Rondônia, - 02:06

 

Você está no caderno - Usinas do Madeira
contra apagões
Sistema elétrico deve receber cerca de 10 mil megawatts no próximo ano
Rio de Janeiro - As perspectivas do setor elétrico brasileiro para 2013 são muito boas, segundo assegurou à Agência Brasil Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia.
Publicado Domingo, 30 de Dezembro de 2012, às 09:15 | Fonte da Redação 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=287451&codDep=28" data-text="Sistema elétrico deve receber cerca de 10 mil megawatts no próximo ano
  
  WhatsApp - (69) 9 9967-8787
 

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil
 
Rio de Janeiro - As perspectivas do setor elétrico brasileiro para 2013 são muito boas, segundo assegurou à Agência Brasil Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia.
 
Conforme o dirigente, devem entrar no sistema elétrico nacional, durante o período, cerca de 10 mil megawatts (MW), englobando usinas hidrelétricas, eólicas (dos ventos) e térmicas, já leiloadas. “Vai ser um ano muito bom”.
 
No início de 2013, a EPE pretende fazer dois leilões de energia nova para contratação antecipada de energia, visando a garantir o atendimento da demanda para fornecimento entre três e cinco anos à frente, denominados, respectivamente, leilões A-3 e A-5. A empresa também estuda fazer, eventualmente, um leilão de reserva.
 
Tolmasquim acredita que, durante o próximo ano, serão leiloadas as usinas hidrelétricas de Sinop (MT) e São Manoel, situada entre Mato Grosso e o Pará. A usina de São Luiz do Tapajós (PA) poderá ficar para o início de 2014, segundo estimou.
 
Na medida em que a expansão e a modicidade tarifária já estão “devidamente equacionadas”, os economistas do Grupo de Estudos do Setor Elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Gesel/UFRJ) acreditam que os maiores desafios para 2013 “estão na órbita do sistema elétrico e do seu planejamento”.
 
O coordenador do Gesel, professor Nivalde de Castro, disse à Agência Brasil que a avaliação se baseia em dois fatos. “O primeiro é que a construção de novas hidrelétricas está tendo que diminuir ao máximo o volume dos reservatórios [chamadas usinas de fio d’água], passando a exigir a construção de usinas térmicas, exigência esta que se fará mais presente com o aumento da contratação de plantas eólicas [que geram energia a partir dos ventos]”.
 
O segundo desafio, salientou Castro, é a revisão dos procedimentos de planejamento das linhas de transmissão, “pois há um descompasso crescente entre a construção de plantas geradoras e de linhas de transmissão”. Segundo ele, o planejamento das linhas de transmissão “está muito passivo e vem sendo determinado após a realização dos leilões de geração”.
 

Edição: Tereza Barbosa 





Curta nossa página no Facebook ou deixe seu comentário



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Usinas do Madeira


Privatização da Ceron vem com aumento de até 27,12% na conta de luz dos rondonienses
Nas residências e comércios do estado, a correção será de 24,75%. Gastos com a geração de energia e pagamento de dívidas são apontados como causas do aumento....


Energisa pede revisão revisão tarifária para a Ceron (RO) e para Eletroacre (AC)
Segundo a companhia, “tendo em vista que o processo administrativo e as atividades atinentes à RTE iniciam apenas cerca seis meses antes da conclusão do processo...


Energisa conclui oferta pública de emissão R$ 1,5 bilhão da antiga Ceron de Rondônia
Recursos serão usados na gestão de negócios da distribuidora...


Compensações: UHE Jirau entrega oito escolas em terras indígenas de RO
As escolas atenderão alunos do ensino fundamental e médio...

 
 
 

 

Ads Emro Noticias 1



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE