Rondônia, - 17:43

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícias da Amazonia
Grupo de mobilidade se reúne em Cuiabá para discutir viabilidade do VLT
O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.
Publicado Quarta-Feira, 14 de Agosto de 2019, às 09:54 | Fonte G1 0

 
 

Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

Obra do VLT está parada desde dezembro de 2014

Membros do grupo de trabalho sobre o sistema de mobilidade da região metropolitana farão visitas para saber como estão as condições do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e até onde as obras avançaram. A ideia é fazer um diagnóstico da situação do VLT para decidir se há viabilidade técnica e operacional, mas há vários entraves pra se resolver.

Enquanto isso, um grupo de técnicos da Secretaria de Infraestrutura prepara um relatório detalhado junto com a Controladoria Geral do Estado (CGE) sobre tudo o que foi feito até agora.

Conforme o chefe do escritório de representação de Mato Grosso em Brasília, Carlos Fávaro, uma série de questões ainda deve ser discutida.

“São ações judiciais, a própria delação do ex-governador Silval Barbosa que narra os fatos envolvendo corrupção e causou a anulação do contrato com o consórcio na Justiça, além da viabilidade da tarifa”, afirmou.

Registros de componentes das partes superior e interna dos vagões mostram que a manutenção é periódica e eles estão em boas condições.

O VLT já custou mais de R$ 1 bilhão e ainda há parcelas do empréstimo feito para a construção, que somam R$ 12 milhões por mês.

Esta semana, o movimento Pró-VLT - uma organização da sociedade civil - discutiu a conclusão do percurso que vai do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, até o Porto, em Cuiabá, totalizando 3,5 km.

O grupo de trabalho precisa ainda atualizar o valor da tarifa. Para isso, além dos dados de origem e destino do transporte coletivo da região metropolitana, vai levar em conta a demanda de passageiros, a distância percorrida pela frota (inclusive de ônibus), o custo operacional e os custos de investimentos do operador.

No Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, a passagem custa R$ 3,80. Mas o consórcio que administra o VLT pediu a rescisão do contrato na Justiça por causa de dívidas da prefeitura, que fez uma parceria público privada, mas não está conseguindo bancar o sistema por falta de retorno.

Em Santos (SP), a tarifa ficou em R$ 4,40 e é de responsabilidade da empresa metropolitana de transportes urbanos, que também opera as linhas de ônibus.

Em Cuiabá e Várzea Grande, a troca de modal não foi totalmente descartada.

O grupo tem até novembro para apresentar uma alternativa para a questão.

Por Marina Martins, TV Centro América







Veja também em Notícias da Amazônia


Motociclista fica ferida após acidente na BR-153 em Guaraí
Batida foi no perímetro urbano da cidade e gerou um pequeno congestionamento. Ela foi atingida na traseira pelo carro...


Norte do Tocantins já registra 55 acidentes com animais peçonhentos em 2020
Maioria dos casos envolve picadas de cobras. Em todo o ano de 2019, foram mais de 900 casos na região...


Dupla é presa por roubo à loja de eletrônicos em Abaetetuba, no PA
Com os presos foram apreendidos caixas de som, carregadores de celular, óculos de sol, bonés, relógio, lanterna, além de uma arma de fogo artesanal e munição...


Vítimas de acidente serão veladas em Cristalândia; mãe e filho morreram
Cleonice Pereira Barros, de 40 anos, era mãe de Mateus Pereira Barros, de 19. A outra vítima é Marcos Antônio Ferreira Batista, que era amigo de Mateus...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News