Rondônia, - 01:53

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícias da Amazonia
Indígena de 12 anos que ficou paraplégica após aula de capoeira no AC sonha voltar a andar
Queda ocorreu em agosto do ano passado em Santa Rosa do Purus e menina voltou a ser internada após ter uma úlcera. Pediatra diz que quadro não teve evolução
Publicado Quinta-Feira, 7 de Novembro de 2019, às 12:47 | Fonte Iryá Rodrigues 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Foto: Iryá Rodrigues/G1

Bele Lopes Roque sonha em voltar a andar após perder movimento das pernas ao fazer aula de capoeira

“Sonho muito em voltar a andar, brincar com meus irmãos e ajudar minha mãe”. O desabafo é da pequena Bele Lopes Roque, de 12 anos, que perdeu os movimentos das pernas depois de uma queda durante o terceiro dia de aula de capoeira em agosto do ano passado.

A menina, que é da etnia Kaxinawá e mora na cidade de Santa Rosa do Purus, no interior do Acre, lembra que estava na aula quando o professor sugeriu que os alunos fizessem um movimento chamado ponte, quando a pessoa se esquiva para trás e coloca as mãos no chão.

Mesmo sem nunca ter feito, ela diz que acabou tentando e logo veio ao chão. Assim que caiu, Bele conta que já sentiu muita dor na coluna e, em poucos minutos, ficou com dormência nas pernas. Desde então, a menina não voltou a andar. Segundo os médicos, ela teve uma lesão na medula e ficou paraplégica.

“Doeu muito, mesmo assim segurei minha dor, fui para o banheiro, fiquei chorando e minha colega contou para o professor. Ele me deitou em uma maca e fez uma massagem nas minhas costas, continuou doendo muito, ele me levou para o hospital", conta.

No hospital, ela já não conseguia movimentar as pernas. "Lá, eu já não estava conseguindo fazer xixi, colocaram uma sonda. Eu não conseguia mexer nada e nem abrir os olhos, depois daí, não consegui mais andar. Foi um susto muito grande, não sabia o que estava acontecendo”, recorda a menina.

A mãe de Bele, a dona de casa Berna Lopes Kaxinawá, de 30 anos, também lembra com tristeza do dia em que a filha perdeu os movimentos das pernas.

“A Bele era uma menina feliz, que me ajudava em tudo e estudava. Fiquei perdida, nunca pensei que aconteceria isso com minha filha”, diz a mãe.


Logo após o acidente, a menina foi transferida para o pronto-socorro de Rio Branco e depois para o Hospital da Criança, onde ficou internada por oito meses. Na época, ela passou por exames e foi avaliada por dois neurocirurgiões. Bele teve alta médica e retornou para o hospital após três meses.

“Ficamos em casa por três meses, mas ela ficou com uma ferida no bumbum, porque não tem colchão apropriado e também com anemia. Foi quando fomos com ela para UPA e ela foi encaminhada de novo para o Hospital da Criança. Já estamos aqui há dois meses”, conta Berna.

A dona de casa afirma que logo após a queda da filha, a família chegou a registrar um boletim de ocorrência contra o professor. Ao G1, o delegado da cidade de Santa Rosa do Purus, Marcus Frank, disse que não tinha conhecimento do caso e que, portanto, não poderia falar a respeito.

Não apresentou melhora


A pediatra Kátia Menezes, que acompanha Bele, afirma que a menina passou por nova ressonância após um ano do ocorrido e disse que ela não apresentou nenhuma melhora no quadro.

“Há mais de um ano ela deu entrada no hospital pela primeira vez, a princípio com um trauma raquimedular, após uma queda. Na época, ela foi avaliada por três neurocirurgiões e todos falavam a mesma coisa. Mas, não chegou a fraturar a coluna. Agora ela internou de novo por conta de uma úlcera, aí, como ela não teve evolução nenhuma nos movimentos, eu repeti a ressonância”, diz a médica.

A profissional conta que pediu uma nova avaliação de outro neurocirurgião que acredita que a menina não tenha sofrido um trauma raquimedular, que teria possibilitado o retorno dos movimentos. Segundo a pediatra, Bele faz fisioterapia no hospital e, quando está de alta, também faz o tratamento em uma faculdade de Rio Branco.

“Ele acha que ela já tinha alguma coisa, como por exemplo, um infarto medular, e essa queda foi só um gatilho. Mas, não é nada que se possa provar. O que se sabe é que a lesão foi muito grande, realmente não houve nenhuma melhora nesse período, o prognóstico é ruim, provavelmente ela não vai voltar a andar mesmo”, lamenta Kátia.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Força-Tarefa de Intervenção fica em presídio de RR por mais 60 dias
Grupo atua na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo desde o ano passado; governo pediu prorrogação para garantir segurança em presídio...


Procurador de Justiça do Pará diz que problema da escravidão no Brasil foi porque índio não gosta de trabalhar
Em áudio vazado, procurador Ricardo Albuquerque diz não acreditar que há dívida para reparar com a população quilombola, já que 'nenhum de nós tem navio......


Polícia prende 18 homens em operação de combate à violência contra mulher em RR
Todos os investigados estavam com mandados de prisões decretados pela Justiça. Operação Marias ocorreu em Boa Vista, Bonfim, Cantá e Caracaraí; um dos homens foi preso no Rio Grande do Sul...


Alejandro foi indiciado sem provas e defesa vê perseguição política
Advogados citam perseguição política e dizem que polícia tenta manobrar opinião pública contra o enteado do prefeito Arthur Neto. Defesa pediu abertura de processo contra fake news e vazamentos seletivos ...

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE