Rondônia, - 22:03

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
Pesquisadores testam novo tratamento não tóxico contra o câncer
Publicado Sábado, 25 de Março de 2017, às 18:33 | Fonte Revista Exame.com 0

 
 

 

Câncer

Câncer: a equipe tenta modificar a quimioterapia convencional, especificamente no combate ao câncer de pulmão (US National Cancer Institute/Divulgação)

 

 

Salamanca – Pesquisadores da Universidade de Salamanca, na Espanha, testaram com sucesso em um experimento in vitro uma alternativa não tóxica à quimioterapia no combate ao câncer por meio do uso de nanocápsulas inteligentes capazes de reconhecer e aplicar diretamente o fármaco nas células tumorais.

 

A equipe científica dirigida pela catedrática em Engenharia Química Eva Martín del Valle, tenta modificar a quimioterapia convencional, especificamente no combate ao câncer de pulmão.

 

Seu experimento consiste no desenvolvimento de um aerossol que funcione como um inalador convencional e inclua um meio inteligente capaz de reconhecer somente as células tumorais, minimize os efeitos tóxicos e não gere nenhum tipo de reação adversa ao entrar em contato com o tecido pulmonar.

 

O aerossol oferecerá, além disso, autonomia ao paciente em relação à administração de um ciclo convencional de medicamentos, explicou nesta quarta-feira a cientista espanhola em comunicado.

 

“O que estamos tentando é abolir a dependência do paciente que passa duas horas em uma sala, submetido a tratamento, enquanto está recebendo a quimioterapia”, afirmou Martín del Valle no comunicado.

 

Além disso, o objetivo do experimento é diminuir a “quantidade de medicamento utilizada para que chegue de forma específica”, o que reduzirá a toxicidade e aumentará a eficácia do mesmo, pois praticamente “80% do fármaco administrado não é utilizado, mas tem que ser metabolizado ou expulso pelo organismo”.

 

A pesquisadora calculou que em dois anos, “ou talvez menos”, os testes poderão começar ser realizados em ratos.

 

Na atualidade, e para garantir a validação deste novo meio na administração de fármacos, a equipe está desenvolvendo tumores em três dimensões, para que os resultados “sejam mais próximos da realidade” e deem “uma certa segurança antes de passar para os animais”, ressaltou Martín del Valle.

 

Para isso, os pesquisadores utilizam impressoras 3D e desenvolvem compartimentos que permitem a adaptação e o crescimento das células tumorais de forma estruturada com um sistema que está controlando suas funções.

 

“Sempre há um salto extremamente grande entre os testes in vitro em comparação com a experimentação in vivo. Não há nada no meio. E é aí que estamos, tentando desenvolver tumores em três dimensões, para ver como crescem e validar o que estamos desenvolvendo”, concluiu a cientista.

 




Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Governo de Rondônia debate políticas públicas na área da Saúde em “Encontro Anual de Prefeitos e Secretários Municipais”
Como forma de encurtar distâncias e auxiliar os municípios, proporcionando mais eficiência no atendimento à população, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau)... ...


Zika: risco de microcefalia em fetos varia entre 1% e 13%, mostra estudo
...


Centro cirúrgico do Hospital Municipal de Rolim de Moura completa um ano de interdição
...


Contato com plástico na gravidez afeta fertilidade por gerações
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News