Rondônia, - 05:24

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
desmatamento na amazônia
Madeireiras “inventam” árvores para continuarem a desmatar a Amazônia
Segundo estudo, documentação que permite o manejo legal de florestas apresenta número de ipês maior do que a ciência julga possível
Publicado Sexta-Feira, 23 de Março de 2018, às 15:44 | Fonte Chicoterra.com 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=345364&codDep=38" data-text="Madeireiras “inventam” árvores para continuarem a desmatar a Amazônia
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Segundo estudo, documentação que permite o manejo legal de florestas apresenta número de ipês maior do que a ciência julga possível

Ouro verde”. Era esse o apelido carinhoso dado ao mogno, árvore nativa da Amazônia, até o final do século. Com alto valor de mercado e aceitação internacional, houve uma corrida em meio à mata em busca da madeira a partir da década de 70. Pelo menos 5,7 milhões de metros cúbicos de mogno foram extraídos da Amazônia brasileira, com um valor de cerca de US$ 3,9 bilhões.

A festa durou pouco. Hoje, a espécie é encontrada somente nos cantos de mais difícil acesso da Amazônia: a exploração, o transporte e a comercialização do mogno estão suspensos no Brasil desde outubro de 2001. A quase extinção da árvore fez com que as motosserras ganhassem um novo alvo preferido, o ipê.

Olhando do alto, é fácil identificar um ipê amarelo em meio à floresta. Com floração exuberante, cuja coloração lhe atribui o nome, e distribuição natural de um exemplar a cada dez hectares, formam ilhas amarelas em meio ao mar verde da floresta. Seu preço, que chega a US$ 2,5 mil por metro cúbico depois de processado, faz com que valha a pena rasgar a floresta com estradas ilegais em busca da árvore.

A saída foi regulamentar o manejo florestal. Para iniciar a exploração de madeira na Amazônia brasileira, é preciso apresentar um inventário florestal com a estimativa de cálculo do volume aproveitável de madeira das árvores que irão receber autorização para corte.

Com base nessa estimativa, os órgãos competentes dos estados emitem créditos de movimentação de madeira para o transporte e comercialização do produto. O objetivo é definir quais árvores podem ser cortadas e quais devem permanecer em pé para preservar a floresta para o futuro e garantir um novo ciclo de corte daqui a 25 ou 30 anos.

Veja íntegra no site Galileu





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 
 
 

 


 


::: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE