Rondônia, - 17:38

 

Você está no caderno - Artigos
artigo
Educadores da fé e o cuidado da criação!
Com os catequistas, a Igreja é a educadora da fé que conduz seus filhos e filhas a crescerem em uma espiritualidade autêntica e adulta, comprometida com a missão de testemunhar os valores do Reino, da justiça, solidariedade e misericórdia no meio do mundo (n.75; Rm 12,9-21).
Publicado Domingo, 30 de Agosto de 2015, às 11:20 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=297345&codDep=33" data-text="Educadores da fé e o cuidado da criação!
  
  WhatsApp - (69) 9201-1314
 

Foto: Paróquia São Cristóvão

Encerramos o mês de Agosto homenageando os cristãos leigos/as que têm por missão o ministério da Catequese: aqueles que “através do sacerdócio comum do povo de Deus” (DAp 157) transmitem a fé, vivem a sua vocação na construção da Igreja de Cristo e  são portadores de esperança para a sociedade. “Espalhados nas comunidades das estradas, ribeirinhas, indígenas e de nossas cidades, estão sempre presentes e atuantes, contribuindo para o dinamismo missionário do Reino” (doc Manaus 71). 
 
Com os catequistas, a Igreja é a educadora da fé que conduz seus filhos e filhas a crescerem em uma espiritualidade autêntica e adulta, comprometida com a missão de testemunhar os valores do Reino, da justiça, solidariedade e misericórdia no meio do mundo (n.75; Rm 12,9-21). A serviço do processo de educação da fé os catequistas exercem sua missão na gratuidade, transformando as CEBs em comunhão de Comunidades de fé, celebração e caridade.
 
     Como estamos educando nossos filhos na fé, como estamos alimentando nossa experiência cristã? O documento de Aparecida ainda questiona: ou educamos na fé, colocando as pessoas realmente em contato com Jesus Cristo, convidando-as para seu seguimento, ou não cumpriremos nossa missão evangelizadora (DAp 287). 
 
     Muitos católicos não têm consciência de sua missão de serem sal e fermento no mundo, vivem uma identidade cristã fraca e vulnerável (DAp 287). Em alguns setores da sociedade, constata-se a tendência ao cultivo da fé de forma intimista, privativa.
 
O caminho de formação do cristão na tradição mais antiga da Igreja “teve sempre um caráter de experiência, na qual era determinante o encontro vivo e persuasivo com Cristo, anunciado por autênticas testemunhas” (SC 64). Trata-se de uma experiência que introduz o cristão numa profunda e feliz celebração dos sacramentos, com toda a riqueza de seus sinais. Deste modo, a vida vem se transformando progressivamente pela catequese e vivência dos santos mistérios que se celebram, capacitando o cristão a transformar o mundo (DAp 290).
 
     Nessa nossa caminhada de fé, Deus nos conduz nesta constante troca de ensinamentos e aprendizados no exercício de nossa missão. Na Exortação Evangelli Gaudium o papa Francisco lembra-nos que “cada um dos batizados, independente da própria função na Igreja e do grau de instrução da sua fé, é um sujeito ativo de evangelização” (EG 120).  A nova evangelização deve implicar um novo protagonismo de cada um dos batizados. Cada cristão é missionário na medida em que se encontrou com o amor de Deus em Cristo Jesus.
 
Somos chamados a dar aos outros o testemunho explícito do amor de Deus, que, sem olhar às nossas imperfeições, nos oferece a sua proximidade, a sua Palavra, a sua força, e dá sentido à nossa vida. A nossa imperfeição não deve ser desculpa; pelo contrário, a missão é um estímulo constante para não nos acomodarmos na mediocridade, mas continuarmos a crescer (EG 121). O testemunho de fé, que todo o cristão é chamado a oferecer, implica dizer como São Paulo: “Não que já o tenha alcançado ou já seja perfeito; mas corro para ver se o alcanço, lançando-me para o que vem à frente” (Fl 3,12-13).
Como servidores do evangelho que gera Vida em abundância, cada catequista coloca em prática o ensinamento de Jesus, dedicando seu tempo para que adultos, jovens, adolescentes e crianças possam encontrar o caminho do discipulado missionário, a partir da experiência pessoal e comunitária com Jesus Cristo.
 
     Ao celebrar o Dia do Catequista neste ano, a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança dos 50 anos da conclusão do Concílio Vaticano II e a celebração do Ano da Paz, motivado pela situação nacional e mundial, onde a violência se destaca. Esses projetos valorizam a vocação dos catequistas, que são dedicados transmissores dos valores cristãos e animadores do processo de crescimento na fé. A Igreja agradece a Deus por seus catequistas e convida as comunidades a demonstrar o reconhecimento de valor desse apostolado.
 
     A liturgia de hoje ilumina nossa vida cristã, que deve estar centrada na verdadeira religião. Uma religião que não é exterioridade, mas sintonia com
 
Deus, verdadeira piedade, amor a Deus e aos irmãos.
 
     Para muitas pessoas, as leis e preceitos de Deus são um caminho de escravidão, que condicionam a autonomia e limitam a liberdade do homem; para outras, as leis e preceitos de Deus são uma moral ultrapassada, que não condiz com os valores do nosso tempo e que deve permanecer, coberta de pó, no museu da história. No Livro do Deuteronômio (Livro da Lei, da Aliança) a Palavra de Deus é um caminho sempre atual, que liberta o homem da escravidão do egoísmo e que o conduz ao encontro da verdadeira vida e liberdade (Dt 4,1-2.6-8).
 
No Evangelho, Jesus ensina-nos qual é a vontade de Deus. Ele respeita a Lei, melhorando-a para torná-la mais de acordo com a vontade de Deus, que é o verdadeiro bem do ser humano. Isso é o essencial.
 
O que vem de fora não torna o homem pecador, e sim o que sai do coração, isto é, da consciência humana, que cria os projetos e dá uma direção às coisas (BP). Jesus anuncia uma nova forma de moralidade, onde os homens podem relacionar-se entre si na liberdade e na justiça. Com isso, aboliu a lei sobre a pureza e impureza (Lv 11), cuja interpretação era o fundamento de uma sociedade injusta, baseada em tabus que criavam e solidificavam diferenças entre as pessoas, gerando privilegiados e marginalizados, opressores e oprimidos (Mc 7,1-8.14-15.21-23).
 
Mais ainda que a Lei de Moisés em sua simplicidade original, a “religião de Jesus” deve brilhar por sua profunda sabedoria e bondade. Deve mostrar com toda a clareza o quanto Deus ama seus filhos e filhas ensinando-lhes a amarem-se mutuamente (Konings). Daí nossa pergunta: nossas práticas religiosas ajudam a amar mais a Deus e ao próximo, ou apenas escondem nossa falta de compromisso com a humanidade pela qual Jesus deu a sua vida?
 
Verdadeira religião não é doutrina, mas amor prático, para com os mais humildes em primeiro lugar; é o que nos ensina o apóstolo Tiago, afastando–nos do legalismo, do cumprimento sem sentido da lei, para acolhermos o verdadeiro espírito da Palavra de Deus, que é vida (Tg 1,17-18.21b-22.27); assim, em nossa caminhada de fé, junto à comunidade de irmãos, passamos a testemunhar nossa fidelidade à Boa-Nova de Jesus, enquanto esperamos o dia de habitarmos na casa do amor, o coração do Pai (Sl 14/15).
 
Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação
 
Dia 1º de setembro iniciaremos o mês da Bíblia com o “Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação”. Instituído pelo papa Francisco esse dia já ocorre há tempos na Igreja Ortodoxa. Em sua carta, o papa fala das motivações e fundamenta a razão deste dia: 
 
Anualmente, o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação oferecerá a cada fiel e às comunidades a preciosa oportunidade para renovar a adesão pessoal à própria vocação de guardião da criação, elevando a Deus o agradecimento pela obra maravilhosa que Ele confiou ao nosso cuidado, invocando a sua ajuda para a proteção da criação e a sua misericórdia pelos pecados cometidos contra o mundo em que vivemos. 
 
A celebração deste Dia, na mesma data, com a Igreja Ortodoxa, será uma ocasião profícua para testemunhar a nossa crescente comunhão com os irmãos ortodoxos. Vivemos num tempo em que todos os cristãos enfrentam idênticos e importantes desafios, diante dos quais, para ser mais críveis e eficazes, devemos dar respostas comuns. Por isto, é meu desejo que este Dia também possa envolver, de alguma forma, outras Igrejas e Comunidades eclesiais, e ser celebrado em sintonia com as iniciativas que o Conselho Mundial de Igrejas promove sobre este tema.
 

O papa pede que “a celebração deste dia seja devidamente organizada com a participação de todo o Povo de Deus: sacerdotes, religiosos e fiéis leigos”. Que seja “um momento forte de oração, reflexão, conversão e uma oportunidade para assumir estilos de vida coerentes”. E que este Dia Mundial “possa tornar-se sinal de um caminho percorrido conjuntamente por todos os que creem em Cristo”. 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Artigos


Novos padrões da indústria da notícia
Uma das mais graves crises institucionais do Brasil, a que hoje estamos atravessando – está sendo acompanhada por uma imprensa diminuída, incapaz de explicar, até mesmo suas próprias deficiências....


Vitória da vida e da justiça!
Esta semana é propícia à reflexão da vida e da eternidade. “Pensamos no nosso futuro, pensamos em todos aqueles que nos precederam na vida e estão no Senhor” (papa Francisco)....


Assim não dá
Em Rio Branco (AC), o folclore político e a genialidade de um cronista inventaram que os candidatos derrotados descem o rio numa balsa, sem comida, devorados pelos insetos...


O clichê anti-BBB
Depois do Facebook, ficou muito fácil manifestar nossos bons gostos e engajamentos pela internet....

 
 
 

 



 


::: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE