Rondônia, - 01:55

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
índios isolados na Amazônia
Funai localiza 34 índios isolados na Amazônia
Expedição, iniciada no final de fevereiro, envolveu 30 pessoas e durou 32 dias
Publicado Segunda-Feira, 8 de Abril de 2019, às 07:53 | Fonte Folha de SP - Rubens Valente 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Bernardo Silva/Funai.

Um grupo de 34 índios isolados da etnia korubo foi contatado em uma expedição realizada pela Funai (Fundação Nacional do Índio), o que reduziu as tensões na Terra Indígena Vale do Javari, na fronteira com o Peru, informou nesta sexta-feira (5) o órgão indigenista. O grupo, de 17 mulheres e 17 homens, entre adultos e crianças, corria risco de um conflito com índios da etnia matís.

 

“Não houve nenhum tipo de resistência ou confronto, pelo contrário, foi um contato super pacífico. Esses índios reencontraram seus irmãos, suas irmãs, seus parentes antigos, seus sobrinhos e agora um universo novo que vai ser aberto de diálogo com esses povos que passam a um contato mais perene e intermitente com o Estado”, disse Bruno Pereira, coordenador da missão e da CGIIRC, o setor da Funai em Brasília responsável pela relação com indígenas isolados ou de recente contato.

 

A expedição, iniciada no final de fevereiro, durou 32 dias desde a chegada a Tabatinga (AM). Após uma quarentena de onze dias para evitar a transmissão de doenças para os indígenas, a equipe trabalhou oito dias na mata atrás de sinais dos índios na região do rio Coari, com foco nos roçados que haviam sido localizados em sobrevoos e imagens de satélite. “Mas eles não estavam lá, estavam se deslocando para se alimentar de pupunha e atrás de um cipó que costumam usar. No primeiro momento [em 19 de março] eles não estavam com armas ou bordunas, nós também não. Houve bastante emoção nesse momento”, disse Pereira.

“Desde lá estamos entabulando o diálogo com os indígenas e marcando uma nova visita. Não há relatos de doenças até agora, mais de 14 dias [depois]. Eles estavam contagiados por uma malária, não fomos nós que levamos. Fizemos três exames de malária. Uma malária suave que ainda não tinha estourado, estava meio encubada, podem ter adquirido pela visita dos matís ou de caçadores que andam perto do rio Coari”, disse Pereira.

 

A expedição envolveu 30 pessoas, incluindo índios da mesma etnia korubo que foram contatados em momentos anteriores e atuaram como intérpretes, uma equipe da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) do Ministério da Saúde, além do apoio remoto do Exército, polícias Militar e Federal e outros órgãos públicos.

 

Uma expedição de contato dos índios, conhecidos como “korubo do Coari”, em referência ao rio homônimo da região, vinha sendo pedida há mais de quatro anos por indígenas matís, que chegaram a invadir uma base da Funai na região, em 2016, a fim de pressionar o órgão. Além disso, korubos contatados em anos anteriores também passaram a demandar um encontro com seus parentes ainda isolados.

 

A operação foi discutida no final do governo de Dilma Rousseff, planejada no governo de Michel Temer e agora desencadeada porque os matís voltaram a alertar a Funai, em uma carta à presidência do órgão, sobre o risco de confronto iminente com os isolados. Em 2014, um choque entre as duas etnias deixou dois matís mortos e um número indeterminado de vítimas entre os korubos. A Funai informou na época que ouviu dos korubos a informação de que oito deles morreram no revide. O órgão temia que um massacre pudesse se repetir a qualquer momento.


Uma expedição com esse porte e objetivo não ocorria há mais de 20 anos. Após o fim da ditadura militar, em 1985, como resultado de contatos catastróficos ocorridos durante o regime militar e antes dele, com a morte de milhares de indígenas até então isolados, a Funai colocou em prática a chamada política do não contato, que vigora até hoje. Lançada também como uma resposta às denúncias das altas taxas de mortalidade feitas por antropólogos, indigenistas e organizações não governamentais ao longo dos anos, ela tem como premissa não ir ao encontro dos isolados e agir apenas em casos pontuais, quando a etnia isolada sofre, por exemplo, uma ameaça concreta.

