Rondônia, - 16:36

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Território quilombola Peruana é titulado no Pará
Território quilombola Peruana é titulado no Pará
As 16 famílias do território quilombola Peruana, situado no município de Óbidos, no Pará, celebraram na quinta-feira (8) a assinatura do título definitivo da terra pelo Incra.
Publicado Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018, às 04:45 | Fonte Amazonia.org.br 0

  
 
 

Presidente da associação quilombola assina o documento na superintendência do Incra, em Santarém. Crédito: Incra Oeste do Pará

 

As 16 famílias do território quilombola Peruana, situado no município de Óbidos, no Pará, celebraram na quinta-feira (8) a assinatura do título definitivo da terra pelo Incra. A área abrangida pelo documento é de 1,9 mil hectares.

Coletivo e indivisível, o título é expedido em nome das associações que legalmente representam as comunidades quilombolas. Não há ônus financeiro para as famílias e obriga-se a inserção de cláusula de inalienabilidade, imprescritibilidade e de impenhorabilidade no documento, a ser registrado no Serviço Registral da Comarca de localização do território.

O título foi assinado pelo presidente do Incra, Leonardo Góes, e pelo presidente da Associação Remanescente de Negros da Área da Peruana, Cleone de Souza Matos. A solenidade de entrega aconteceu na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Santarém (PA), com a presença de quilombolas e de representantes da autarquia.

“A outorga do título de domínio tem um significado expressivo para as famílias que ali residem, pois garante aos quilombolas o direito de usar e gozar da terra concedida pelo Estado brasileiro em seu favor. O significado maior deste ato é a segurança jurídica que dele advém. Agora, os remanescentes de quilombos da comunidade Peruana são os legítimos proprietários das terras em que vivem”, avaliou a gestora do Serviço Quilombola do Incra em Santarém, Raquel Araújo Amaral.

A titulação é a conclusão do processo de regularização fundiária de territórios quilombolas executado pelo Incra. A comunidade Peruana apresentou a certidão de autorreconhecimento, que é emitida pela Fundação Palmares e representa a primeira fase do processo, em fevereiro de 2007.

O Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) da comunidade foi publicado em novembro de 2015, apresentando as delimitações e as confrontações do território quilombola, reunindo peças técnicas, com relatório antropológico, aspectos agronômicos, ambientais, fundiários e geográficos, além de plantas com delimitação da área.

Em 10 de agosto de 2017 o Incra publicou portaria reconhecendo e delimitando os limites do território e, após os devidos procedimentos para desapropriação dos imóveis, o título foi concedido às famílias.

Histórico da comunidade

A comunidade Peruana se formou a partir da junção de migrantes oriundos do Estado do Maranhão e de famílias quilombolas instaladas na região amazônica, todas com trajetória histórica própria, com presunção de ancestralidade negra relacionada com a resistência à opressão sofrida.

Os remanescentes de Peruana definiram seu território, em sua maioria, limitando-o apenas às ocupações que já utilizam historicamente, que é imprescindível à reprodução física, social, econômica e cultural do grupo autoatribuído.

“A luta empreendida para ocupar, usar, controlar e identificar seu território foi a marca singular dos comunitários. Ao longo de sua trajetória histórica, passaram por processos de negação de sua identidade étnica por pessoas que se intitulavam como contrárias à delimitação da área. O território foi identificado a partir dos estudos realizados pelo Incra em Santarém e seu formato atende às necessidades de reprodução sociocultural, religiosa e econômica dos moradores de Peruana”, explica Raquel Araújo Amaral.

A comunidade possui dificuldades relacionadas ao acesso à educação, saúde e transporte e também à água e infraestrutura. Tem na agricultura familiar sua base econômica, com a utilização de métodos tradicionais de cultivo em pequenas propriedades, privilegiando a policultura. Cada família tem seu roçado e pratica a agropecuária e o extrativismo florestal, principalmente do cumaru, semente utilizada na perfumaria desde o século XIX e também para fins medicinais.

Fonte: Incra

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Notícias da Região Norte


Negócios são linha de defesa crítica contra desmatamento no Brasil, afirma consultoria internacional
Um boletim informativo divulgado semana passada analisa quatro empresas do setor privado que podem sofrer riscos materiais, financeiros, de acesso a mercados e de reputação ao se associarem com o desmatamento da Amazônia. ...


Incêndios florestais: Amajari queima com o fogo
Tomado pelo fogo, Roraima já registrou 2.690 focos de calor este ano....


Bebê morre dentro de carro esquecido pelo pai
Um bebê de 1 anos e 4 meses morreu após ser esquecido durante 3 horas dentro de um carro pelo pai....


Tocantins: Condições precárias na TO-020 dificultam tráfego de veículos e provocam acidentes
Uma mulher, que pediu para não ser identificada, fez o registro de um acidente, quando passava pelo local neste domingo (24)....

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News