Rondônia, - 10:31

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
TECNOLOGIA CIBERSEGURANÇA
Homem é acusado de chantagear mulheres para obter vídeos explícitos e vendê-los pelo Telegram
Autoridades sul-coreanas adotaram a rara medida de identificar publicamente um homem que, segundo a polícia do país, explorou sexualmente 74 mulheres, incluindo 16 menores, para que elas produzissem vídeos com conteúdo explícito e desumanizador de si mesmas.
Publicado Quinta-Feira, 26 de Março de 2020, às 07:15 | Fonte Gizmodo 0

 
 

Autoridades sul-coreanas adotaram a rara medida de identificar publicamente um homem que, segundo a polícia do país, explorou sexualmente 74 mulheres, incluindo 16 menores, para que elas produzissem vídeos com conteúdo explícito e desumanizador de si mesmas. Estes vídeos foram compartilhados com membros de salas de bate-papo privadas no Telegram. Era preciso pagar para entrar nestes grupos de mensagem.

Cho Ju-bin, o suspeito de 24 anos identificado pelas autoridades sul-coreanas como estando por trás do esquema de chantagem, supostamente era o moderador uma sala de bate-papo com cerca de 10 mil membros. Ele usava o nome “The Doctor”, de acordo com a Associated Press. Como parte de seu esquema de manipular mulheres e meninas para produzir imagens sexualmente explícitas — que, segundo o serviço de notícias, em alguns casos envolvia estupro e outras violências.

Cho teria usado anúncios de emprego falsos e promessas de grandes quantias de dinheiro para coagir mulheres e meninas a criar vídeos explícitos. Sob a ameaça de compartilhar esses vídeos explícitos com familiares e amigos, Cho conseguia continuar chantageando as mulheres para criar imagens mais violentas e extremas.

De acordo com a Associated Press e as agências de notícias sul-coreanas citadas pelo Washington Post, acredita-se que Cho possa ter obtido informações privadas sobre as mulheres por meio de cúmplices nos escritórios de governos locais. Durante sua prisão na semana passada, a polícia apreendeu cerca de 130 milhões de won (cerca de R$ 533 mil) em dinheiro da casa de Cho. Membros da sala de bate-papo que procuram vídeos de escravidão sexual de mulheres pagaram até 1,5 milhão de won (cerca de R$ 6.100) em criptomoeda para acessar os vídeos, segundo vários canais.

É excepcionalmente raro que autoridades coreanas identifiquem suspeitos, por respeito à sua privacidade e aos familiares do acusado. Evidentemente, porém, são feitas exceções em casos que envolvam figuras públicas ou crimes especialmente horríveis. Autoridades teriam sido pressionados pela opinião pública para revelar o suspeito após sua prisão na semana passada.

O New York Times informou que uma dúzia de outras pessoas que trabalhavam em escritórios do governo também foram presas por envolvimento com estes crimes. Ao ser apresentado aos jornalistas na quarta-feira em frente a uma delegacia de Seul, Cho teria dito: “Obrigado por interromper a vida de um diabo [que eu] não conseguia parar”.

O Presidente Moon Jae-in pediu uma investigação sobre Cho e outras pessoas associadas às salas de bate-papo, incluindo membros. De acordo com a Associated Press, os promotores estão analisando a acusação de Cho pelas supostas condutas.

“O incidente na sala de bate-papo do The Doctor é um crime cruel e chocante que causou um golpe devastador nas vidas de crianças, adolescentes e mulheres”, disse Min Gap-ryong, comissário geral da Agência Nacional de Polícia Coreana, ao Post. “Por meio de rigorosa investigação, acabaremos com a apatia social em relação ao abuso sexual online e impediremos que esses crimes ganhem espaço em nossa sociedade.” 







Veja também em Tecnologia e Vida Digital


O Anjo Exterminador
Filme mexicano de Buñuel mostra confinamento misterioso muito antes da Covid-19...


Moto G8 Power ganha versão Lite com menos câmeras, tela mais simples e os mesmos 5.000 mAh de bateria
Há duas gerações, a família Moto G ganhou um novo modelo: o Moto G7 Power era um aparelho mais simples que o Moto G7...


Estas moscas estão presas no ato de acasalamento há 41 milhões de anos
Um casal de moscas predadoras tiveram um fim românico há cerca de 41 milhões de anos...


Ministério volta atrás e diz que primeira morte por coronavírus no Brasil não ocorreu em janeiro
O texto e título do post foram modificados de modo a invalidar boa parte do texto abaixo...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News