Rondônia, - 02:15

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Greve na Suframa completa um mês
Greve na Suframa completa um mês e estimula demissões e alta de preços, diz Cieam
Segundo a entidade, falta de liberação de produtos e insumos causa prejuízos à indústria
Publicado Domingo, 21 de Junho de 2015, às 13:52 | Fonte Henrique Saunier / [email protected] 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=295957&codDep=38" data-text="Greve na Suframa completa um mês e estimula demissões e alta de preços, diz Cieam
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

As linhas de produção da indústria estão sendo impactadas por falta de insumos com a greve Foto: Eraldo Lopes / 10/05/2013

Manaus - A greve dos servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), que  completa um mês neste domingo, estimula demissões com a falta de mercadorias, afeta a arrecadação e influencia a alta de preços com a escassez de produtos, segundo o  Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam). A entidade informou que 1,3 mil carretas com mercadorias, avaliadas em aproximadamente R$ 400 milhõesestão retidas à espera de liberação.
 
Para o presidente do Cieam, Wilson Périco – que conseguiu na Justiça liminar para liberação de 30% das mercadorias – a situação atual é “vergonhosa”, principalmente pelo descaso do governo federal com a autarquia, que está há mais de sete meses sem um superintendente e “tem seus servidores sendo tratados com essa indiferença há mais de cinco anos”.
 
“Um governo que diz ter vindo da classe trabalhadora, que teve origem nos movimentos dos metalúrgicos do ABC Paulista e trata os trabalhadores da Suframa dessa forma, coloca em risco, também, os trabalhadores do PIM. O Cieam é solidário ao pleito dos servidores da Suframa e trabalha para tentar ajudar na correção dos salários desses servidores há algum tempo”, ressaltou Périco.
 
Quanto aos efeitos da paralisação na indústria, o dirigente afirmou que existem vários, entre os mensuráveis ou não. 
 
De acordo com o presidente do Cieam, várias linhas de produção da indústria estão sendo impactadas por falta de insumos e os trabalhadores das fábricas estão com risco de perder seus empregos, uma vez que, na avaliação de Périco, a economia não vai bem. “Tem também a imagem de nossa região quanto à atração de investimentos, que fica muito afetada. Portanto, os prejuízos são enormes para nosso Estado que, além desses aspectos, terá um impacto muito grande na arrecadação”, completou.
Sobre o impacto nas receitas, a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) não deu retorno ao ser questionada.
 
Férias
 
Para o  vice-presidente da Federação da Indústria do Estado do Amazonas (Fieam), Nelson Azevedo, a greve se somou à crise econômica brasileira, contribuindo para a piora da situação do setor, que já não estava  favorável em 2015. Azevedo afirma que a saída encontrada por muitas fábricas, incluindo as maiores do Polo Industrial de Manaus (PIM) foi a de antecipar as férias.
 
“Muitas empresas já entraram em férias coletivas e outras ainda vão entrar no final de junho, todas de dez a 15 dias. Isso significa queda na produção, no faturamento, pois as empresas estão tentando reduzir todos os gastos. O último redutor de despesas seria a dispensa da mão de obra. Temos um cenário de muita incerteza, não podemos fazer prognóstico dizendo que vai melhorar. Não temos indicadores que nos deem esse otimismo”, destacou Azevedo. 
 
De acordo com o vice-presidente da entidade do setor produtivo, com a crise, as pessoas também estão deixando de comprar itens que não são de primeira necessidade, situação que afeta diretamente o PIM. “Tem alguns setores que sofrem mais e outros menos, mas, no geral, a greve atinge todo mundo, tirando o setor de alimentação e remédios. Os bens que não são de necessidade imediata estão sofrendo mais, como eletroeletrônicos e duas rodas. Mas indústria, comércio e serviços, todos sofrem e isso vai refletir na arrecadação estadual”, salientou Azevedo.
 
Paralisação afeta o comércio com a redução do estoque
 
De acordo com o presidente da Federação da Câmara dos Dirigentes Lojistas do Amazonas (FCDL-AM), Ralph Assayag, a falta de mercadorias no comércio local por conta da greve já começou, o que deve influenciar na alta de preços, caso a paralisação continue, além dos prejuízos aos pequenos comerciantes. 
 
“Os carreteiros livres não querem mais vir para Manaus, pois sabem que ficarão com mercadorias presas. Faltam mercadorias e os pequenos lojistas não têm estoque para vender. Ficamos refém de meia dúzia de pessoas”, disse Assayag.
 

Assayag informou que as demissões também estão acontecendo, mesmo que em baixo volume. “Os que mais sofrem são os pequenos comerciantes, que não conseguem fazer estoque alto e pedem mercadorias toda semana ou quinzena. Não é justo demissão de funcionários e aumento de preços de produtos por causa dessa greve. Esse foi o pior momento possível para fazer essa greve”, criticou  o dirigente. 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 
 
 

 


 


::: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE