Rondônia, - 13:51

 

Você está no caderno - Notícias da Justiça e do Direito
Escritório social de atenção ao egresso
Escritório social de atenção ao egresso é inaugurado em Porto Velho
Após longa batalha para a implantação, tendo o Poder Judiciário como um dos grandes impulsionadores do projeto, foi inaugurado nesta quinta-feira, dia 06, em Porto Velho, o Escritório Social de Atenção à Pessoa Egressa, um espaço destinado ao acolhimento e apoio ao reeducandos em meio aberto.
Publicado Sexta-Feira, 7 de Dezembro de 2018, às 11:41 | Fonte Tribunal de Justiça de Rondônia 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=357912&codDep=35" data-text="Escritório social de atenção ao egresso é inaugurado em Porto Velho
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

 

Após longa batalha para a implantação, tendo o Poder Judiciário como um dos grandes impulsionadores do projeto, foi inaugurado nesta quinta-feira, dia 06, em Porto Velho, o Escritório Social de Atenção à Pessoa Egressa, um espaço destinado ao acolhimento e apoio ao reeducandos em meio aberto. O escritório fica na esquina da Av. Farquar com Carlos Gomes, 1575, na região central da capital.

Na solenidade de inauguração, os representantes das instituições parceiras - Prefeitura Municipal de Porto Velho, Governo do Estado, Tribunal de Justiça, Unir e a Associação Cultural e do Desenvolvimento do Apenado e Egresso (Acuda) - assistiram emocionados a apresentação do coral do Centro de Ressocialização Sueli Maria Mendonça, formado por reeducandas que concluíram o curso de Técnica Vocal, dentro do projeto ‘Capacitar para Ressocializar’.

Em seguida rememoraram, em seus discursos, a trajetória de implantação do patronato que, desde 2005, quando foram deflagradas graves rebeliões no Presídio Urso Branco, vem sendo pleiteada como forma de combate a reincidência e promoção da ressocialização. “O patronado é o primeiro mecanismo para frear reincidência, porque acolhido o egresso não voltará ao crime. Proporciona a oportunidade para que o homem, de recuperado, possa de fato se tornar um cidadão pleno de direitos”, destacou o Secretário-geral do Tribunal de Justiça, o juiz auxiliar Sérgio Willian Teixeira, que durante muitos anos foi juiz da Vara das Execuções Penais.

“Acima de tudo, essas pessoas precisam de um resgate de sua dignidade e é esse trabalho que pretendemos desenvolver nesse novo escritório social”, disse a promotora Andreia Waleska Nuccini.

“Queremos que a universidade seja partícipe. O maior desafio não é educar os egressos, e sim educar a sociedade com relação aos egressos. Fazer com que a sociedade os receba e os acolha com a dignidade que eles são merecedores”, defendeu Ari Otti, reitor da Unir, ao garantir uma inovação para o patronato. O do Núcleo de Prática Jurídica da Unir, oferecerá atendimento aos apenados e egresso no Escritório.

O juiz auxiliar da corregedoria Cristiano Mazzini, o juiz da VEP, Bruno Darwich e Juíza Kerley Alcântara, titular da Vepema- Vara de Execução de Penas Alternativas também participaram da solenidade. “A inauguração é o coroamento de um árduo trabalho que contou com o empenho de todos para o cumprimento da Lei”, rememorou a magistrada.

Segundo a LEP, Lei de Execuções Penais, o patronato deve ser uma unidade de execução penal em meio aberto com objetivo de promover ações de inclusão social dos assistidos por meio do monitoramento, fiscalização e acompanhamento do cumprimento das Alternativas Penais, cuja conceitualização consiste em toda e qualquer forma de cumprimento de pena ou medida alternativa em meio aberto.

O prefeito Hildon Chaves, ressaltou que o Patronato é a finalização do processo de ressocialização do apenado. “Esse acolhimento, no momento do reingresso na sociedade, faz toda diferença no apoio para sua ressocialização”, completou

Prefeitura Municipal por meio da Semasf é responsável gerenciamento do órgão, assegurando custos de pagamento de psicólogos, pedagogos e assistentes sociais, além de servidores,

Já a Sejus garantiu o prédio, local onde funcionava antes o presídio feminino.

Acuda

Luiz Marques, presidente da Acuda - Associação Cultural e de Desenvolvimento do Apenado e Egresso, lembrou a dificuldade de egressos que passam pela instituição nesse momento crítico de voltarem a sociedade. “A assistência deve abranger aspectos de auxílio moral, jurídico e material, bem como a prevenção contra a reincidência, sem que se envolva o egresso com o estigma de ex-sentenciado”, reforçou

A Acuda é uma organização não-governamental que desenvolve suas atividades laborais nas áreas de artesanato, massoterapia, tapeçaria, marcenaria, machetaria e cerâmica. Presta ainda assistência psicológica, médica, odontológica e holística. São desenvolvidas atividades lúdicas como massoterapia, reiki e eneagrama. Por desenvolver atividades que contribuem no processo de educação, formação social e trabalhabilidade de uma parcela dos apenados, investindo em sua capacidade de construção de uma nova história de vida, inserindo nesse contexto a família e a sociedade, o método da instituição, será o adotado no Escritório social.

“A acuda é um oásis no sistema prisional, mas não pode ser a única a se responsabilizar. O patronato precisa do olhar de toda a sociedade. Hoje é dia de festa, de inauguração, amanhã é dia de trabalho. E para que o projeto funcione adequadamente é muito importante que todos os envolvidos continuem apoiando”, finalizou Sérgio Willian Teixeira.

 

Assessoria de Comunicação Institucional

 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Justiça e do Direito


Pimenta Bueno: aluno é condenado a 10 meses de detenção por xingamentos à professora
O juízo da causa substituiu a pena de detenção por prestação pecuniária (dinheiro) no valor de um salário mínimo ou, alternativamente, pagar a punição com a prestação de serviços......


MP processa DER e Governo de RO por dano social e pede R$ 15 mi de indenização
Na ação, o MP pede a condenação dos réus, solidariamente, ao pagamento de indenização, não inferior a R$ 15 milhões, pelos danos sociais causados pela precariedade da Rodovia RO-560....


Homem acusado de traficar drogas via Correios tem pedido de liberdade negado
Ele é acusado de, juntamente com dois comparsas, utilizar os serviços dos Correios, assim como remeter para vários municípios do Estado de Rondônia...


TJRO apoia ações de compromisso social por meio do esporte
As iniciativas buscam fortalecer o esporte como ferramenta de combate à criminalidade, além de promover o bem-estar físico e a inclusão social...

 
 
 

 

Ads Emro Noticias 1



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE