Rondônia, - 21:15

 

Você está no caderno - Economia
Economia
Real foi a 4ª moeda que mais perdeu valor frente ao dólar em novembro
No acumulado no ao dólar já subiu 9,43% frente ao real. Somente em novembro, alta foi de 5,73%. Analistas rebatem acusação de Trump de que o Brasil estaria desvalorizando 'maciçamente' sua moeda
Publicado Segunda-Feira, 2 de Dezembro de 2019, às 12:07 | Fonte Darlan Alvarenga e Luísa Melo 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Divulgação/ Internet

O real foi a quarta moeda que mais perdeu valor em relação ao dólar no mês de novembro, segundo levantamento da Austin Rating que compara as variações de 121 moedas no mundo.

O real se desvalorizou 5,2% frente ao dólar em novembro, ficando atrás somente do bolívar soberano, da Venezuela (-36,1%), do kwacha, da Zâmbia (-9,3%), e do peso do Chile (-8,1%).

No acumulado no ano, o Brasil ocupa a 13ª posição no ranking das moedas que mais perderam valor frente ao real. A liderança é da Venezuela (-98,3%), seguida pela Argentina (-37,2%) e Angola (-37%).

O dólar opera em leve queda nesta segunda-feira (2), após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusar Brasil e Argentina de desvalorizarem "maciçamente" suas moedas e anunciar que irá restaurar tarifas sobre importações de aço e alumínio dos dois países.

Do início do ano até a última sexta-feira (29), o dólar já subiu 9,43% frente ao real, barateando as exportações brasileiras e aumentando a competitividade dos produtos do país lá fora. Somente em novembro, a alta foi de 5,73%.

Analistas rebatem acusação de Trump


As declarações de Trump fizeram o mercado de câmbio abrir sob pressão nesta segunda-feira, mas ao longo da sessão o dólar mudou de rumo e passou a cair ante o real.

Analistas ouvidos pelo G1 rebatem, porém, a acusação de Trump de que Brasil estaria desvalorizando o real como uma política cambial e destacam que entre os principais fatores que explicam uma disparada do dólar no país nas últimas semanas está justamente os efeitos da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

"A guerra comercial é um dos fatores principais que têm levado (os investidores) à aversão ao risco, atingindo principalmente mercados emergentes, em especial a América Latina, por conta das tensões políticas em alguns países. Ele não tem razão em dizer que o país está desvalorizando a moeda. Não é política cambial", afirma o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, a fala de Trump.

Para o economista da Austin Rating, Alex Agostini, Trump tem o foco na sua agenda de reeleição e a declaração visa agradar a sua base de apoio político, que são os empresários norte americanos".

"A declaração de Trump deixa evidente que ele parece não compreender como funciona o mercado de câmbio global. Ou seja, quais os fatores que influenciam o preço das moedas de forma direta e indireta.


O economista afirma que, ainda que integrantes da equipe econômica do governo brasileiro tenham sinalizado que o novo patamar do dólar veio para ficar, o Banco Central tem reforçado sua operações de intervenção no mercado de câmbio para tentar conter a volatilidade e garantir liquidez.

Para Carlos Menezes, sócio da gestora Gauss Capital, a acusação de Trump é "injusta" e "não reflete a realidade", uma vez que o Banco Central brasileiro não controla artificialmente o câmbio.

"O que a gente vê no Brasil e na Argentina, sobretudo no Brasil, é um câmbio livre que vem se ajustando aos fluxos de capitais que vem acontecendo neste ano. Não é que o governo tenha uma estratégia de forçar a desvalorização (do real) para exportar", diz.

A alta recente do dólar tem como pano de fundo principal o movimento de maior saída de dólares do país e a preocupação com a desaceleração da economia mundial e as incertezas em torno das negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos para colocar fim à guerra comercial que se arrasta desde o começo de 2018. A arrecadação abaixo da esperada com o leilão da cessão onerosa também contribuiu para a desvalorização da moeda brasileira.

Além disso, também tem pesado no câmbio a maior tensão social na América Latina e a queda dos juros no Brasil e o diferencial em relação aos Estados Unidos, o que também contribui para manter afastado um fluxo maior de capital externo para o mercado brasileiro.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, diante da redução da taxa básica de juros no país, o câmbio de equilíbrio "tende a ir para um lugar mais alto". Com isso, o mercado também 'testa' o limite do câmbio, o que contribui para uma maior volatilidade.

"Esse diferencial de juros novo no Brasil e também o fato de os Estados Unidos esterem puxando o crescimento do mundo acabam valorizando o dólar, principalmente sobre moedas de países emergentes", afirma Menezes, da Gauss Capital.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Economia


Situação atual e cenário para o milho em curto e médio prazos
No acumulado de janeiro a novembro deste ano o país exportou 109,9% mais milho, em relação a igual período de 2018 ...


Setur, Fecomércio e Sebrae realizam seminário para fortalecimento de Governança e Turismo Receptivo
Palestrantes convidados com grande experiência na área debaterão oportunidades...


Nióbio: G1 visita em MG complexo industrial do maior produtor do mundo
CBMM controla 80% da oferta mundial e prevê encerrar 2019 com produção recorde. Brasil detém mais de 90% das reservas conhecidas em atividade, mas há jazidas em várias regiões do mundo e mercado ainda é bem limitado...


Sebrae e Caixa assinam convênio para apoiar empreendedorismo no país
Acordo prevê o desenvolvimento de estratégias e ações de inclusão bancária e educação financeira de empreendedores...

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE