Rondônia, - 15:23

 

Você está no caderno - Meio Ambiente
Notícias da Justiça
TJRO busca alternativas para descarte de eletrônicos
Representantes do Núcleo de Acessibilidade, Inclusão e Gestão Socioambiental -  Nages, do Tribunal de Justiça de Rondônia visitaram na segunda, 17...
Publicado Quarta-Feira, 19 de Agosto de 2020, às 15:08 | Fonte TJ/RO 0

 
 

Representantes do Núcleo de Acessibilidade, Inclusão e Gestão Socioambiental -  Nages, do Tribunal de Justiça de Rondônia visitaram na segunda, 17, uma empresa que trabalho com a coleta, seleção e destinação de resíduos eletrônicos para reciclagem tais como como computadores, telefones, televisões e outros equipamentos para descarte. A iniciativa faz parte de um cronograma que busca soluções práticas e acessíveis para contribuir com a sustentabilidade da instituição. 

Dentre as diretrizes que orientam a Política de Sustentabilidade da instituição estão a conservação e preservação do meio ambiente como exercício de cidadania; o alinhamento da sustentabilidade e práticas de gestão socioambiental com a tomada de decisões; consumo sustentável, redução de emissões de gases de efeito estufa e prevenção de impactos negativos.

 Além disso, explica a coordenadora do Nages, Maiara Ribeiro, "o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do TJRO prevê procedimentos e qualificações de empresas, licenciadas por órgãos ambientais do Município e Estado, para que o Poder Judiciário concretize essa responsabilidade compartilhada sobre seus resíduos. Então, este trabalho de conhecer pessoalmente as empresas é muito importante para poder articular esse descarte ambientalmente correto”.

Judiciário Sustentável 

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 12, da Agenda 2030, implementada pela ONU, preconiza “assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis” e pretende, conforme o item 12.5, “até 2030, reduzir substancialmente a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso”.

Em maio deste ano, a resolução 143 instituiu a Política de Sustentabilidade no Judiciário rondoniense, reafirmando o compromisso de atuação socialmente justa, ambientalmente responsável e economicamente viável do TJRO. 

Durante a visita, Maiara Ribeiro, e a também servidora do Nages do TJRO, Silvana Cruz, verificaram as instalações da empresa, funcionamento, diversidade de materiais que coleta (sem custos) e, posteriormente, faz a separação dos componentes de cada aparelho. 

De acordo com Maiara, “buscamos alternativas para o TJRO, mas pode servir para todo cidadão, pois a empresa funciona como um ecoponto, em que a população pode levar equipamentos eletrônicos em desuso como notebook, celular, computador, telefone, geladeira, ventilador, pilhas, baterias e tantos outros”.

O ecoponto também recebe óleos de cozinha e lubrificante usados, faz a separação dos componentes de cada aparelho e a destinação para as empresas que trabalham na reciclagem específica de cada material (cobre, plástico, alumínio, etc.). Segundo apurou a equipe, qualquer pessoa, física ou jurídica, pode fazer a entrega adequada de seus resíduos eletrônicos.

“Esses tipos de resíduos são perigosos por conter substâncias tóxicas e, infelizmente, se forem descartados de maneira incorreta acarretará danos para todos, pois provocam a poluição do solo, da água, do lençol freático, enfim, de todo o ecossistema. Os impactos ambientais desses materiais em locais inapropriados podem ser irreversíveis”, alertou a coordenadora. 

Consciência

A compra de um celular ou qualquer outro equipamento eletrônico implica, na maioria das vezes, no descarte de outro. Os avanços tecnológicos, assim como a produção frenética de aparelhos e o acesso a eles facilitado, principalmente pela globalização, trouxe mudanças sociais e ambientais de peso, que, neste caso, não têm sentido figurado, pois trata-se dos metais, componentes dos aparelhos eletrônicos nem sempre conhecidos pelos seus usuários.

Do cobre até o chumbo, uma revisada na tabela periódica pode constatar nomes incomuns de vários metais pesados que estão presentes também nos aparelhos eletrônicos. Algumas dessas substâncias até são necessárias, em pequenas quantidades, para determinadas funções no organismo dos seres vivos, como por exemplo o zinco, bastante mencionado neste período de pandemia. Outros, porém, como o mercúrio, utilizado nos garimpos, podem ser altamente tóxicos e a sua acumulação no corpo humano tende a provocar doenças graves como o câncer.

Assessoria de Comunicação Institucional







Veja também em Meio Ambiente


Como estará a situação dos plásticos nos oceanos em 2040?
Em artigo no ''The Conversation'', cientistas da Universidade de Leeds trazem estimativa de que a quantidade de plástico que chega ao meio ambiente marinho deve dobrar daqui 20 anos – mas sugerem formas de mudar esse quadro preocupante ...


O que é a nuvem de poeira ''Godzilla'' que viajou do Saara para as Américas
O fenômeno acontece todo ano e é essencial para o planeta. Em 2020, entretanto, está ocorrendo na maior intensidade dos últimos 50 anos. Entenda...


Tubarões estão funcionalmente extintos em 6 territórios ao redor do mundo
Estudo indica que animais não estão mais sendo vistos em recifes de diferentes continentes – e, por isso, não estão mais agindo nesses ecossistemas ...


Mais de 94 mil pessoas alcançadas na homenagem às baleias franca
A celebração de boas-vindas à baleia franca foi uma live no YouTube e contou com 25 atrações entre musicais, de educação ambiental, de dança, yoga, declamadores e especialistas no tema que celebraram a chegada dos cetáceos...

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News