Rondônia, - 00:27

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Pistas de pouso em terras indígenas
Justiça Federal determina que Anac não cobre taxas sobre pistas de pouso em terras indígenas
Decisão, válida nacionalmente, é resultado de ação ajuizada pelo MPF no Amapá
Publicado Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018, às 05:43 | Fonte Amazonia.org.br 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=357330&codDep=71" data-text="Justiça Federal determina que Anac não cobre taxas sobre pistas de pouso em terras indígenas

  
 
 

Divulgação - Internet

 

Após pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal no Amapá determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) se abstenha de cobrar taxas ou tributos para registro ou homologação de pistas de pouso localizadas em terras indígenas. A decisão, publicada em 13 de novembro, tem alcance nacional e vale para as solicitações feitas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) ou pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

A atuação do MPF tem por objetivo regularizar operações de transporte aéreo em terras indígenas, em especial para as comunidades com difícil acesso por via terrestre. Para o MPF, a cobrança de taxas pela Anac é ilegal e tem dificultado o processo de registro das pistas de pouso. Pela legislação, as terras ocupadas pelos indígenas possuem imunidade tributária, não cabendo cobrança de qualquer imposto ou taxa.

Em abril deste ano, o MPF já havia recomendado à Anac a isenção das taxas para registro dos aeródromos em terras indígenas. Porém, a agência informou, por meio de ofício, a impossibilidade do acatamento. Na manifestação, a Anac alegou que a Taxa de Fiscalização da Aviação Civil está sujeita ao regime tributário constitucional, e que não é gerada sobre renda ou terras indígenas, mas sobre a existência de uma área destinada à navegação aérea. Alega ainda que a isenção tributária presente no Estatuto do Índio é genérica.

Na liminar, a Justiça Federal afirma que a manifestação da Anac não possui respaldo legal, uma vez que a legislação garante a isenção absoluta a qualquer tributo nas terras indígenas. Portanto, se uma pista de pouso é construída na área para atender às necessidades da comunidade, como meio para obtenção de diversos direitos, a Justiça entende como patrimônio, tornando legítima a isenção da cobrança de taxa.

Ação do MPF

Desde 2012, o Grupo de Trabalho da Saúde Indígena, da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, tem buscado alternativas, junto à Anac e aos demais órgãos públicos, para solucionar a regularização das pistas de pouso em terras indígenas. Ao todo, 249 pistas estão irregulares. Comunidades isoladas dependem totalmente do transporte aéreo para a locomoção de profissionais de saúde e educação, além do recebimento de materiais, a exemplo de medicamentos.

 

Fonte: Ministério Público Federal no Amapá

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Notícias da Região Norte


Em transmissão, Sejel e UEA anunciam início do projeto ‘Todos pelo Esporte’
Em transmissão através da IPTV para os 17 municípios contemplados, nesta segunda-feira (02/04), a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) anunciaram oficialmente o início das atividade...


Conferência Estadual da Igualdade Racial ocorre nesta terça
...


Novas opções de espaços para a realização de grandes eventos na Arena da Amazônia
...


Governo convoca profissionais de saúde para treinamento sobre sarampo
Roraima está em alerta desde o ano passado quando iniciaram os treinamentos para médicos sobre a doença...

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News