, às 08:12 | Fonte Correio Braziliense 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Caio Gomez/CB/D.A Press

 

Se o Brasil não é para principiantes, como disse Tom Jobim, não é também para profissionais. Pelo menos é isso o que diz o Global Business Complexity Index, estudo publicado pela consultoria TMF. O levantamento, que consultou 7,8 mil especialistas em 80 países, colocou o Brasil em uma classificação de complexidade de 81%. Ou seja: é o terceiro pior lugar do mundo para fazer negócios, atrás apenas da Indonésia (82%) e da Grécia (84%).

Entre os países da América do Sul, o Brasil ficou à frente da Bolívia (5ª colocada) e do Peru (em 10º lugar). “A legislação no Brasil não é clara e há um grande grau de incerteza sobre práticas aceitáveis, mesmo dentro do governo”, diz o relatório.

O index atesta também que grande parte da complexidade do Brasil é impulsionada por três fatores: regulamentação tributária ineficiente, complexo código trabalhista e sindicatos com influência significativa — apesar da reforma da legislação trabalhista aprovada em novembro de 2017.

Para Rodrigo Zambon, diretor sub-regional do Grupo TMF no Brasil, o país tem um longo caminho a percorrer. “As reformas trabalhistas trouxeram algum alívio para os empresários, com a flexibilidade da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e uma tendência mais favorável em relação à terceirização”, diz Zambon. “Mas o ônus sobre a folha de pagamento continua grande e há uma inércia institucional que pesa sobre as empresas, especialmente nos tribunais trabalhistas. O Brasil tem hoje um recorde mundial de processos trabalhistas, o que é inaceitável.”Continua depois da publicidade

De acordo com o executivo, as empresas no Brasil são obrigadas a manter fortes relações com os sindicatos. Existem, no entanto, setores particulares — principalmente industrial e manufaturas tradicionais — em que os sindicatos tiveram mais influência histórica. Isso resulta em proteções específicas consolidadas em diversas áreas.

Por exemplo: se uma empresa fecha uma fábrica, pode ser obrigada a pagar uma multa ao governo, além de dar aos funcionários aviso-prévio de um ano. Muitas vezes, isso depende de tensas negociações com os sindicatos, que acabam tornando todo o processo ainda mais complicado.

Zambon acrescenta que outro fator que influencia a complexidade do Brasil é a distribuição caótica de poder e atribuições no país. Com três divisões separadas — federais, estaduais e municipais — e mais de 5 mil municípios, cada um com seu próprio conjunto de regras e processos, a possibilidade de existir um entendimento completo e nacional é praticamente impossível.

Impostos

“Um empresário que instala uma empresa no Brasil é forçado a pagar impostos a três diferentes esferas de governo, o que torna a contabilidade das empresas muito complexa e cara”, diz Zambon. “Vemos empresas com os mesmos modelos de negócios, operando na mesma localidade, mas sendo tratadas de maneira diferente em termos de impostos. Além disso, há a chamada guerra fiscal, em que municípios e estados da Federação competem por incentivos fiscais” completa.

Com presença no Brasil desde 2006, o Grupo TMF tem mais de 400 clientes no país, auxiliando novas empresas a entrar no mercado e agilizando as operações atuais. “Para ter sucesso no Brasil, é essencial ter um parceiro local com experiência em operar dentro da complexa estrutura de negócios do país”, afirma Zambon. Definitivamente, não é tarefa fácil.

A boa notícia é que parece haver uma disposição do governo em alterar esse cenário. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já declarou que, depois da reforma da Previdência, a prioridade número um será a reforma tributária. Um dos pontos essenciais do projeto é a simplificação dos tributos. Se as mudanças, de fato, vierem, é provável que, nas edições futuras de rankings de competitividade, o Brasil consiga subir alguns degraus.

 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Economia


Já estão em vigor as novas regras do frete mínimo para caminhoneiros
O cálculo do frete mínimo agora abrange 11 categorias ...


Bolsonaro diz que governo não vai criar novos impostos
Em café da manhã com jornalistas, ele descarta recriação da CPMF ...


IGP-M acumula inflação de 6,53% em 12 meses, diz FGV
O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,53% na segunda prévia de julho deste ano...


MP faz operação contra empresários de alimentação no Rio
O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) faz hoje (17) uma operação contra acusados de integrar uma organização criminosa responsável por fraudar valores......

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE