Rondônia, - 09:47

 

Você está no caderno - NACIONAL
Política
Salim Mattar comenta sua saída do Ministério: ''Políticos não querem privatizar!''
O empresário Salim Mattar comentou nesta quarta-feira (11), em entrevista para a CNN Brasil, sua saída da secretaria de Desestatização e Privatizações.
Publicado Quarta-Feira, 12 de Agosto de 2020, às 15:55 | Fonte Liga Patríotica 0

 
 

REUTERS/Amanda Perobelli

Mattar confirmou a versão de Guedes, de que saiu por incômodo com o ritmo lento das vendas de empresas pela União, e que a lentidão se deve à classe política, que não tem boa vontade de privatizar.

“O fato que aconteceu é como o próprio ministro já disse: Quem dita tudo isso é a política. A política não tem interesse de privatizar, por isso que está lento o processo”, disse Salim.

Mattar negou estar “frustrado”, se dizendo satisfeito com as vendas de subsidiárias e empresas coligadas às estatais, que renderam, segundo ele, R$ 150 bilhões aos cofres público. O problema, diz o empresário, foi a dificuldade de se adaptar ao trabalho no setor público, onde, “quando você vai privatizar, mexe no conflito de interesses”.

“O establishment não deseja que aconteça privatizações, então dificulta o processo”, afirmou.

“O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Nós da iniciativa privada normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão da burocracia estatal”, continuou o ex-secretário.

A título de exemplo, Mattar diz que os Correios poderiam ser vendidos entre 60 e 90 dias, se fossem uma empresa privada, mas que como trata-se de uma estatal, esse prazo sobe para 28 meses.

Apesar da saída, Salim disse à CNN Brasil que continua apoiando a equipe econômica. “A primeira coisa é que eu gostaria de deixar claro é que eu estou deixando o governo, mas não estou deixando de apoiar a pauta do presidente Bolsonaro e do ministro Guedes”, afirmou.

O empresário disse também considerar normal saída de peças da equipe no decorrer da administração.

“Não é obrigada uma pessoa que entra no primeiro dia de governo, como é o meu caso, ficar até o último dia de governo. É normal que exista troca, substituição, oxigenação das equipes, que exista mudanças. Alguém por frustração pode sair, mas não é o meu caso”, argumentou.







Veja também em NACIONAL


Festival de Música Rádio MEC anuncia vencedores hoje
Com recorde de votos e inscritos, cerimônia online será às 20h ...


Direitos políticos de mulheres: Brasil é o 9º entre 11 países, diz ONU
Estudo analisou 11 países da América Latina ...


Cães são usados para detectar coronavírus em aeroporto na Finlândia
Eficiência dos cães ainda não foi comprovada em estudos científicos ...


Valorização da vida e prevenção ao suicídio
Nos dias 21 e 22 de setembro, o psicólogo da prefeitura municipal de  Iporá......

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News