Rondônia, - 14:04

 

Você está no caderno - Porto Velho
Notícias
STF considera constitucional lei sobre cobrança de custas do TJRO
Nessa segunda-feira, 14, o Supremo Tribunal Federal encerrou o julgamento virtual, em que julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil
Publicado Quinta-Feira, 17 de Setembro de 2020, às 09:23 | Fonte TJ/RO 0

 
 

Nessa segunda-feira, 14, o Supremo Tribunal Federal encerrou o julgamento virtual, em que julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, e considerou constitucional a Lei nº 3.896/2016, do Estado de Rondônia, que trata sobre a cobrança de custas dos serviços forenses no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Rondônia.

Conforme o voto da relatora, ministra Rosa Weber, a lei de custas do Judiciário rondoniense não demonstra ofensa ao acesso à justiça, à ampla defesa, à vedação da utilização de taxas para fins meramente fiscais e ao princípio do não confisco.

Weber ponderou que há correlação entre o serviço prestado e os parâmetros estabelecidos, a fim de apuração dos valores e não vislumbrou excesso ou ausência de proporcionalidade na lei do PJRO.

A ministra Rosa Weber destacou que, em 2019, o Conselho Nacional de Justiça – CNJ diagnosticou nove tribunais estaduais que possuíam custas mínimas menores que R$ 100,00, dentre estes o TJRO (R$ 93,94).

“Entendo que a lei impugnada atende, sob os três prismas, o critério proporcionalidade: é adequada para garantir de forma idônea a função dúplice das custas judiciais; adota uma metodologia menos gravosa de recolhimento, indispensável para a manutenção da prestação jurisdicional; garante-se a arrecadação da taxa e prevê-se a isenção de pagamento em determinadas hipóteses, e mantém o equilíbrio entre o meio e o fim, por meio da ponderação entre os critérios econômicos envolvidos, sem excesso ou insuficiência”, afirmou a relatora.

Função das custas processuais

A relatora ressaltou que as custas processuais cumprem a função de gerar recursos idôneos a remunerar o serviço essencial de prestação jurisdicional e impedir o abuso da judicialização, inclusive sobre manejo recursal meramente protelatório.

A decisão, por maioria de votos, seguiu o entendimento da relatora do processo, ministra Rosa Weber. Acompanharam a relatora os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Roberto Barroso, Luiz Fux e Gilmar Mendes. O ministro Marco Aurélio proferiu voto divergente. A sessão virtual teve início no dia 4 de setembro e encerrou no dia 14.

Justiça em números

Na última publicação do Relatório Justiça em Números 2020 do CNJ, relativo ao exercício do ano de 2019, o Tribunal de Justiça de Rondônia obteve o maior número de processos arquivados (resolvidos) com assistência judiciária gratuita por cem mil habitantes, dentre os tribunais de pequeno porte.







Veja também em Porto Velho


Governo de Rondônia investe mais de R$ 3 milhões no transporte gratuito de 20 mil toneladas de calcários para pequenos agricultores
Neste ano de 2020, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), investiu mais de R$ 3 milhões...


Prefeitura amplia rede de drenagem em cruzamento crítico da capital
Obra está sendo realizada na confluência das avenidas Rio de Janeiro com Rio Madeira ...


Governo abre inscrição para contratar profissionais habilitados a administrar finanças públicas
O Governo de Rondônia, por intermédio da Secretária de Estado de Finanças (Sefin), iniciou mais uma etapa do processo seletivo Seleciona RO...


Parceria entre Agevisa e instituição privada vai garantir conhecimento aos profissionais de saúde sobre doença rara
Com vista na ampliação do conhecimento profissional e para um atendimento melhor do usuário na rede pública......

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News