Rondônia, - 21:56

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícias da Amazonia
Grupo de mobilidade se reúne em Cuiabá para discutir viabilidade do VLT
O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.
Publicado Quarta-Feira, 14 de Agosto de 2019, às 09:54 | Fonte G1 0

 
 

Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

Obra do VLT está parada desde dezembro de 2014

Membros do grupo de trabalho sobre o sistema de mobilidade da região metropolitana farão visitas para saber como estão as condições do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e até onde as obras avançaram. A ideia é fazer um diagnóstico da situação do VLT para decidir se há viabilidade técnica e operacional, mas há vários entraves pra se resolver.

Enquanto isso, um grupo de técnicos da Secretaria de Infraestrutura prepara um relatório detalhado junto com a Controladoria Geral do Estado (CGE) sobre tudo o que foi feito até agora.

Conforme o chefe do escritório de representação de Mato Grosso em Brasília, Carlos Fávaro, uma série de questões ainda deve ser discutida.

“São ações judiciais, a própria delação do ex-governador Silval Barbosa que narra os fatos envolvendo corrupção e causou a anulação do contrato com o consórcio na Justiça, além da viabilidade da tarifa”, afirmou.

Registros de componentes das partes superior e interna dos vagões mostram que a manutenção é periódica e eles estão em boas condições.

O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.

Esta semana, o movimento Pró-VLT - uma organização da sociedade civil - discutiu a conclusão do percurso que vai do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, até o Porto, em Cuiabá, totalizando 3,5 km.

O grupo de trabalho precisa ainda atualizar o valor da tarifa. Para isso, além dos dados de origem e destino do transporte coletivo da região metropolitana, vai levar em conta a demanda de passageiros, a distância percorrida pela frota (inclusive de ônibus), o custo operacional e os custos de investimentos do operador.

No Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, a passagem custa R$ 3,80. Mas o consórcio que administra o VLT pediu a rescisão do contrato na Justiça por causa de dívidas da prefeitura, que fez uma parceria público privada, mas não está conseguindo bancar o sistema por falta de retorno.

Em Santos (SP), a tarifa ficou em R$ 4,40 e é de responsabilidade da empresa metropolitana de transportes urbanos, que também opera as linhas de ônibus.

Em Cuiabá e Várzea Grande, a troca de modal não foi totalmente descartada.

O grupo tem até novembro para apresentar uma alternativa para a questão.

Por Marina Martins, TV Centro América







Veja também em Notícias da Amazônia


Polícias Civil e Militar prendem jovem por tentar arremessar droga para dentro da carceragem de Alvarães
A equipe de investigação da 57ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) do município de Alvarães, em ação conjunta com......


Governo do Pará apresenta estratégia para crescimento econômico sustentável inovador e preservação ambiental
Iniciativa foca no crescimento econômico com sustentabilidade para gerar emprego e renda e diminuir emissão de carbono ...


Programação especial de Natal chega ao setor Taquari neste fim de semana
Programação terá desfile do Papai Noel e apresentações artísticas de estudantes. No último fim de semana, evento foi em Taquaralto...


Polícia apreende mais de 10 kg de pasta-base de cocaína e prende três suspeitos
Os três suspeitos, dois homens e uma mulher, estavam em um carro que ia de Santa Fé para Araguaína. Polícia ainda encontrou R$ 10 mil em espécie no veículo...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News