Rondônia, - 20:17

 

Você está no caderno - Artigos
Artigo
A Terceira Margem – Parte LXX - Real Forte do Príncipe da Beira - VII
Pombeiros insignes, os seus “aventureiros” comuni­cavam-lhe, de contínuo, os menores movimentos dos inimigos
Publicado Quinta-Feira, 22 de Outubro de 2020, às 09:55 | Fonte Hiram Reis e Silva (*) 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XXXIX

 

Real Forte do Príncipe da Beira - VII

 

Virgílio Corrêa Filho, baseado nas Cartas de Rolim de Moura, relata:

Pombeiros insignes, os seus “aventureiros” comuni­cavam-lhe, de contínuo, os menores movimentos dos inimigos que, a 17 de abril, sulcaram o Guaporé nas suas 40 canoas. Rolim esperou o ataque baldadamente, e no outro dia saiu, em 7 canoas de guerra, a oferecer-lhes batalha, que evitaram. Compreendeu que pretendiam fazê-lo render-se pela fome, cortando-lhe a comunicação com Vila Bela. Resolveu evidenciar-lhes, de modo enérgico, a inanidade completa do plano. A 5 de maio, despacha escolhido pelotão que, à noite, rompe habilmente o cerco e sobe o Baurés até a missão de S. Miguel, onde chega na madrugada de 8, “tanto a tempo que aprisionou os Padres João Roiz e Francisco Espino, que a governavam, e rende os índios todos sem resistência, que são 600 para 700 almas”.

Para tal gente, o bloqueio planejado não passava de brincadeira. Pôde-se levar a sua ofensiva até o interior do território inimigo, onde arrasou a Aldeia de S. Miguel, mais facilmente Rolim conseguiria corresponder-se com os seus jurisdicionados de Vila Bela, que lhe mandaram reforço de gente e víveres. Contando já cerca de 500 homens, resolveu a 22 de junho acometer o inimigo na própria paliçada em que se embicara, em três colunas, a primeira fluvial, sob o seu direto comando, à jusante; outra, confiada ao Tenente Tego, com maior número de canoas, à montante; enquanto a última, de cem homens escolhidos, comandados pelo ajudante de ordens realizaria o assalto.

Afoitos em demasia, os assaltantes transgrediram as prudentes recomendações do militar, que também era o Governador e foram, de peito aberto, expor-se desvantajosamente à arma contrária. Ainda assim escalaram a primeira paliçada, mas foram vigorosa­mente contidos no arremesso à outra, interna. Depois de hora e meia de fogo, quando o inimigo já se dispunha à rendição, retiraram-se com perda de 21 mortos e alguns feridos, sem pressentir que já lhes sorria a fortuna, prometendo-lhes vitória. Para contrabalançar semelhante dano, Rolim enumerou vantagens não pequenas.

O arrasamento da Aldeia de S. Miguel e o assalto à trincheira de Itonamas, onde pereceu o Padre Fran­cisco Xavier Irraes ‒ o instigador dos seus comanda­dos à luta –, infundiram ao inimigo tamanho pavor que, após a refrega, chistosamente refere o Capitão-General “na missão de S. Pedro se não atrevia o Superior a ir se lavar no Rio, sem levar consigo uma grande quantidade de índios armados”. Aliás, a mal­querença de Rolim aos Missionários põe-se de mani­festo a cada passo da sua correspondência. (FILHO)

D. Rolim de Moura envia, em 30.04.1764, Carta a D. João Manuel de Mello, nos seguintes termos:

Um castelhano de Buenos Aires, que se achava dentro da paliçada de Itonamas, no dia do ataque, disse que nele havia logo ficado no terreno 160 homens, e muitos feridos dos quais, na Missão de Madalena morreram 17, fora os que foram morrer nas Missões; donde se vê que os castelhanos não podiam ter dentro da paliçada menos de 500 para 600 homens; [...]. Aqui é necessário lembrar que os nossos eram por todos muito poucos mais de 100; e destes, soldados unicamente 24 Dragões e seis infantes, e tudo mais pedestres, mulatos, negros, escravos e carijós, com alguns paisanos brancos; sem embargo do que, a nossa perda foi de 21 na ação. (FILHO)

As incursões anteriores e a corajosa investida contra a trincheira do Itonamas forçaram a retirada definitiva das tropas espanholas no dia 03.11.1763. O grosso das tropas luso-brasileiras retirou-se do Forte Nossa Senhora da Conceição e retornaram para Vila Bela no dia 03.01.1764. Rolim de Moura vencera uma tropa de efetivo numericamente superior e melhor equipada e municiada, graças às estratégias de combate utilizadas bastante originais para a época. Ao termo de sua proveitosa administração, Rolim de Moura foi agraciado com o título de Conde de Azambuja, a graduação de Marechal de Campo, nomeado para a Capitania da Bahia e, mais tarde, Vice-Rei do Brasil.

Capitão-General João Pedro Câmara

Assumiu a Capitania do Mato Grosso, seu sobrinho, Capitão-General João Pedro Câmara. Câmara, nomeado em junho de 1762, chegou a Vila Bela em dezembro de 1764. A Metrópole traçara para o novo Capitão-General um Programa de governo: previa a ampliação da produção de ouro, povoamentos das áreas de lavra, desenvolvimento das comunicações, incremento da criação de gado e, no campo militar, a consolidação das fronteiras do extremo Oeste. O período conturbado enfrentado por Câmara não permitiu, no entanto, que o Governador se dedicasse às questões administrativas. Câmara, em fevereiro de 1766, fez uma viagem até o sítio do antigo Destaca­mento das Pedras Negras onde resolveu guarnecer o local com 40 soldados de ordenança.

Em 15.06.1766, visita o Forte Nossa Senhora da Conceição, onde resolve ativar os trabalhos de recons­trução e adestramento das tropas preparando-se para uma possível investida por parte dos espanhóis.

Antônio Leôncio Pereira Ferraz, na sua “Memória sobre as Fortificações em Mato Grosso”, relata:

[...] a elevou Antônio Rolim no mesmo local onde ele destruíra cinco anos antes a missão espanhola de Santa Rosa, situada à margem direita do Guaporé, em frente à boca do Itonamas, onde teria havido um entrincheiramento e paliçada, procurando, já em 1756, assegurar a posse daquele ponto conquistado com a criação de um Distrito Militar. Foi construída e armada com material de guerra vindo do Pará pela via fluvial do Madeira, nada se sabendo quanto a seu primitivo traçado, pois que a primeira notícia que a seu respeito se tem data da época em que nela introduziu modificações um outro Capitão General, João Pedro da Câmara, que lhe deu a forma abaluartada, de sistema Vauban, medindo o corpo principal do forte 40 braças de frente por 80 de profundidade. (FERRAZ, 1940) (Continua...)





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Artigos


Opróbrio
Preste atenção à dança de raios que rasga o velho véu Como luminosos fogos de artifício a brilharem no céu......


Da cassiterita ao carbono + Pactos e acordos + Rio das drogas + Faltando telhas
Na fábula de Esopo, o dono da galinha que botava ovos de ouro a matou tentando extrair dela a origem da produção de riquezas......


A Terceira Margem – Parte XCVI - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVII
Em janeiro de 1910, o Ministro da Viação e Obras Públicas, apresentou ao Sr. Presidente da República um Relatório sobre a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré......


Fecharam-se as urnas? + Pelo menos cinco nomes já sonham + Fakes e ataques a Vinicius: justiça descobre a fonte
Fecharam-se as urnas? Nada disso, porque na semana que vem, começa uma nova campanha de dois anos......

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE