Rondônia, - 13:25

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Economia
Projeto de Lei prevê novas formas de comercialização de castanha no Acre
Um dos maiores produtores de castanha da Amazônia, o Acre discutiu nesta segunda feira, 12, em audiência pública na Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac) a proposta de Lei nº 111/2018, que prevê a proibição de saída da castanha in natura do estado, ou seja, sem que o produto receba algum tipo de beneficiamento.
Publicado Terça-Feira, 13 de Março de 2018, às 09:42 | Fonte Governo do Acre 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=344616&codDep=71" data-text="Projeto de Lei prevê novas formas de comercialização de castanha no Acre
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Representantes da Cooperacre e extrativistas participaram da audiência pública (foto: Angela Peres/Secom)

 

Um dos maiores produtores de castanha da Amazônia, o Acre discutiu nesta segunda feira, 12, em audiência pública na Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac) a proposta de Lei nº 111/2018, que prevê a proibição de saída da castanha in natura do estado, ou seja, sem que o produto receba algum tipo de beneficiamento.

De acordo com o Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre (ZEE), o setor da economia acreana é baseado no extrativismo, sendo a castanha o segundo principal produto, atrás apenas da madeira em toras. Desde 2014, a castanheira é protegida por lei, sendo proibida sua derrubada. O que vem fortalecer a conservação da espécie e a cadeia produtiva da noz.

No estado, a floresta plantada de castanha ainda não atende a demanda, a extração do produto tem sido de árvores nativas, mesmo assim tem sido possível abastecer o comércio local, nacional e internacional. A partir da matéria prima são produzidos diversos cosméticos além de alimentos que proporcionam benefícios à saúde. Algumas empresas de outros países já buscam o produto de forma industrializada.

O projeto, de autoria do deputado estadual Heitor Júnior, defende a industrialização da castanha com o objetivo de atingir maior valor agregado ao produto e consequentemente geração de emprego e renda. ”Nossa ideia é levantar o debate com o objetivo de favorecer a geração de emprego e renda no estado”, disse.

A audiência pública contou também com a presença de representantes de outros países, como o Peru. Como é o caso do empresário Hernan Jamarillo. “Nós estamos nos antecipando e montando uma indústria no estado, antes levávamos a castanha in natura para o Peru, agora estamos montando a usina de beneficiamento da castanha aqui mesmo e assim gerando renda para o Acre”, disse.

Com a aprovação do projeto, o estado passará a oferecer o produto para exportação de forma industrializada, mas para que isso aconteça o debate será feito de forma ampliada com seringueiros, empresários, cooperativas e demais integrantes da cadeia produtiva no estado. Sendo necessária a amostragem de dados a partir de estudos que comprovem que o projeto, se aprovado, fortalecerá todos os elos de produção do setor.

 

 

 

“Vamos propor que seja feito um estudo sobre a capacidade que o estado tem de beneficiar esse produto”, disse Jorge Viana (Foto: Angela Peres/Secom)

 

 

 

 

“O governo tem apoiado as indústrias, a proposta sem dúvidas é muito boa, esse é um agregado fundamental para a economia do estado. Vamos propor que seja feito um estudo sobre a capacidade que o estado tem de beneficiar esse produto, sendo positiva a resposta, aí sim vamos defender a proibição da saída da castanha de forma in natura”, reiterou o senador Jorge Viana.

Cooperacre

No estado, a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre) é hoje responsável pela maior produção de castanha beneficiada, presente em 14 municípios acreanos tem capacidade para produzir mais de 3.000 toneladas de castanha, contando hoje com 2.500 cooperados.

A ideia de criar a Cooperacre partiu da necessidade de ter uma central de cooperativas que reunisse todas as cooperativas de extrativistas do estado, para assim garantir a comercialização dos seus produtos.

“O projeto surge em boa hora, nós da cooperativa estamos torcendo para que seja aprovado, é mais trabalho e com certeza mais lucro também”, destacou o presidente da Cooperacre, José Manuel da Silva.

Para o diretor o Instituto de Defesa Agroflorestal do Estado (Idaf), Ronaldo Queiroz, a industrialização torna-se viável uma vez que gera maior qualidade do produto, uma vez que o mesmo passará a ser selecionado, além agregar maior valor final. “Para nós do Idaf a proposta é vista de forma favorável visando valorizar os nossos produtores com a industrialização do produto, assim ganha o produtor, ganha o estado”, pontuou Queiróz.

 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Região Norte


Governo declara Terra Indígena de dois milhões de hectares no norte do Pará
Área consolida cinturão de proteção socioambiental no norte da Amazônia e atende a reivindicação de pelo menos oito comunidades indígenas...


Operação Hospitator apura fraudes em licitações no Pará
Receita Federal, Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) e Polícia Federal deflagraram no dia (20) a Operação Hospitator, com o objetivo de apurar fraudes em processos licitatórios e desvios de recursos públicos das áreas d...


Museu Emílio Goeldi, do Pará, quase fechou por falta de recursos
Como ocorreu com todos os órgãos federais, sofreu um contingenciamento de cerca 40%, que ameaçou o funcionamento de duas de suas quatro bases em outubro...


Jungmann defende decisão do governo de empregar a GLO em Roraima
Para ministro, decreto dispensa intervenção federal na segurança...

 
 
 

 

Ads Emro Noticias 1



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE