Rondônia, - 21:29

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
clínica de hemodiálise em Guajará-Mirim
Altos custos: Governo de RO descarta clínica de hemodiálise em Guajará-Mirim
Conselho Municipal de Saúde solicitou a reunião realizada na Sesau para avaliar a possibilidade
Publicado Terça-Feira, 11 de Fevereiro de 2020, às 18:48 | Fonte Assessoria de Comunicação 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Durante reunião realizada na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) no início do mês, o deputado Dr. Neidson (PMN) discutiu sobre a possibilidade de implantação de uma clínica de hemodiálise em Guajará-Mirim. A reunião foi solicitada pelo Conselho de Saúde do município.

Entre os aspectos discutidos, os custos mensais para que a implantação fosse possível foi um dos mais abordados. Segundo Dr. Neidson, a Sesau afirma que, no momento, não existe condições para atender essa demanda.

“Porém, eu sugeri que empresas pudessem apresentar propostas ou que o Estado estudasse a possibilidade de autogestão”, ressaltou o deputado.

Segundo um empresário do ramo de nefrologia, para a implantação de uma clínica de hemodiálise seria necessário a construção de um prédio com uma área de 800 m², mais a instalação de 17 máquinas, algo que custaria em torno de R$ 5 milhões.

“Esse seria o valor total. Só a aquisição das 17 máquinas sairia por aproximadamente R$ 1 milhão e a obra custaria o valor restante. Já o valor para manter a clínica seria de R$ 400 mil por mês, o que somaria quase R$ 4,5 milhões por ano”, frisou o parlamentar.

A Sesau se comprometeu a fazer o levantamento de todos os custos e encaminhar para a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa. Segundo Dr. Neidson, a ideia é conseguir, junto à bancada federal, levantar recurso para a implantação da clínica.

“Outra saída seria o Estado assumir a hospedagem e a alimentação dos pacientes renais crônicos que precisam vir até Porto Velho para fazer a hemodiálise. Seria uma forma de ajudar os renais crônicos de forma mais rápida”, defendeu Neidson.

Hospital de Guajará-Mirim

A obra do novo hospital de Guajará-Mirim também foi outro ponto discutido na reunião. O contrato com a empresa responsável pela construção, iniciada há seis anos, já venceu.

“No final de 2018 encaminhei uma emenda de R$ 900 mil e o Estado entrou com mais R$ 81 mil para pagar a dívida com essa empresa após um acordo judicial. A empresa ficou de concluir a obra em fevereiro de 2019, o que não aconteceu. Pediu prorrogação para o mês de junho do mesmo ano e também não cumpriu”, lembrou Dr. Neidson.

De acordo com o deputado, a empresa já foi multada com o valor de 10% do contrato por não conclusão da obra. Ainda segundo a Controladoria Geral da União, existe um superfaturamento no contrato além da utilização de materiais de qualidade duvidosa.

“Hoje essa empresa se encontra sem vigência contratual. Eles alegam que o Estado deve pagar a manutenção dos equipamentos que, aliás, não foram entregues e estavam no contrato. O Estado já disse que não pagará. A empresa ficou de apresentar uma proposta para a conclusão da obra no final do último mês de dezembro e não aconteceu”, enfatizou Dr. Neidson.

Na reunião, a empresa apresentou a então proposta para análise da Sesau que, por sua vez, adiantou que não acatará pedido de mais recurso. “Até porque o contrato já venceu e eles não o cumpriram. É mais provável que o Estado constitua outro processo licitatório para a conclusão do hospital”, acrescentou Neidson.

 

Cemae

O Conselho Municipal de Saúde Guajará-Mirim também colocou em pauta o Centro Multidisciplinar de Atendimento Especializado (Cemae), responsável pelo atendimento de crianças com necessidades especiais no município.

“Eles solicitaram atendimento especializado, principalmente um médico neurologista. O centro conta com vários pacientes que têm dificuldade de atendimento por conta da regulação. Hoje são aproximadamente 200 crianças atendidas por apenas cinco profissionais. Em uma reunião que teremos com o Ministério Público lá em Guajará, vamos dar uma passada no Cemae para fazermos um levantamento e, junto com o Governo, ver o que possamos fazer para ajudá-los”, informou Dr. Neidson.

Uma emenda no valor de R$ 550 mil, de autoria do deputado, disponibilizada em 2017 foi questionada pelo Conselho Municipal de Saúde, uma vez que, segundo eles, ainda falta R$ 383 mil para serem utilizados. Segundo Dr. Neidson, o Governo se comprometeu a nos apresentar uma prestação de contas para indicar onde o recurso foi investido.

“Segundo o Governo, é bem provável que essa emenda já tenha sido totalmente investida, pois o Estado já fornece medicamentos para o município há um bom tempo”, concluiu Dr. Neidson.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Homens ficam com visão azulada e daltonismo por dias depois de tomar remédio para disfunção erétil
Os médicos estão encontrando ainda mais homens com episódios estranhos de problemas de visão depois de tomar o medicamento......


Bolsonaro sanciona lei para enfrentamento do novo coronavírus
Nova lei prevê medidas como isolamento de infectados para tratamento...


Governo de Rondônia se prepara para possíveis casos de Coronavírus
Pela Agência de Vigilância em Saúde (Agevisa), o enfermeiro Sid Orleans, coordenador do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEV)...


Falta de material impede cirurgias cardíacas no Hospital de Base
O deputado foi informado que as cirurgias cardíacas também não estão sendo realizadas por falta de material....

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE