Rondônia, - 01:55

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Deputado iraniano oferece três milhões de dólares a quem matar Trump
Um político de Kerman, a terra natal do general iraniano Qassem Soleimani morto num ataque aéreo norte-americano, anunciou a recompensa em nome dos três milhões de habitantes da província
Publicado Terça-Feira, 21 de Janeiro de 2020, às 16:49 | Fonte Diário de Notícias 0

 
 

© EPA/ICANA NEWS AGENCY

O deputado iraniano Ahmad Hamzeh anunciou uma recompensa de três milhões de dólares para quem matar o presidente dos EUA

Um deputado iraniano propôs esta terça-feira uma recompensa de três milhões de dólares a "quem matar (Donald) Trump", vingando a morte do general Qassem Soleimani assassinado no início de janeiro em Bagdade por ordem do presidente norte-americano, indicou a agência ISNA.

"Damos três milhões de dólares (cerca de 2,7 milhões de euros) a quem matar Trump", declarou no parlamento Ahmad Hamzeh, citado pela ISNA.

Segundo a agência do parlamento iraniano, Icana, Hamzeh disse fazer a oferta em nome dos "três milhões de habitantes de (província de) Kerman", no sudeste do Irão e terra natal do general.

Soleimani, que era o principal general do Irão, comandante da Força Quds, encarregada das operações externas dos Guardas da Revolução, foi morto a 3 de janeiro num ataque norte-americano junto ao aeroporto de Bagdade e enterrado na cidade de Kerman na noite de 7 para 8 de janeiro.

"É simplesmente rídiculo", diz embaixador norte-amerricano
Hamzeh não deu quaisquer informações sobre como contava financiar a recompensa.

Questionado sobre a recompensa em Genebra, o embaixador norte-americano na Conferência do Desarmamento Robert Wood classificou de "ridículas" as declarações do deputado iraniano.

"É simplesmente ridículo. Mas dá uma ideia das raízes terroristas deste regime e este regime deve mudar o seu comportamento", disse.

A tensão entre o Irão e os Estados Unidos tem vindo a subir desde que Washington abandonou unilateralmente em maio de 2018 o acordo nuclear internacional com a República Islâmica e restabeleceu sanções que prejudicam gravemente a economia iraniana.

No início do mês, os Estados Unidos e o Irão pareceram próximos de um confronto militar direto.

Ao ataque a Soleimani, arquiteto da influência regional iraniana, Teerão respondeu cinco dias mais tarde disparando mísseis contra bases iraquianas com soldados norte-americanos.

No mesmo dia, o Irão abateu "por erro" um avião ucraniano, que acabava de deslocar do aeroporto Teerão, matando as 176 pessoas a bordo, a maioria iranianos e canadianos.







Veja também em INTERNACIONAL


Prisioneiro confessa ter agredido dois pedófilos até à morte na cadeia
''Perdido por cem, perdido por mil'', confessou, numa carta enviada a um jornal da Califórnia...


Espanha: Polícia de folga salva bebê de 18 dias de morrer asfixiado
O polícia aplicou a manobra de Heimlich quando percebeu que a criança estava com dificuldades em respirar...


Celebrações de Carnaval banidas na Itália por causa do novo coronavírus
Duas pessoas morreram nas últimas 24 horas em Itália, na sequência da infeção por Covid-19. Autoridades italianas estão a alargar medidas preventivas...


Covid-19: “Vi coisas estranhas aqui mas isto tem sido o mês mais surreal da minha vida”: o relato da quarentena de um jornalista em Shanghai
Michael Smith é correspondente de um jornal australiano em Shanghai, na China, e esteve em quarentena durante oito dias. As regras variam de bairro para bairro e o poder vive muito nos ''exércitos de voluntários comunitários''. Afinal, como é estar...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News