Rondônia, - 01:19

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Ninguém na Argentina poderá silenciar o clamor de milhões de jovens, mães e avós
Deputada defende que aqueles que se opõem à legalização do aborto pretendem, em sua maioria, que se imponha o modelo de mulher incubadora, incapacitando-a de tomar suas decisões
Publicado Sexta-Feira, 10 de Agosto de 2018, às 07:51 | Fonte El País 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=352310&codDep=24" data-text="Ninguém na Argentina poderá silenciar o clamor de milhões de jovens, mães e avós
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Manifestação na Argentina a favor do aborto legal. JORGE SAENZ AP

 

Os 38 senadores e senadoras que acabaram de votar contra o projeto da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) não quiseram ouvir o clamor de milhões de mulheres que reivindicam liberdade na Argentina. Com sua decisão, conseguem manter o status quo. Condenam, assim, milhares de mulheres a recorrer ao aborto clandestino, a colocar suas vidas em risco. Foi um voto pela clandestinidade e pela morte. Um voto para que permaneçam ancorados ao mandato dos setores mais obscurantistas de nossa sociedade que relutam em emergir dos dogmas e posturas típicas da Idade Média. Votaram pelo passado. E assim ganhou, por enquanto, o país que não assume seus problemas, sua realidade. O país que olha para o outro lado com cinismo e irresponsabilidade.

Usaram todos os tipos de armas. Pressionaram e extorquiram. Tentaram e conseguiram, em parte, desviar a verdadeira discussão. O debate sempre foi entre o aborto legalizado ou clandestino. Uma questão de saúde pública que levaram ao campo das crenças ou pseudofilosofias, tentando impor seu pensamento além da discussão sobre o aborto. Porque, por trás desse debate, há um mais abrangente, que tem a ver com o papel das mulheres na sociedade. Aqueles que se opõem à lei pretendem, em sua maioria, que se imponha o modelo de mulher incubadora, incapacitando-a de tomar suas decisões. Negando-lhe, além disso, seu próprio prazer. A todos eles dizemos que, na realidade, ganham só aquelas que formam o movimento de mulheres. E o tempo vai provar isso.

Durante meses, ouvimos em ambas as câmaras especialistas (cientistas, médicos, advogados, representantes dos diferentes cleros, artistas) que eram a favor e contra o projeto. A meia-sanção foi alcançada na Câmara dos Deputados, e as mudanças no projeto original foram aceitas para que pudesse ser lei no Senado. Tivemos disposição para o diálogo e o consenso. Os que são contra não propuseram nenhum projeto alternativo ou uma proposta séria para resolver a problemática da clandestinidade e da consequente morte das mulheres. Disseram disparates como "o profilático não serve e não deve ser usado" para considerar a síndrome de Down como uma doença.

Também ouvimos muitos legisladores preocupados com a implementação da lei de educação sexual em todos os estabelecimentos de ensino do país. Curiosamente, se esqueceram que esta lei já existe, a 26.150, e que quase não se aplica, também "curiosamente", devido à pressão dos mesmos setores que representam e que agora afirmam ser a favor "das duas vidas", bloqueando a promulgação desta lei.

No entanto, a votação no Senado não foi o fim dessa causa, longe disso. A democracia deve a todas as mulheres, há décadas, o direito de decidir sobre seus corpos. Por isso, quando há três meses este projeto elaborado pela Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito era discutido na Câmara dos Deputados, sabíamos que se abria uma porta que nunca mais será fechada, pelo menos, até que este projeto seja lei. Um projeto que tenho a honra de liderar com minha assinatura e que será lei, porque essa maré verde que percorre todos os cantos do país aumenta a cada passo. E porque leva o selo e o impulso vital das novas gerações, que já têm marcada a ferro e fogo a necessidade de lutar por uma sociedade mais justa. Mais justa para as mulheres, mas também para os homens, combatendo o patriarcado, com leis e com educação. Sabemos que podemos conseguir. Como foi possível com o divórcio e com o casamento igualitário, diante da rejeição dos mesmos atores e instituições que hoje são contra essa lei. E também será possível com o Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito, para que a Argentina continue sendo o farol de toda a América Latina na conquista de novos direitos.

E realmente vale a pena descrever esses dias! Trata-se de compartilhar uma vibração mobilizadora e emocionante. Mais de um milhão de pessoas, a maioria mulheres, tomaram as ruas do Congresso Nacional, exultando alegria e esperança. Vimos milhares de garotas do ensino médio lutarem por seus ideais, acompanhadas por suas amigas, mães e até mesmo avós. Todas entrelaçadas por uma história em comum: haviam abortado, conheciam outra mulher que havia feito um aborto ou acompanharam alguma mulher para abortar.

Se há algo muito claro deixado por esses dias intensos e emocionantes é que ninguém pode silenciar o clamor de milhões de jovens, mães e avós. Há apenas um ano, sequer podíamos discutir essas questões no Congresso. Hoje, por poucos votos o projeto IVG não se tornou realidade. A descriminalização é um fato. Por todas que lutaram antes de nós e abriram caminho em nosso país. Por todas aquelas que morreram e morrem porque o Estado não lhes oferece condições básicas para praticar um aborto seguro. Por todas elas e pelas gerações futuras, não vamos parar até conseguirmos direitos iguais entre homens e mulheres. Já vencemos, não poderão frear a onda verde. Mais cedo ou mais tarde, conquistaremos a liberdade sobre nossos corpos. Porque a liberdade não é negociada, o aborto será legalizado.

 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em INTERNACIONAL


Boris: O robô russo que, afinal, era apenas um mau disfarce
Os seus comportamentos ''demasiado humanos'', suscitaram várias questões por entre alguns bloggers online, mesmo antes de surgirem imagens que comprovavam ser um disfarce....


Portugal é o país convidado da Feira do Livro de Sevilha 2019
A Feira do Livro de Sevilha decorrerá de 23 de maio a 2 de junho de 2019, na Plaza Nueva, e é uma das principais feiras de Espanha. A participação visa promover a literatura portuguesa no país....


Além de pintores, comerciantes e funcionários públicos, são jogadores. E ficaram a 11 metros da glória
Team Wellington tem 14 anos, treina quatro vezes por semana ao final do dia e jogou uma final perante 1.000 pessoas. No Mundial de Clubes, esteve a ganhar por 3-0 com o Al Ain. Perdeu nos penáltis....


Produção petrolífera angolana cresce para 1,521 milhões de barris diários em novembro
Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro, um aumento de 3 mil barris face a outubro, segundo o relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo....

 
 
 

 

Ads Emro Noticias 1



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE