Rondônia, - 06:04

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícias da Amazônia
Saúde utiliza técnica da rede na incubadora para atendimento de bebês prematuros
Esticam os bracinhos e se espreguiçam, balançam o pezinho...
Publicado Sábado, 17 de Outubro de 2020, às 11:09 | Fonte Governo do Acre 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Cedida

O uso das redes possibilita o desenvolvimento motor do recém-nascido

Esticam os bracinhos e se espreguiçam, balançam o pezinho. Bebês que “nasceram antes do tempo”, como dizem os mais antigos, bocejam e acabam se aconchegando na pequena rede que fica dentro da incubadora. A peça de tecido, que é uma das principais características da cultura brasileira, herdada dos indígenas, proporciona um tratamento humanizado ao bebê prematuro e tranquilidade à mãe.

Nas unidades de terapia intensiva (UTIs) neonatais, que é o lugar no qual os recém-nascidos prematuros ficam em tratamento para estabilização do quadro clínico, a utilização dessa peça estimula a autonomia e o desenvolvimento motor do bebê, ao mesmo tempo em que imita a posição na qual permanecem no útero, como conta a coordenadora de enfermagem da unidade neonatal do Hospital da Mulher e da Criança do Juruá, Eliana Farias.

“Na nossa prática dentro da UTI neonatal é nítida a melhora clínica do recém-nascido que faz uso dessa ferramenta. Além de ser uma cena linda, é gratificante proporcionar ao bebê um sossego e conforto”, relatou Eliana Farias.

A prática faz parte de uma política de humanização do Ministério da Saúde, e o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), assegura o desenvolvimento dessa técnica, que precede a aplicação do Método Canguru, que é o contato físico com a mãe, dentro das maternidades de todo o estado.

“Adotamos, conforme norma do Ministério da Saúde, o uso das redinhas e do Método Canguru, que se trata de um modelo de assistência que visa um conjunto de ações como o contato pele a pele e a autonomia do cuidado do recém-nascido”, explicou a coordenadora da unidade neonatal, Eliana Farias.

A filha da Simone Silva passou 39 dias em tratamento na UTI neonatal: “Tive o apoio das enfermeiras, dos médicos e quando ela pôde ter o contato comigo, fizemos o Método Canguru e é uma emoção que ninguém consegue explicar”, conta emocionada.

Os dias em tratamento na redinha, dentro da incubadora, recebendo os cuidados e carinho dos profissionais, os quais a filha da Maira Santos passou, fez com que a pequena ganhasse peso suficiente para proporcionar o contato físico com a sua genitora.

“Todos os métodos servem como um apoio para mãe e para o bebê. Eles me apresentaram uma técnica muito boa, pois quando a neném saiu da UTI neonatal e foi para o Método Canguru ela já estava com 1,232 kg”, comemorou Maira Santos.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Laudo do IML aponta que detentos não foram torturados em presídio de Redenção, no Pará
Exame de corpo de delito contraria denúncia realizada pela OAB. De acordo com IML, laudos serão encaminhados para a Polícia Civil. ...


Nova Seccional da Sacramenta está com 95% das obras concluídas
Com 800 metros quadrados de área construída e uma nova estrutura......


Eleições 2020: agenda dos candidatos a prefeito de Belém nesta quarta (21)
Desde o dia 27 de setembro, candidatos estão liberados para atos de campanha, como a realização de comícios, carreatas, distribuição de material gráfico e propaganda pela internet. ...


Coruja 'Olívia' é a mais nova atração do Parque Zoobotânico Mangal das Garças
O Parque Zoobotânico Mangal das Garças, administrado pela Organização Social Pará 2000......

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE