Rondônia, - 18:56

 

Você está no caderno - Rondônia
cheia desabriga em rondônia
Cheia dos rios Madeira, Mamoré e Candeias desabriga mais de 800 em Rondônia
A Comissão Estadual de Defesa Civil, que controla a situação na sede do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM-RO), no Bairro Olaria...
Publicado Terça-Feira, 12 de Março de 2019, às 17:54 | Fonte Montezuma Cruz 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=360037&codDep=34" data-text="Cheia dos rios Madeira, Mamoré e Candeias desabriga mais de 800 em Rondônia
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Frank Néry

Às 10h de manhã desta terça-feira (12), moradora estava isolada em sua casa no Bairro Nacional, em Porto Velho

Passa de 800 o número de pessoas desabrigadas pelas cheias dos rios Madeira, Mamoré e Candeias, em Rondônia. Subiu para 152 famílias, no total de 756 pessoas o número de desabrigados em Porto Velho. Desse total, 438 ficaram desalojados. Em Nova Mamoré, o rio Mamoré desabrigou seis famílias totalizando 27 pessoas e 19 estão desalojadas, somando 42 pessoas.

A Comissão Estadual de Defesa Civil, que controla a situação na sede do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM-RO), no Bairro Olaria, volta agora suas atenções para o município de Candeias do Jamari, a 18 quilômetros da Capital, onde 53 famílias estão desabrigadas, totalizando 134 pessoas. Desse número, 27 famílias com 80 pessoas estão desalojadas.

O nível do rio Madeira permanecia na manhã desta terça-feira (12) entre 17m e 17m30 em Porto Velho, com probabilidade de elevar-se em Abunã. Os bairros Triângulo, São Sebastião e a antiga Vila Milagres tem o maior número de famílias atingidas.

Já em Guajará-Mirim, na fronteira brasileira com a Bolívia, o rio Mamoré vai subir, informa o Sistema de Alerta Hidrológico do Rio Madeira, operado pelo Serviço Geológico do Brasil-CPRM.

Tem funcionado assim: o primeiro contato de famílias desabrigadas é feito com a Defesa Civil Municipal. Quando vê esgotados seus recursos, esta comunica-se imediatamente com a Defesa Civil do Estado.

“O governador Marcos Rocha determinou prevenção e pediu a conscientização das pessoas, porque só assim é possível minimizar impactos”, disse o comandante do CBM-RO, coronel Demargli da Costa Farias.

Para o comandante, a experiência de 2014 proporcionou mais experiência à Defesa Civil. “Na cheia atual, a organização é bem melhor, porque houve prevenção”, ele destacou.

“A cheia é um fenômeno natural, mas a moradia em área de risco ainda provoca reuniões e dá trabalho a órgãos públicos federais e estaduais que poderiam cuidar mais de sua agenda de trabalho”, considerou o comandante. Exemplificou: “DNIT, DER, Seas, PM, Saúde e os próprios bombeiros estariam cumprindo folgadamente sua rotina de trabalho, não fosse ter que socorrer demandas apresentadas pela Defesa Civil”.

ÁREAS DE RISCO E TERMO DE RESPONSABILIDADE

Em Porto Velho e Ji-Paraná, os bombeiros arquivam diversos relatórios a respeito de áreas de risco [barrancos, terrenos assoreados, anualmente alagados]. Numa das situações, nessa cidade da rodovia BR-364, uma criança morreu afogada. Mesmo alertados sucessivas vezes e assinando o termo de responsabilidade, os pais habitavam pela sexta vez a mesma área condenada.

O CBM-RO pretende estabelecer um pacto com os municípios sujeitos às enchentes: “Essa medida evita que sejamos apanhados de surpresa; o trabalho preventivo pode evitar que famílias resistentes à ideia de mudar voltem a ocupar espaços indevidos”, assinalou o coronel Farias.
Ele elogia o atendimento da Defesa Civil no atual período, cujo empenho positivo corresponde à expectativa de ribeirinhos e do governo.

Café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Banheiros higienicamente conservados, galões de água potável disponíveis e três caixas-d’água [de mil litros cada] cheias. Barracas de lona abrigam sete famílias. Assim estava na manhã desta terça-feira (12), às 9h, o Ginásio de Esportes Fidoca, no Bairro Agenor de Carvalho, um dos alojamentos dos desabrigados, usado pela primeira vez.

Na visita do subcomandante Gilvander Gregório de Lima ao local, o plantão de servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social de Porto Velho prestou-lhe informações das últimas 24 horas. Um educador social encarregou-se de atender emergências, especialmente à noite, informou o servidor Márcio Noia. Jovens alunos seguem frequentando normalmente escolas, ele disse.

Em 2014, 20 escolas tiveram aulas interrompidas para que seus espaços alojassem famílias desabrigadas.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Rondônia


Duplicação é descartada e BR-364 vai ficar só no tapa-buracos
O governo federal só terá recursos para os serviços de manutenção e tapa-buracos da BR-364 em 2019. Este foi o comunicado do ministro.....


Adelino Follador aponta trechos danificados e de alto risco nas estradas em Rondônia
Há trechos bem críticos que precisam ser recuperados o quanto antes para evitar novas tragédias....


Terra Indígena mais desmatada de Rondônia é cenário de operação realizada pela Funai e instituições parceiras
De acordo com João Alcides Loureiro, diretor de Proteção Territorial (DPT), as atividades de monitoramento territorial têm sido intensificadas na região....


Mulher morre vítima de chikungunya em Rolim de Moura
Autoridades alertam para que terrenos sejam limpos e se elimine criadouros do Mosquito...

 
 
 

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE