Rondônia, - 09:38

 

Você está no caderno - Artigos
Artigo
O recuo do prefeito Hildon Chaves + Maurício Carvalho escolhido vice + Léo Moraes procrastinou
Já dizia o velho político mineiro, Magalhães Pinto, “política é como nuvem. Você olha ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”...
Publicado Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, às 09:35 | Fonte Resenha Política 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

RECUO

Já dizia o velho político mineiro, Magalhães Pinto, “política é como nuvem. Você olha ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”. Somente esta máxima da raposa mineira para explicar o recuo do prefeito Hildon Chaves para disputar a reeleição, embora ideologicamente seja contrário ao instituto da reeleição. Por diversas vezes, em contato com este colunista da cabeça achatada, o prefeito deu estas explicações para justificar não participar da disputa eleitoral. Mudou em razão das pressões do PSDB, da deputada federal Mariana Carvalho e dos assessores mais chegados que escolheu para governar.

Vice

O nome mais provável para vice-prefeito de Hildon Chaves é o do vereador Maurício Carvalho. Seria, caso aceite, a segunda vez que o vereador figuraria numa chapa majoritária como vice. A primeira, nas eleições estaduais passadas, foi candidato a vice-governador de Expedito Júnior, numa chapa puro sangue. Agora, segunda vez, poderá ser vice na chapa para reeleição e Hildon Chaves repetindo a mesma dobradinha tucana da primeira. Não se pode subestimar a força da família Carvalho mesmo não repetindo o desempenho eleitoral de seis anos atrás. Outo nome especulado para o posto é o membro do Democratas Fabrício Jurado que tem como padrinho o senador Marcos Rogério.

INDECISÃO

Pela manhã desta terça-feira, às sete e meia, o próprio prefeito informou à coluna por telefone que Maurício havia sido escolhido vice por ele próprio (Hildon). Portanto, como especulado por aí, inclusive por este colunista, não foi uma reivindicação familiar. Mas, após a convenção, Hildon voltou a falar com este colunista por telefone de que o vereador Maurício Carvalho estaria resistente em aceitar a indicação, o que prova que é uma escolha pessoal do prefeito. A indecisão é mais um capítulo da improvisação que virou a novela da chapa tucana com o recuo da desistência do prefeito.

MUSCULATURA

Hildon Chaves entra na disputa com musculatura para disputar uma das vagas ao segundo turno em razão do conjunto das obras que imprime em sua administração, independentemente de quem seja o seu vice. Como eleição e mineração, só depois da apuração, a força da chapa não significa homologação da campanha como andaram comemorando equivocadamente os puxa-sacos. Vai ser uma disputa dura e com todos contra ele. Os adversários sabem também da força que a máquina e a administração têm numa disputa eleitoral e vão bater pesado para desgastá-lo. É uma eleição atípica devido à pandemia que exigirá dos candidatos muito verbo e muito convencimento nos debates, além de um marketing bem planejado nas plataformas digitais.

SURPRESA

O eleitorado da capital é tradicionalmente atento ao pleito e somente começa a definir o candidato dias próximos às eleições. Os exemplos das campanhas anteriores estão à disposição de qualquer um curioso que seja atendo ao pleito, basta rever no site do Tribunal Eleitoral os três últimos resultados em Porto Velho. Quem ainda se surpreende com esses resultados são aqueles que insistem em não interpretar os números.

EMISSÁRIOS

Dois emissários do PSB, utilizando o nome de Mauro Nazif, procuraram o candidato a prefeito do Cidadania, Vinícius Miguel, para sugerir o nome do filho do deputado (Mauro Nazif Filho) como vice numa coligação entre Cidadania, Rede e PSB. Foi um papo informal que até o final desta tarde de terça-feira não havia evoluído para uma coligação. Nazif, por sua vez, esteve pessoalmente na residência do prefeito ontem (segunda-feira) à noite. Pelo que apuramos, foi uma reunião amigável sem compromissos entre os partidos. As conversas continuaram por toda a tarde desta terça-feira sem resultados práticos. Já Vinícius mantém canal aberto com o PDT, numa eventual opção pragmática visando aumentar o tempo na TV.

PROCRASTINANDO

Ao utilizar da mesma tática do prefeito da capital, o deputado federal Léo Moraes procrastinou até minutos antes da convenção do Podemos a decisão em relação à candidatura. A convenção está marcada para a manhã desta quarta-feira, e Léo mantém o suspense. É outro nome muito forte, caso decida entrar na briga pela prefeitura de Porto Velho. Nas últimas horas entabulou uma aproximação com o deputado sargento Eyder Brasil, candidato do PSL. A aproximação entre os dois parlamentares pode ser reforçada com o apoio do bolsonarismo da capital. Léo Moraes sempre recebeu apoio da maioria das corporações policiais.

VERSÃO

E por falar no deputado do Podemos, Léo Moraes, a coluna é obrigada, em nome do contraditório, a relatar a versão do parlamentar em relação à coluna passada sobre as conversas que manteve com Vinícius Miguel, candidato a prefeito da capital pelo Cidadania. Segundo Léo, foi um papo entre amigos que terminou sendo mal interpretado. Reconheceu que falou para o Vini adiar o projeto eleitoral por razões conjunturais sem que significasse pressão de renúncia ou apoios mútuos futuros. Como era informal a conversa, desenhou tão somente cenários políticos. O parlamentar demonstrou contrariedade com a forma com que o papo foi retratado pela coluna. O escriba compreende o incômodo causado, mas as explicações do parlamentar reforçam o que foi descrito, agora com a outra versão, embora os fatos tenham sido amplificados em razão do período eleitoral, visto que é normal dirigentes partidários dialogarem visando aumentar suas influências. O resto é bobagem!

TRAÍRA

Thiago Tezzari, ex-secretário de Hildon até duas semanas atrás, foi fotografado no escritório de Léo Moraes. Para os tucanos, Tezzari passou a ser chamado de traidor ao conversar com o principal desafeto do ex-chefe. Como é um neófito em política e não tem um partido para chamar de seu, é possível que Tezzari saia desse processo chamuscado e retorne ao anonimato que o catapultou à presidência da Endur. Quem o conhece garante que subiu a cabeça o ensaio do PSD em lançá-lo candidato a prefeito. Um postulante que queimou o filme antes de revelado.

JIPA

O presidente da Assembleia Legislativa Laerte Gomes decidiu também assumir a candidatura a prefeito de Ji-Paraná pelo PSDB. A exemplo do colega de partido da capital, Gomes demorou a decidir e entra na disputa competitivo para rivalizar com o cabo da polícia militar e deputado estadual Jhony Paixão (PRB).

POLITIZANDO

È enorme o número de policiais civis e militares candidatos nas eleições deste ano. Os quartéis estão virando uma “sublegenda” partidária com a revoada de policiais travando o combate nas urnas. Diferente de promotores e juízes, os militares podem deixar o cargo para serem candidatos sem precisar pedir exoneração. Uma rotina que em pouco tempo vai causar problemas na caserna devido à quantidade de praças fora do serviço. A defasagem nas ruas é grande, com a atividade política intensa, tende a piorar, embora a legislação permita e, no entanto, cumpram a regra.

CRIATURA E CRIADOR

Mesmo tendo exercido o principal cargo político na administração do candidato a reeleição da capital, o advogado Breno Mendes, candidato também a prefeito da capital pelo Avante, partido dirigido pelo polêmico deputado estadual Jair Montes, vai enfrentar nos debates o criador. Os concorrentes não vão perder a chance de ligar um ao outro. Mesmo que hoje criador e criatura nem se comuniquem. Com a entrada em cena do criador, nas plataformas digitais onde Mendes sempre navegou em mar de almirante, o tempo fechou.

ENIGMÁTICO

Uma frase postada esta semana pelo deputado estadual Eyder Brasil nas mídias pessoais intrigou a todos do mundo político, inclusive a este cabeça chata. No facebook do sargento e deputado está escrito: “Você apoiaria um candidato financiado pelo tráfico de drogas”? Uma afirmação enigmática que exige, na hipótese de estar se referindo a algum candidato a prefeito, melhor explicação. Na política ninguém é bobo e uma frase, da forma como foi postada, tem endereço. Resta saber da autoridade do destinatário.

SEAS

A Secretaria Estadual de Assistência Social, após intervenção ministerial, abriu chamada pública para contratação de profissionais para adequar-se à legislação. Em vez de pedir currículos (ou lattes), requereu um link do Facebook e do Instagram dos interessados. Uma forma anormal, em época eleitoral, de convocar pessoas para empregos públicos. Ademais, é um meio para excluir da seleção candidatos ideologicamente contrários ao que professam os contratantes. Basta, no caso, verificar as publicações pessoais dos interessados. Aparentemente uma forma de seleção supostamente eivada de ilegalidade.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Artigos


Do laser ao 3D + Quadro alterado com as prisões + Quadro alterado + Ponto de desgaste
O essencial sempre encontra formas de expressão......


A Terceira Margem – Parte LII - Viagem da “Real Escolta” – VIII
No dia 15.12.1749, ao romper da manhã saindo da Ilha mencionada no rumo de Sudoeste se prosseguiu derrota costeando à esquerda e......


A Terceira Margem – Parte XLIII - “BANDEIRA” de Francisco de Mello Palheta – IV
Começamos a passar a 9 de julho e a 12 do dito é que saímos dela......


A Terceira Margem – Parte L - Viagem da “Real Escolta” – VI
Dia 18.10.1749. Neste dia, se principiou viagem costeando a referida Ilha pelo braço maior do Rio entre ela e a margem direita......

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE