Rondônia, - 18:58

 

Você está no caderno - Saúde
NUTRIÇÃO
Nutrição pós-Covid-19 é aliada na recuperação da doença; pacientes relatam fraqueza e perda de peso
Alimentar-se de forma adequada e saudável faz a diferença visto que os alimentos fornecem recursos que atuam na resistência do organismo ao coronavírus...
Publicado Quarta-Feira, 7 de Abril de 2021, às 15:21 | Fonte Ascom Governo de Rondônia 0

 
 

Foto: Daiane Mendonça 

Alimentar-se de forma adequada e saudável faz a diferença visto que os alimentos fornecem recursos que atuam na resistência do organismo ao coronavírus. Entre as principais sequelas relatadas por pacientes acometidos pela Covid-19 estão a fraqueza e a perda de peso. O comprometimento do olfato que surge comumente entre os primeiros sintomas pode estar relacionado a falta de apetite, resultando na fraqueza do indivíduo. 

O nutricionista é considerado o profissional habilitado para prescrever dietas. De acordo com a nutricionista do Hospital de Emergência João Paulo II, Ana Paula Anísio, é comum que os pacientes que receberam alta se sintam mais fracos, sem vontade de comer e que tenham emagrecido. Ela garante que uma alimentação adequada ajuda a evitar a perda de peso e retomar a rotina diária aos poucos. “O descanso, o consumo de água adequado, a atividade física e as atividades diárias que fortalecem o pulmão aliados a uma alimentação saudável são fundamentais no processo de recuperação da Covid-19”.

A adequação da alimentação é baseada de acordo com perfil corporal e sintomas que o paciente apresenta, inclusive a quantidade ideal de água para cada pessoa é prescrita pelo profissional. Segundo a especialista, é imprescindível que o paciente seja submetido a uma série de vitaminas que devem ser o mais natural possível, em quantidades específicas. “Por isso são feitas as suplementações vitamínicas através de capsulas manipuladas ou até vendidas nas farmácias. Estes medicamentos conseguem atingir o nível ideal, e são prescritas de acordo com a necessidade do paciente” garante Ana Paula. 

Entre as principais vitaminas que devem ser consumidas durante este período, estão as vitaminas A, C, D, Zinco, Selênio, Magnésio e Iodo, além da adequação do consumo de Ferro. “Muitos pacientes reclamam de fraqueza e falta de apetite. O ferro, em quantidade certas regula este sintoma. O consumo da carne vermelha contribui com a melhora”, diz a profissional.

Tanto pacientes sintomáticos como os assintomáticos devem se preocupar em adequar a alimentação. “Temos tido muitos relatos de pacientes que tem apresentado  diabetes e hipertensão no pós Covid. A boa alimentação é primordial para evitar essas sequelas” garante a nutricionista.

Francimar Rodrigues, de 50 anos, perdeu 8kg de massa corporal em um mês. Segundo especialistas, isso acontece devido ao gasto metabólico para combater a doença no organismo. “Desconfiei da falta de apetite, fui ao médico e lá eu descobri que a Covid-19 despertou em mim a diabetes e por isso perdi muito peso”, diz a paciente.

Além da diabetes, Francimar enfrenta dores na coluna diariamente, perda de memória, dores musculares, e relata problemas de visão. Devido ao emagrecimento significativo, ela resolveu buscar ajuda profissional e garante o acompanhamento ainda é necessário, mesmo um ano após a contaminação. “Tomei suplementos hipercalóricos, medicação e tenho até hoje uma alimentação balanceada. Sigo as recomendações nutricionais a risca, além de tomar medicamentos específicos para controlar a glicemia”.

A sardinha, o salmão, o arenque, o atum, as sementes de chia, as nozes e linhaça, e demais alimentos ricos em Ômega-3 ajudam a fortalecer o sistema imunológico. Já a castanha do pará, o trigo, o arroz, a gema de ovo, as sementes de girassol, o frango, o pão de forma, o queijo, o repolho e a farinha de trigo são ricos em Selênio. Alimentos como as ostras, camarão, carne de vaca, frango, peru e peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais e frutos secos (castanha, amendoim e castanha do Pará) são ideias para o fornecimento do Zinco no organismo. 

A laranja, a tangerina, o abacaxi, o limão, o morango, o melão, o mamão, a manga, o kiwi, brócolis, o tomate, a melancia e a batata com casca, são essenciais para o fornecimento de vitamina C. As sementes de girassol, a avelã, o amendoim, as amêndoas, a pistache, a manga, o azeite de oliva, o molho de tomate, o azeite de girassol, as nozes e o mamão, são ricos em vitamina E. Alimentos como cenoura, batata doce, manga, espinafre, melão, acelga, pimentão vermelho, brócolis, alface e ovo, são ricos em Vitamina A. O iogurte natural, o leite fermentado são ótimos para manter a saúde intestinal, além de fortalecer a imunidade de forma natural.




Veja também em Saúde


Governo distribui 11.990 doses de vacinas contra a gripe; Ji-Paraná registrou nove notificações de H1N1 em 2020
O Governo de Rondônia, por meio Agência Estadual de Vigilância em Saúde de Rondônia (Agevisa), entregou 11.990 doses do imunizante para os 15 municípios da região Central......


Saúde garante prorrogação de recurso do Programa Previne Brasil
Incentivos por cadastro e per capita serão prorrogados até agosto......


Vacinação contra gripe começa nesta segunda-feira
Ministério da Saúde irá distribuir 80 milhões de doses para vacinar toda a população-alvo; campanha vai até 9/7.... ...


Ministro da Saúde e embaixador da União Europeia discutem ações de enfrentamento à pandemia
Marcelo Queiroga participou de videoconferência com o embaixador Ignacio Ybañez e fez apelo por antecipação de doses de vacinas Covid-19... ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News