Rondônia, - 19:10

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Brasileiros adotados por residentes no exterior poderão solicitar informações sobre origem biológica
Página “Direito à Origem”, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, disponibiliza formulário bilíngue e facilita consultas junto às varas de adoção no Brasil...
Publicado Segunda-Feira, 19 de Outubro de 2020, às 16:02 | Fonte Ministério da Justiça e Segurança Pública 0

 
 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (MJSP/DRCI), lançou uma página que possibilita a solicitação de acesso à origem biológica de adotados por residentes no exterior. A página “Direito à Origem”, disponível no site do Ministério da Justiça e Segurança Pública, vem ajudando no aumento do número de pedidos de informações de acesso às origens biológicas

Até o início de outubro de 2020, foram solicitados 56 pedidos de acesso à origem biológica de crianças e adolescentes nascidos e adotados no Brasil por estrangeiros. Em 2019, 32 pedidos foram recebidos. No ano de 2018, foram 2 pedidos. "O direito à origem é abrangente. A página facilita o acesso à informação aos brasileiros adotados por estrangeiros que queiram saber mais sobre suas origens biológicas, uma vez que eles, por residirem no exterior, não têm fácil acesso às varas de infância e juventude onde foram adotados", explica a diretora do DRCI, Silvia Amélia Fonseca.

Interessados em solicitar informações devem acessar o formulário por meio da página “Direito à Origem”. Após o preenchimento, o documento deve ser encaminhado para o endereço de e-mail [email protected], que analisará o pedido. Deverão estar anexos à mensagem o documento de identidade recente e outros documentos do requerente que possam colaborar com as buscas, todos digitalizados. Todo o processo ocorre de forma eletrônica e gratuita.

DRCI

Desde 2018, a Autoridade Central Administrativa Federal (ACAF) do DRCI vem atuando nos processos de busca às origens biológicas, mas somente em 2019, foi estabelecido a regulamentação com o fluxo para recebimento, processamento e atendimento desses pedidos, por meio da Resolução nº 19. Anteriormente, essa atuação era atendida pelas varas dos tribunais estaduais e Polícia Federal, sem nenhuma regulamentação.

O DRCI, autoridade central brasileira, é responsável pela atuação dos pedidos, recebimento e transmissão das solicitações entre os países, buscando equilíbrio dos direitos de acesso à informação dos adotados e o direito à preservação das informações das mães biológicas, previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Nas situações em que é possível localizar a família biológica, a possibilidade de aproximação e a informação sobre a sua localização também dependem do consentimento da pessoa localizada.

O Conselho das Autoridades Centrais Brasileiras para adoção internacional é composto por centrais estaduais - vinculadas aos tribunais de justiça estaduais - e também pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) e Polícia Federal (PF).







Veja também em NACIONAL


Visita doutrinária à 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada
No período de 9 a 13 de novembro, o Departamento de Educação e Cultura do Exército......


Empresários podem acreditar em um futuro melhor
“Nós deixaremos, sim, esse Brasil cada vez melhor”, afirmou o Presidente Jair Bolsonaro em encontro organizado pelo Grupo Voto ...


Confiança do empresário do comércio brasileiro cai 2,3 pontos, diz FGV
Indicador chegou a 93,5 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos ...


Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio estimado em R$ 3 milhões
As apostas podem ser feitas até as 19h, horário de Brasília ...

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News