Rondônia, - 03:41

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícias da Amazonia
Grupo de mobilidade se reúne em Cuiabá para discutir viabilidade do VLT
O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.
Publicado Quarta-Feira, 14 de Agosto de 2019, às 09:54 | Fonte G1 0

 
 

Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

Obra do VLT está parada desde dezembro de 2014

Membros do grupo de trabalho sobre o sistema de mobilidade da região metropolitana farão visitas para saber como estão as condições do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e até onde as obras avançaram. A ideia é fazer um diagnóstico da situação do VLT para decidir se há viabilidade técnica e operacional, mas há vários entraves pra se resolver.

Enquanto isso, um grupo de técnicos da Secretaria de Infraestrutura prepara um relatório detalhado junto com a Controladoria Geral do Estado (CGE) sobre tudo o que foi feito até agora.

Conforme o chefe do escritório de representação de Mato Grosso em Brasília, Carlos Fávaro, uma série de questões ainda deve ser discutida.

“São ações judiciais, a própria delação do ex-governador Silval Barbosa que narra os fatos envolvendo corrupção e causou a anulação do contrato com o consórcio na Justiça, além da viabilidade da tarifa”, afirmou.

Registros de componentes das partes superior e interna dos vagões mostram que a manutenção é periódica e eles estão em boas condições.

O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.

Esta semana, o movimento Pró-VLT - uma organização da sociedade civil - discutiu a conclusão do percurso que vai do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, até o Porto, em Cuiabá, totalizando 3,5 km.

O grupo de trabalho precisa ainda atualizar o valor da tarifa. Para isso, além dos dados de origem e destino do transporte coletivo da região metropolitana, vai levar em conta a demanda de passageiros, a distância percorrida pela frota (inclusive de ônibus), o custo operacional e os custos de investimentos do operador.

No Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, a passagem custa R$ 3,80. Mas o consórcio que administra o VLT pediu a rescisão do contrato na Justiça por causa de dívidas da prefeitura, que fez uma parceria público privada, mas não está conseguindo bancar o sistema por falta de retorno.

Em Santos (SP), a tarifa ficou em R$ 4,40 e é de responsabilidade da empresa metropolitana de transportes urbanos, que também opera as linhas de ônibus.

Em Cuiabá e Várzea Grande, a troca de modal não foi totalmente descartada.

O grupo tem até novembro para apresentar uma alternativa para a questão.

Por Marina Martins, TV Centro América









Veja também em Notícias da Amazônia


Operação do MP mira chefes de organização envolvidos com tráfico e massacre que matou 55 em cadeias de Manaus
São cumpridos três mandados de prisão e sete de busca e apreensão na capital. Operação acontece em nove estados...


Operação do MP cumpre 27 mandados de prisão contra crime organizado no AP
Gaeco cumpre também 37 mandados de busca e apreensão em Macapá, Santana e Porto Grande. Ação acontece de forma simultânea em diferentes regiões do Brasil...


Sine tem 39 vagas de empregos em Rio Branco nesta quinta-feira (15); confira a lista
Candidatos interessados devem ir até a OCA, que fica na rua Quintino Bocaiúva, 299 - Centro...


Homem fica ferido, e picape completamente destruída após acidente com três carros, em Manaus
Colisão aconteceu na madrugada desta quinta-feira (15)...

 


ads2507



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News