Rondônia, - 18:38

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
PGR vai se reunir com defesa de Joesley e Wesley para 'repactuar acordo'
Em dezembro de 2019, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, marcou para 17 de junho de 2020 o julgamento em que o plenário da Corte vai analisar a extinção dos acordos de colaboração premiada
Publicado Sábado, 22 de Fevereiro de 2020, às 07:49 | Fonte Correio Braziliense 0

 
 

(foto: AFP / EVARISTO SA)


A subprocuradora-geral da República Lindôra de Araúja   informou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que vai se reunir com os advogados dos executivos da J&F Joesley e Wesley Batista com o fim de analisar a possibilidade de repactuar os acordos de colaboração premiada dos irmãos. Também pediu que a ação de rescisão dos acordos seja suspensa por 60 dias.

Em dezembro de 2019, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, marcou para 17 de junho de 2020 o julgamento em que o plenário da Corte vai analisar a extinção dos acordos de colaboração premiada.

Em novembro, o procurador-geral da República, Augusto Aras, chegou a enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer em que pediu ao tribunal a extinção dos acordos de colaboração premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, além dos executivos Ricardo Saud e Francisco de Assis.

Na avaliação de Aras à época, os quatro delatores foram "desleais" e agiram com má-fé ao omitirem fatos ao Ministério Público Federal e contarem com a ajuda nos bastidores do ex-procurador Marcelo Miller, acusado de fazer "jogo duplo", ao auxiliar o grupo J&F enquanto ainda mantinha vínculos com a Procuradoria.

"Homem médio"

O procurador também criticou o comportamento de Josley e Batista e Ricardo Saud, ao deixarem de informar no início das negociações do acordo as acusações existentes contra o senador Ciro Nogueira (PP-PI). No último prazo para a entrega de material complementar aos procuradores, em 31 de agosto de 2017, Joesley entregou um áudio sobre o pagamento de R$ 500 mil ao parlamentar em troca de seu apoio ao impeachment de Dilma Rousseff (PT).

"Não é crível o argumento de que o fato envolvendo Ciro Nogueira não foi reportado ao MPF já no momento inicial, quando da assinatura do acordo, por que os ex-colaboradores não o consideraram como criminoso. Ora, tal fato, além de grave, seria considerado por qualquer pessoa, ainda que despida de conhecimentos jurídicos mínimos, como sendo 'ilícito'", criticou Aras. 

 







Veja também em POLÍTICA


Mesmo sem carta branca, Regina Duarte tenta pacificar o meio artístico
Nova secretária de Cultura afirma que buscará pacificar a relação com a classe artística e pede apoio do Congresso. Durante a posse, foi lembrada pelo presidente Bolsonaro de que ele tem a palavra final sobre nomeações na pasta...


Bolsonaro diz que enviará reforma administrativa ao Congresso após carnaval
O ministro da Economia, Paulo Guedes, também presente na cerimônia, destacou que Bolsonaro está analisando o texto da reforma e, por isso, o mesmo ainda não foi enviada à Câmara...


Com adiamento de atos, grupos pró-governo organizam 'panelaço' no domingo
O Avança Brasil enviou para os apoiadores uma nota, na qual explica o motivo da suspensão das manifestações e pede que batam panelas...


Alexandre Garcia: ''Estados Unidos do Brasil''
Trump elogiou o presidente brasileiro pelas mudanças que vêm sendo feitas no país, a mais importante delas é deixar a corrupção longe das estatais e do dinheiro público ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News