Rondônia, - 00:46

 

Você está no caderno - Porto Velho
Porto Velho
Questões éticas e morais relacionadas à Inteligência Artificial são debatidas em seminário
O evento da Escola da Magistratura foi realizado terça-feira, no TJRO
Publicado Quinta-Feira, 7 de Novembro de 2019, às 12:12 | Fonte TJ-RO 0
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Divulgação / Internet

Os desafios da regulamentação para o uso da Inteligência Artificial foram debatidos durante o seminário “Inteligência Artificial: Dissenso e Complexidade”, realizado na noite de terça-feira, 5, no auditório do Tribunal de Justiça de Rondônia. O evento, promovido pela Escola da Magistratura de Rondônia, contou com apoio da Associação Brasileira de Lawtecs & Legaltechs e do grupo Porto Velho Legal Hackers, dos escritórios de advocacia Dplaw e Rocha Filho, da Universidade Federal de Rondônia (Unir), da Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron) e da Faculdade Católica de Rondônia (FCR).

Na primeira palestra, feita por videoconferência pela especialista em direito digital Camila Rioja Arantes, uma abordagem sobre o impacto da Inteligência Artificial no mundo contemporâneo o os desafios que existem para o direito acompanhar essa tecnologia que vem transformando comportamentos, trabalho e relações. A professora apresentou exemplos de como os algoritmos influenciam o cotidiano das pessoas, trazendo, muitas vezes, consequências revolucionárias como empregabilidade e desigualdade. “O desafio é regular sem atrapalhar o avanço tecnológico”, destacou.

O professor assistente da Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Diego de Paiva Vasconcelos, foi o orador seguinte, destacando a “Inteligência Artificial nos processos judiciais: Onde realmente estamos”. Dentre os questionamentos apresentados para a reflexão está a segurança de julgamentos feitos por máquinas, uma vez que há sempre nesse ato, um viés moral. “É seguro a Inteligência Artificial julgar um recurso repetitivo?”, instigou.

O advogado Edson Pontes Pinto seguiu a mesma perspectiva em sua fala intitulada “Inteligência Artificial: Complexidade Social e o problema do futuro”, destacando que os programas que imitam a capacidade cognitiva do ser humano já são uma realidade no cotidiano das pessoas. Destacou, ainda, o papel dos operadores do direito em contribuir com a discussão. “Como recuperar o papel do homem nesse novo cenário?”, indagou.


O desembargador Marco Alaor Diniz Grangeia também demonstrou preocupação com relação ao futuro do Judiciário. Na palestra “Inteligência Artificial: o futuro é agora”, o magistrado trouxe à luz o pensamento de especialistas da área, que alertam para várias preocupações como desemprego, alterações comportamentais, erros e preconceitos cometidos por máquinas, riscos de armas autônomas, medo que a tecnologia supere a capacidade humana, entre outros aspectos. Daí a necessidade, segundo ele, de fixar princípios e se pautar por códigos de ética.

O desembargador citou o exemplo da recente comissão criada pelo CNJ, da qual ele próprio faz parte, para refletir sobre os regramentos da Inteligência Artificial no Poder Judiciário. “Hoje, cada qual faz o que quer, como quer e o que acha que é bom”, alertou. Para ilustrar apresentou os recentes programas de Inteligência Artificial criados por alguns tribunais do país, entre eles o Sinapses, do TJ de Rondônia, que utiliza como base a Inteligência Artificial em procedimentos na tramitação de processos eletrônicos. Após as exposições os participantes puderam tirar dúvidas e debater os temas apresentados pelos palestrantes.

 

Assessoria de Comunicação Institucional





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Porto Velho


Incêndio destrói casa na Zona Sul
Um incêndio de grandes proporções destruiu totalmente uma residência, na madrugada desta quarta-feira (27), na Rua Munique no Bairro Novo Horizonte, na Zona Sul de Porto Velho...


Operação da PF cumpre mandado de prisão e busca na região central
A Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação “Festa na Floresta II”, visando dar cumprimento a 04 (quatro) mandados de busca e apreensão e......


Semusa realiza mobilização preventiva contra a doença
É a primeira causa de morte por doenças infecciosas no mundo. Mesmo assim, o abandono do tratamento foi de 26,5% em Porto Velho em 2018 ...


Prefeito Hildon Chaves e primeira dama Ieda Chaves abrem a programação da Prefeitura de Porto Velho
A programação Cultural segue neste sábado, 30, a partir das 19h ...

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE