Rondônia, - 01:36

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
CORONAVIRUS
Holanda não é exemplo de preparação para a pandemia
O país cujo ministro das Finanças causou polemica debate-se com a sobrecarga do sistema de saúde
Publicado Sábado, 4 de Abril de 2020, às 09:43 | Fonte Expresso 0

 
 

BART MAAT/EPA

Transeuntes no centro de Haia, a 3 de abril de 2020. As medidas de confinamento de muitos países não foram adotadas na Holanda

O país cujo ministro das Finanças causou polémica debate-se com a sobrecarga do sistema de saúde. Primeiro-ministro Mark Rutte procura mitigar efeitos do discurso do seu colega de Governo no Conselho Europeu
São nove da manhã e no mercado ao ar livre na rua Dapperstraat, em Amesterdão, estão a montar barracas de fruta. A rua está quase deserta, mas a voz de um dos coordenadores do mercado, vestido de colete cor-de-laranja, ecoa entre as fachadas: “Mantenham a distância”. Um casal de madrugadores, assustado, obedece e prossegue com metro e meio de distância.

Fazer compras no mercado continua a ser possível na Holanda em tempos de covid-19, graças ao sistema de ‘lockdown inteligente’, termo introduzido pelo primeiro.ministro Mark Rutte. Sair da casa só quando estritamente necessário, vigorando ordem de distanciamento social e proibição de agrupamentos de mais de duas pessoas.

Ainda assim, as coffee shops continuam abertasem regime de take-away e os serviços religiosos estão isentos das limitações. O consumo de canábis e as missas dos grupos ultracalvinistas, embora reprovados por virólogos, podem continuar pacíficamente.

O primeiro caso de covid-19 na Holanda foi detetado a 27 de fevereiro, no sul do país. Até esta sexta-feira, 3 de abril, havia mais de 15 mil casos de infeção e 1487 mortos. A capacidade das unidades de cuidados intensivos ameaça esgotar-se em poucas semanas.

A percentagem de casos confirmados que resultaram em morte é de 9,07, o que coloca a Holanda em terceiro lugar na tabela europeia da mortalidade causada pelo novo coronavírus. Só fica atrás da Itália e de Espanha, os países que o ministro das Finanças holandês, Wopke Hoekstra, queria ver investigados pela sua impreparação orçamental para a pandemia.

LIGAÇÃO INQUEBRÁVEL COM A EUROPA
Além da crise sanitária, há preocupações realtivas aos efeitos económicos da pandemia. O Governo anunciou um pacote de medidas para apoiar empresas e consumidores, que poderá atingir um valor total de 65 mil milhões de euros nos próximos meses. Em comparação: a Alemanha irá gastar mais de 350 mil milhões de euros; a Itália cerca de 25 mil milhões.

“Vamos proteger a nossa economia desta crise, a todo o custo”, anunciou Rutte em março. Como economia mercantil, a Holanda depende da Europa. O velho ditado diz: “Quando a Alemanha espirra, a Holanda fica de cama”. Outro exemplo da interligação económica é a KLM-Air France. Sem o contributo de trabalhadores de outros estados-membros da UE em sectores tão diversos como as estufas ou a tecnologia de informação, a economia holandesa não poderia funcionar.
Na semana passada, a comunicação social holandesa deu pouca atenção à tempestade que se levantou na Itália, em Espanha e em Portugal, em reação às declarações do ministro Hoekstra, que o primeiro-ministro António Costa considerou “repugnantes”. Só a publicação, no jornal alemão “Frankfurter Allgemeine Zeitung”, de uma carta aberta de um grupo de dirigentes italianos, condenando a “falta de ética e solidariedade” do Executivo holandês, despertou a atenção da opinião pública holandesa.

PRESSÃO ALEMÃ
Desde então, tem crescido a resistência contra o bloqueamento de uma solução da crise por via da emissão de dívida mutualizada, os chamados coronabonds, dentro da coligação de centro-direita e em círculos de economistas influentes.

As bancadas parlamentares de dois dos quatro partidos da coligação governamental criticaram o libral Rutte e o democrata-cristão Hoekstra, falando em “desastre diplomático” e da necessidade de um “Plano Marshall para a Europa do Sul”.

Numa carta aberta no diário “De Volkskrant”, um grupo de mais de 60 economistas defendeu o uso do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MES) e um solução temporária com coronabonds como via de saída da crise.

Decisivo no reconhecimento da “pouca compaixão” de Hoekstra foi, muito provavelmente, o longo telefonema entre Rutte e a chanceler alemã Angela Merkel, após a carta aberta no jornal de Frankfurt. Rutte prometeu, em seguida, disponibilizar mil milhões de euros para um fundo de apoio especial para o Sul da Europa.

Paralelamente à polémica sobre as declarações do ministro, há críticas à falta de unidades de cuidados intensivos nos hospitais da Holanda. A oposição acusa o Governo de “negligenciar” o sistema de saúde. Hospitais alemãoes já se ofereceram para receber pacientes holandeses diagnosticados com covid-19. E isto sem fazer perguntas incómodas.



Veja também em INTERNACIONAL


Covid-19: Portugal anuncia plano para suspensão de restrições
Medidas serão suspensas em três etapas a partir de domingo......


Meteoro ilumina os céus da Noruega; parte pode ter caído perto de Oslo
Câmera capturou bola de fogo caindo do céu e explodindo em um flash......


Ativistas afirmam que 537 pessoas foram presas em Cuba
Ativistas cubanos documentaram que mais de 500 pessoas foram detidas......


Pior chuva em mil anos deixa pelo menos 25 mortos em província chinesa
Cidade ficou sem transporte, e 100 mil pessoas foram retiradas de casa......

 
      

2021 - ARIQUEMES ONLINE - Informação Sem fronteiras
© 2007 - 2021 • Ernesto & Eugenio Comunicação

E-mail: [email protected]
Fone: (69) 9 9967-8787 (WhatsApp)
Ariquemes - Rondônia - Brasil

Política de privacidade e uso





 
 
 
 
Ariquemes Online