Rondônia, - 10:21

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
CORONAVÍRUS
Ministério da Saúde define protocolo de uso da cloroquina contra Covid-19
Medicamento experimental será usado apenas em pacientes graves, e sua eficácia está longe de ser comprovada
Publicado Quinta-Feira, 26 de Março de 2020, às 08:24 | Fonte Olhar Digital 0

 
 

Agora é oficial: a cloroquina e sua variante menos tóxica, a hidroxicloroquina, começarão a ser usados no tratamento da Covid-19 em pacientes graves no Brasil. O Ministério da Saúde vai distribuir 3,4 milhões de unidades do medicamento para hospitais e determinou um protocolo para uso da droga. De acordo com a orientação, o tratamento com a cloroquina deve ser realizado ao longo de cinco dias. O medicamento deve ser ministrado apenas sob supervisão médica e apenas em pacientes graves. “O que vamos propor é um protocolo específico de curto prazo para que possamos tratar pacientes hospitalizados. Sabemos que há lacuna de conhecimento, mas, para pacientes críticos, que vão para CTI, a taxa de letalidade chega a 49%. Temos que dar alternativas”, disse Denizar Vianna, secretário de ciência e tecnologia do Ministério da Saúde, como relata a Folha de S. Paulo.

O Ministério também deixa claro que o medicamento deve ser usado exclusivamente no ambiente hospitalar, então só deve comprar a droga na farmácia é quem o utiliza para tratar outras doenças, como lúpus, artrite reumática e malária. O ministro Luiz Henrique Mandetta diz que, para quem comprou o item na esperança de combater o coronavírus, o correto seria ir até a farmácia e devolvê-lo. Sem supervisão médica, é possível haver reações adversas perigosas, como arritmia cardíaca, então a automedicação não é aconselhada. A medida vem com base em um estudo bastante limitado, que envolveu 36 pessoas divididas em três grupos: um tratado com a hidroxicloroquina, outro com uma combinação da droga com o antibiótico azitromicina e o último recebeu tratamento convencional. Os pacientes tratados com a hidroxicloroquina se curaram mais rápido do que os que tiveram um tratamento comum, e os resultados foram ainda mais promissores no grupo que se tratou utilizando também o antibiótico.

No entanto, especialistas concordam que o fato de o estudo ser muito pequeno faz com que ele seja pouco confiável, permitindo uma série de vieses que só seriam eliminados com uma pesquisa mais ampla e randomizada. Isso deve eliminar o risco de coincidências nos resultados.







Veja também em Tecnologia e Vida Digital


O Anjo Exterminador
Filme mexicano de Buñuel mostra confinamento misterioso muito antes da Covid-19...


Moto G8 Power ganha versão Lite com menos câmeras, tela mais simples e os mesmos 5.000 mAh de bateria
Há duas gerações, a família Moto G ganhou um novo modelo: o Moto G7 Power era um aparelho mais simples que o Moto G7...


Estas moscas estão presas no ato de acasalamento há 41 milhões de anos
Um casal de moscas predadoras tiveram um fim românico há cerca de 41 milhões de anos...


Ministério volta atrás e diz que primeira morte por coronavírus no Brasil não ocorreu em janeiro
O texto e título do post foram modificados de modo a invalidar boa parte do texto abaixo...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News