Rondônia, - 01:15

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Governo deve transferir até 18 mil venezuelanos
Governo deve transferir até 18 mil venezuelanos de RR para outros estados
Os primeiros começam a chegar em SP, AM e MT já nesta quinta-feira (5)
Publicado Quarta-Feira, 4 de Abril de 2018, às 20:21 | Fonte da Redação 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=346139&codDep=38" data-text="Governo deve transferir até 18 mil venezuelanos de RR para outros estados
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

O Hoje

O governo brasileiro planeja transferir até 18 mil refugiados venezuelanos de Roraima para outros estados ainda este ano, no processo chamado de interiorização. A Força Tarefa Humanitária calcula que 52 mil venezuelanos entraram no país até o início de março, por conta da crise humanitária na Venezuela. Por dia, cerca de 400 venezuelanos estão entrando no país, embora alguns voltem para a Venezuela após alguns dias.

Os primeiros venezuelanos transferidos começam a chegar em São Paulo, Manaus, Cuiabá e Campinas a partir desta quinta-feira (5). Cerca de 300 são esperados em São Paulo, onde serão recebidos nos centros de acolhimento para moradores de rua em São Mateus, Santo Amaro, e na Missão Paz. Em uma segunda fase, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis e Campo Grande também receberão venezuelanos. O objetivo é levar os migrantes para locais onde há maior oferta de emprego. 

A Força Tarefa Humanitária havia anunciado a construção de dois mega-abrigos para os refugiados, em Boa Vista e perto de Pacaraima, mas mudou os planos.

O ministério da Defesa cancelou a construção do abrigo para 1.500 refugiados venezuelanos a 20 quilômetros de Pacaraima, diante da oposição de lideranças indígenas e da sociedade civil. O abrigo ficaria dentro de uma reserva indígena. A solicitação da população local de Pacaraima era que o abrigo ficasse longe da área urbana. Mas, segundo o Coronel Evandro Lupchinski, assessor de imprensa da Força Tarefa Humanitária em Roraima, o local onde seria construído era muito afastado de tudo e não havia necessidade de um local tão grande, porque a maioria dos venezuelanos não fica em Pacaraima.

Paulo Pereira, coordenador da Associação dos Povos Indígenas da Terra São Marcos (APITSM), afirmou que as lideranças indígenas se reuniram com representantes da força-tarefa e não aceitaram a construção do abrigo em suas terras.

“Esse abrigo não daria nenhuma possibilidade para os venezuelanos se integrarem, ia se transformar em um depósito de gente, longe de tudo”, diz Cleyton Abreu, coordenador do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados em Boa Vista. 

Agora, a força-tarefa pretende construir um abrigo para 500 pessoas em Pacaraima, na zona urbana, mas ainda não encontrou um local. Em Boa Vista, em vez de outro-mega abrigo de 1.500 pessoas, serão três para 500 pessoas.

Os abrigos existentes estão superlotados. No final de semana, a prefeitura de Boa Vista cercou com tapumes a praça Simon Bolívar, onde vivem cerca de 600 venezuelanos, e passou a controlar a entrada e a saída. Em nota, informou que os tapumes eram necessários para que fosse feita a manutenção da praça, “para recuperar os danos causados em virtude da ocupação. A praça será recuperada e devolvida à população.”
 
“É preciso salientar que estamos aqui para resolver os problemas dos brasileiros, voltar ao status quo que havia na cidade anteriormente”, diz Kupchinski.

Segundo ele, algumas pessoas querem voltar para Venezuela, mas não têm recursos, então a força tarefa avalia uma maneira de custear a volta dessas pessoas. “Há uma quantidade considerável de pessoas que querem voltar, mas não sabem como”, diz.

“É positivo que o Exército tenha desistido de construir o abrigo em uma região afastada, sem condições de integração, e que poderia violar os direitos dos indígenas do território; mas continuamos preocupados com a falta de informações e a concentração de funções de natureza civil nas mãos das Forças Armadas”, diz Juana Kweitel, diretora-executiva da Conectas Direitos Humanos.

Patrícia Campos Mello da Folha de SP.





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 
 
 

 


 


::: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE