Rondônia, - 05:57

 

Você está no caderno - Notícias da Justiça e do Direito
Dia da Terra
Dia da Terra no TJRO: ações planejadas para prestação jurisdicional sustentável
A criação de um dia para lembrar o ser humano sobre a obrigação de cuidar da sua casa, com respeito e de forma habitual, é celebrada hoje, 22 de abril, Dia da Terra...
Publicado Quinta-Feira, 22 de Abril de 2021, às 10:30 | Fonte TJRO 0

 
 

Foto: Divulgação

A criação de um dia para lembrar o ser humano sobre a obrigação de cuidar da sua casa, com respeito e de forma habitual, é celebrada hoje, 22 de abril, Dia da Terra. A casa que abriga a todos requer, cada vez mais, posturas reparadoras da ação do homem sobre o planeta. No Tribunal de Justiça de Rondônia o trabalho diário é norteado por política que viabiliza minimizar os efeitos das atividades cotidianas, garantindo a atuação sustentável da instituição.

Evitar o desperdício de água, papel ou energia como forma de poupar recursos naturais, e garantir que as futuras gerações usufruam desses e de tantos outros disponíveis na Terra, são condutas cada vez mais difundidas. Mas a consciência sobre a necessidade urgente de pensar no lixo como a chave de ignição do aquecimento do planeta, das mudanças climáticas, da emissão de gás carbônico, dentre outros prejuízos, ainda tem um longo caminho a ser percorrido pela maioria.

Coleta Seletiva, reciclagem, redução de consumo, uso consciente, descarte ambientalmente correto de resíduos perigosos e outras ações planejadas constantemente pelo Tribunal de Justiça de Rondônia, fazem com que a instituição seja exemplo do cumprimento do seu papel em relação à preservação e conservação do Meio Ambiente.

O envolvimento da população judiciária rondoniense nas ações de preservação do meio ambiente, orientado pelo Núcleo de Acessibilidade, Inclusão e Gestão Socioambiental - Nages e pela Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável - CGPLS, prevê condutas simples como deixar de usar copos descartáveis, ou mudanças mais complexas, como o uso de energia solar, sistemas de reuso de água em suas edificações e a adoção de novo modelo de transporte com redução da frota de veículos a menos da metade e do custo para deslocamento a quase 70%.

“Essas ações não são pensadas como forma de mobilização e sensibilização somente no âmbito do Poder Judiciário, mas se convertem em mudanças e condutas levadas para outros setores e pessoas da sociedade”, defendeu o presidente da Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável, o juiz auxiliar Guilherme Baldan.

De acordo com o magistrado “quando um cidadão ou cidadã entendem a relação direta e permanente que existe entre o lixo e a mudança climática, visto que a maioria dos processos produtivos emite gases nocivos e causadores do efeito estufa, aumentam-se as chances do envolvimento, de forma mais efetiva e multiplicadora, em ações como, por exemplo, a reciclagem, atividade que muito contribui para diminuir o aquecimento do planeta e à qual o TJRO adere em suas práticas de gestão socioambientais”.

 

Plano de Logística Sustentável alinhado a objetivos da ONU

O Tribunal de Justiça de Rondônia, em seu Plano de Logística Sustentável-PLS, implantado em dezembro de 2020, com vigência para o período de 2021 a 2023, consolida o seu compromisso de cuidados com a Terra ao alinhar a prestação jurisdicional e todos os detalhes que envolvem as atividades concernentes à entrega dos serviços de Justiça à sociedade.

O documento do Poder Judiciário de Rondônia se integra aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável -ODS da Agenda 2030 da ONU, um plano de ação que busca fortalecer a paz universal, direcionado para as pessoas, o planeta e a prosperidade, com metas para erradicar a pobreza e promover vida digna para todos.

O PLS 2021-2023 do TJRO considera “o alinhamento da atuação do Poder Judiciário à Agenda 2030 coordenada pela Organização das Nações Unidas - ONU, representando um avanço no campo da concretização dos direitos fundamentais dos cidadãos e a indissociável relação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável à atuação do Poder Judiciário Rondoniense”.

Sempre na vanguarda no que se refere a inovações e implementação de mecanismos otimizadores do cumprimento da sua missão institucional, o Judiciário estadual, assim como a Escola da Magistratura rondoniense - Emeron, dão grandes exemplos de atuação integrada, com metas transformadoras.

A Emeron é a primeira escola judicial brasileira a integrar o Pacto Global da ONU. Ao firmar o compromisso e integrar a iniciativa, a Escola da Magistratura rondoniense apresentou propostas de contribuição para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável como cursos de pós-graduação latu sensu em Direito Ambiental, com capacitação de magistrados, magistradas, servidores e servidoras do TJRO, além de membros de órgãos de integrantes do Sistema de Justiça.

Ao falar da preocupação constante da administração do Tribunal de Justiça de Rondônia com a Terra, a diretora do Nages, Maiara Ribeiro, destacou a importância de cada integrante do Judiciário avaliar constantemente, a partir dos hábitos de consumo e descarte de materiais, a sua participação no processo das mudanças necessárias para que o Meio Ambiente seja preservado e conservado.

Maiara mencionou, como ferramenta de avaliação, a Pegada Ecológica, um método utilizado para calcular o consumo, a exploração e a utilização dos recursos naturais pelas pessoas sem o comprometimento desses recursos para as futuras gerações. “É uma maneira de quantificarmos os recursos ou elementos naturais necessários para viver do modo como vivemos, e saber se a natureza é capaz de repor aquilo que usamos naquele período. Esse é o verdadeiro significado de sustentabilidade”, finalizou a diretora.




Veja também em Notícias da Justiça e do Direito


TJRO promove oficina para policiais sobre o sistema de “peticionamento inteligente”
A Corregedoria-Geral da Justiça de Rondônia (CGJ) fará uma oficina sobre o sistema......


Justiça de Rondônia apresenta aumento acima de 70% no volume de trabalho durante a pandemia
O Poder Judiciário de Rondônia tem se adaptado a uma nova realidade......


MPF recomenda que municípios de Rondônia alterem nomes de bens públicos que homenageiam pessoas vivas
Legislação proíbe ter nome de pessoa viva em bem público de qualquer natureza... ...


TJRO mantém indeferimento de posse em cargo emergencial de médica que acumulava cargo
Por ser cargo emergencial para combate à pandemia, ela não conseguiria cumprir o serviço......

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM Publicidade:::

Tereré News