Rondônia, - 14:09

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Pistas de pouso em terras indígenas
Justiça Federal determina que Anac não cobre taxas sobre pistas de pouso em terras indígenas
Decisão, válida nacionalmente, é resultado de ação ajuizada pelo MPF no Amapá
Publicado Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018, às 05:43 | Fonte Amazonia.org.br 0

 
 

Divulgação - Internet

 

Após pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal no Amapá determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) se abstenha de cobrar taxas ou tributos para registro ou homologação de pistas de pouso localizadas em terras indígenas. A decisão, publicada em 13 de novembro, tem alcance nacional e vale para as solicitações feitas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) ou pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

A atuação do MPF tem por objetivo regularizar operações de transporte aéreo em terras indígenas, em especial para as comunidades com difícil acesso por via terrestre. Para o MPF, a cobrança de taxas pela Anac é ilegal e tem dificultado o processo de registro das pistas de pouso. Pela legislação, as terras ocupadas pelos indígenas possuem imunidade tributária, não cabendo cobrança de qualquer imposto ou taxa.

Em abril deste ano, o MPF já havia recomendado à Anac a isenção das taxas para registro dos aeródromos em terras indígenas. Porém, a agência informou, por meio de ofício, a impossibilidade do acatamento. Na manifestação, a Anac alegou que a Taxa de Fiscalização da Aviação Civil está sujeita ao regime tributário constitucional, e que não é gerada sobre renda ou terras indígenas, mas sobre a existência de uma área destinada à navegação aérea. Alega ainda que a isenção tributária presente no Estatuto do Índio é genérica.

Na liminar, a Justiça Federal afirma que a manifestação da Anac não possui respaldo legal, uma vez que a legislação garante a isenção absoluta a qualquer tributo nas terras indígenas. Portanto, se uma pista de pouso é construída na área para atender às necessidades da comunidade, como meio para obtenção de diversos direitos, a Justiça entende como patrimônio, tornando legítima a isenção da cobrança de taxa.

Ação do MPF

Desde 2012, o Grupo de Trabalho da Saúde Indígena, da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, tem buscado alternativas, junto à Anac e aos demais órgãos públicos, para solucionar a regularização das pistas de pouso em terras indígenas. Ao todo, 249 pistas estão irregulares. Comunidades isoladas dependem totalmente do transporte aéreo para a locomoção de profissionais de saúde e educação, além do recebimento de materiais, a exemplo de medicamentos.

 

Fonte: Ministério Público Federal no Amapá

 









Veja também em Notícias da Região Norte


Com quatro casos já confirmados em Manaus, FVS instala Sala de Resposta Rápida para Surto de Sarampo no Estado
A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), órgão da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), instalou, na manhã deste sábado (24/03), a Sala Estadual de Resposta Rápida para Surto de Sarampo....


Subcontroladoria-Geral de Ouvidoria atende ao cidadão via WhatsApp
...


Governo reforça segurança com mais 141 novos delegados de Polícia Civil
“Hoje finalizamos todas as etapas do concurso público, mas começamos outra, que é o trabalho efetivo dos novos policiais que irão reforçar a segurança pública em todo o Estado”, destacou o delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, durante a ...


Em seis meses, Arsam registra o cumprimento de mais de 30 mil gratuidades no transporte intermunicipal
A fiscalização do cumprimento da gratuidade total ou parcial de tarifas é realizada pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos (Arsam)nas plataformas rodoviárias de Manaus e nos municípios de maior fluxo de passageiros....

 


ads2507



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News