Rondônia, - 15:32

 

Você está no caderno - Economia
Economia
Real foi a 4ª moeda que mais perdeu valor frente ao dólar em novembro
No acumulado no ao dólar já subiu 9,43% frente ao real. Somente em novembro, alta foi de 5,73%. Analistas rebatem acusação de Trump de que o Brasil estaria desvalorizando 'maciçamente' sua moeda
Publicado Segunda-Feira, 2 de Dezembro de 2019, às 12:07 | Fonte Darlan Alvarenga e Luísa Melo 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Divulgação/ Internet

O real foi a quarta moeda que mais perdeu valor em relação ao dólar no mês de novembro, segundo levantamento da Austin Rating que compara as variações de 121 moedas no mundo.

O real se desvalorizou 5,2% frente ao dólar em novembro, ficando atrás somente do bolívar soberano, da Venezuela (-36,1%), do kwacha, da Zâmbia (-9,3%), e do peso do Chile (-8,1%).

No acumulado no ano, o Brasil ocupa a 13ª posição no ranking das moedas que mais perderam valor frente ao real. A liderança é da Venezuela (-98,3%), seguida pela Argentina (-37,2%) e Angola (-37%).

O dólar opera em leve queda nesta segunda-feira (2), após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusar Brasil e Argentina de desvalorizarem "maciçamente" suas moedas e anunciar que irá restaurar tarifas sobre importações de aço e alumínio dos dois países.

Do início do ano até a última sexta-feira (29), o dólar já subiu 9,43% frente ao real, barateando as exportações brasileiras e aumentando a competitividade dos produtos do país lá fora. Somente em novembro, a alta foi de 5,73%.

Analistas rebatem acusação de Trump


As declarações de Trump fizeram o mercado de câmbio abrir sob pressão nesta segunda-feira, mas ao longo da sessão o dólar mudou de rumo e passou a cair ante o real.

Analistas ouvidos pelo G1 rebatem, porém, a acusação de Trump de que Brasil estaria desvalorizando o real como uma política cambial e destacam que entre os principais fatores que explicam uma disparada do dólar no país nas últimas semanas está justamente os efeitos da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

"A guerra comercial é um dos fatores principais que têm levado (os investidores) à aversão ao risco, atingindo principalmente mercados emergentes, em especial a América Latina, por conta das tensões políticas em alguns países. Ele não tem razão em dizer que o país está desvalorizando a moeda. Não é política cambial", afirma o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, a fala de Trump.

Para o economista da Austin Rating, Alex Agostini, Trump tem o foco na sua agenda de reeleição e a declaração visa agradar a sua base de apoio político, que são os empresários norte americanos".

"A declaração de Trump deixa evidente que ele parece não compreender como funciona o mercado de câmbio global. Ou seja, quais os fatores que influenciam o preço das moedas de forma direta e indireta.


O economista afirma que, ainda que integrantes da equipe econômica do governo brasileiro tenham sinalizado que o novo patamar do dólar veio para ficar, o Banco Central tem reforçado sua operações de intervenção no mercado de câmbio para tentar conter a volatilidade e garantir liquidez.

Para Carlos Menezes, sócio da gestora Gauss Capital, a acusação de Trump é "injusta" e "não reflete a realidade", uma vez que o Banco Central brasileiro não controla artificialmente o câmbio.

"O que a gente vê no Brasil e na Argentina, sobretudo no Brasil, é um câmbio livre que vem se ajustando aos fluxos de capitais que vem acontecendo neste ano. Não é que o governo tenha uma estratégia de forçar a desvalorização (do real) para exportar", diz.

A alta recente do dólar tem como pano de fundo principal o movimento de maior saída de dólares do país e a preocupação com a desaceleração da economia mundial e as incertezas em torno das negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos para colocar fim à guerra comercial que se arrasta desde o começo de 2018. A arrecadação abaixo da esperada com o leilão da cessão onerosa também contribuiu para a desvalorização da moeda brasileira.

Além disso, também tem pesado no câmbio a maior tensão social na América Latina e a queda dos juros no Brasil e o diferencial em relação aos Estados Unidos, o que também contribui para manter afastado um fluxo maior de capital externo para o mercado brasileiro.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, diante da redução da taxa básica de juros no país, o câmbio de equilíbrio "tende a ir para um lugar mais alto". Com isso, o mercado também 'testa' o limite do câmbio, o que contribui para uma maior volatilidade.

"Esse diferencial de juros novo no Brasil e também o fato de os Estados Unidos esterem puxando o crescimento do mundo acabam valorizando o dólar, principalmente sobre moedas de países emergentes", afirma Menezes, da Gauss Capital.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Economia


Desemprego tem primeira queda após quatro semanas de alta
Segundo o IBGE, caiu em 100 mil o número de pessoas sem trabalho na terceira semana de junho, interrompendo sequência de dados ruins...


Em pandemia, Latam Brasil entra em recuperação judicial nos EUA
Segundo empresa, medida vai permitir que ela tenha acesso a novas fontes de financiamento. Outras filiais do grupo adotaram a estratégia...


Latam: demanda por voos cai 95,2% em junho ante mesmo mês em 2019
Empresa aérea anunciou na quinta-feira (9), em comunicado, que entrou em recuperação judicial nos Estados Unidos. Outras filiais adotaram a estratégia...


Caixa libera saque da 1ª parcela do auxílio a nascidos em maio
Com um total de R$ 3,2 bilhões, o calendário para a retirada em dinheiro para o grupo de 4,9 milhões vai até o dia 18 de julho ...

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE