Rondônia, - 16:32

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Pistas de pouso em terras indígenas
Justiça Federal determina que Anac não cobre taxas sobre pistas de pouso em terras indígenas
Decisão, válida nacionalmente, é resultado de ação ajuizada pelo MPF no Amapá
Publicado Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018, às 05:43 | Fonte Amazonia.org.br 0

  
 
 

Divulgação - Internet

 

Após pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal no Amapá determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) se abstenha de cobrar taxas ou tributos para registro ou homologação de pistas de pouso localizadas em terras indígenas. A decisão, publicada em 13 de novembro, tem alcance nacional e vale para as solicitações feitas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) ou pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

A atuação do MPF tem por objetivo regularizar operações de transporte aéreo em terras indígenas, em especial para as comunidades com difícil acesso por via terrestre. Para o MPF, a cobrança de taxas pela Anac é ilegal e tem dificultado o processo de registro das pistas de pouso. Pela legislação, as terras ocupadas pelos indígenas possuem imunidade tributária, não cabendo cobrança de qualquer imposto ou taxa.

Em abril deste ano, o MPF já havia recomendado à Anac a isenção das taxas para registro dos aeródromos em terras indígenas. Porém, a agência informou, por meio de ofício, a impossibilidade do acatamento. Na manifestação, a Anac alegou que a Taxa de Fiscalização da Aviação Civil está sujeita ao regime tributário constitucional, e que não é gerada sobre renda ou terras indígenas, mas sobre a existência de uma área destinada à navegação aérea. Alega ainda que a isenção tributária presente no Estatuto do Índio é genérica.

Na liminar, a Justiça Federal afirma que a manifestação da Anac não possui respaldo legal, uma vez que a legislação garante a isenção absoluta a qualquer tributo nas terras indígenas. Portanto, se uma pista de pouso é construída na área para atender às necessidades da comunidade, como meio para obtenção de diversos direitos, a Justiça entende como patrimônio, tornando legítima a isenção da cobrança de taxa.

Ação do MPF

Desde 2012, o Grupo de Trabalho da Saúde Indígena, da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, tem buscado alternativas, junto à Anac e aos demais órgãos públicos, para solucionar a regularização das pistas de pouso em terras indígenas. Ao todo, 249 pistas estão irregulares. Comunidades isoladas dependem totalmente do transporte aéreo para a locomoção de profissionais de saúde e educação, além do recebimento de materiais, a exemplo de medicamentos.

 

Fonte: Ministério Público Federal no Amapá

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Notícias da Região Norte


Negócios são linha de defesa crítica contra desmatamento no Brasil, afirma consultoria internacional
Um boletim informativo divulgado semana passada analisa quatro empresas do setor privado que podem sofrer riscos materiais, financeiros, de acesso a mercados e de reputação ao se associarem com o desmatamento da Amazônia. ...


Incêndios florestais: Amajari queima com o fogo
Tomado pelo fogo, Roraima já registrou 2.690 focos de calor este ano....


Bebê morre dentro de carro esquecido pelo pai
Um bebê de 1 anos e 4 meses morreu após ser esquecido durante 3 horas dentro de um carro pelo pai....


Tocantins: Condições precárias na TO-020 dificultam tráfego de veículos e provocam acidentes
Uma mulher, que pediu para não ser identificada, fez o registro de um acidente, quando passava pelo local neste domingo (24)....

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News