 

Em fevereiro passado, um sobrevoo da Funai na região do rio Coari identificou três malocas e cinco áreas de roça a apenas 21 km de uma aldeia dos matís. “O risco de não fazer [o contato] é delegar à sorte. E a sorte para a gente tem dado resultados práticos: foram conflitos e morte. É delegar ao destino, que pode ser oito dias, oito meses ou oito anos. Mas essa proximidade de 20 km de onde os korubos estão, dentro quase da aldeia matís, é um cenário catastrófico, falta um milímetro, um cabelo [para ocorrer um confronto]”, disse Pereira em fevereiro, antes de iniciar a expedição.

 

A missão foi acompanhada por korubos anteriormente contatados em 1996, 2014 e 2015. Havia parentes korubos que não se viam há anos. A intenção era pedir aos isolados que deixem de frequentar áreas, roças ou malocas ocupadas pelos matís, a fim de evitar um massacre. Os korubos detêm apenas bordunas, e por isso ficaram conhecidos como “caceteiros”, mas os matís já possuem armas de fogo.

 

“Conseguimos fazer o primeiro diálogo entre matís e korubos. São relações constituídas que envolvem casamento, relações espirituais. Começamos a explicar que não andassem mais naquela região. Eles não entendiam que eram as mesmas pessoas que tinham visitado novamente, suas roças, frutas e iniciando os roçados. Houve o entendimento, a gente conseguiu dialogar nesse sentido com eles e eles disseram que não vão mais andar para lá”, disse Pereira.

 

Os korubos que já mantinham algum tipo de contato com a população não indígena eram, ao todo, 88 pessoas. Sobre os isolados, não havia número preciso, mas a Funai estimava cerca de 28 no grupo do Coari (dez homens, doze mulheres e seis crianças). Eram 34. Em contrapartida, há mais de 500 matís na região. Outros 30 a 40 korubos vivem em outro grupo isolado, perto do rio Curuena _o segundo grupo não será foco da operação.

CONFLITOS
O Vale do Javari, com seus 8,5 milhões de hectares e cerca de 5 mil índios de sete etnias diferentes, é considerada a região do planeta onde mais existem grupos indígenas isolados. De 28 grupos isolados confirmados no país pela Funai, onze estão no Javari. Há outras 26 informações sobre isolados ainda em estudo na Funai. Embora saiba onde esses grupos estão, a Funai procura manter distância, fazendo apenas o monitoramento sobre eventuais agressões ao território indígena, como caçadores de animais silvestres e ladrões de madeira.

Considerando a política do não contato, a decisão de ir ao encontro dos “korubos do Coari” foi precedida de um intenso debate entre indigenistas do órgão. Eles optaram por desencadear a operação antes que a região habitada pelos matís e korubos seja o palco de uma carnificina. A Folha apurou que a expedição vem sendo discutida há muitos meses, não sendo uma ação determinada por membros do governo Jair Bolsonaro. Eles foram informados pelos técnicos da Funai e passaram a manter o aval político e o apoio financeiro e logístico à expedição.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Inpa promove Workshop Internacional de Biodiversidade Tropical e Conservação
Gratuito, o Workshop é uma atividade do projeto Museu na Floresta, uma parceria do Inpa com a Universidade de Quioto, com financiamento da Jica...


Funai e PMA fazem operação em RO contra grilagem de terra e exploração ilegal de madeira
Reserva indígena é localizada na região de União Bandeirante, distrito de Porto Velho. Segundo Funai as invasões são acobertadas por supostas associações....


Amazônia é do Brasil e não da humanidade, diz Heleno
Não aceito essa história de que a Amazônia é patrimônio da humanidade, isso é uma grande bobagem”, afirmou em entrevista no Palácio do Planalto....


Prêmios ''Professor Samuel Benchimol'' e ''Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente''
Prêmios ''Professor Samuel Benchimol'' e ''Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente'' estão com inscrições abertas até 2 de setembro....

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE