Rondônia, - 11:15

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Saúde
Ayahuasca reforça elo entre depressão e inflamação
O novo estudo, publicado dia 10 no periódico especializado Journal of Psychopharmacology acrescenta uma peça ao quebra-cabeças da neurobiologia da depressão
Publicado Sábado, 1 de Agosto de 2020, às 07:47 | Fonte Notícias ao Minuto 0

 
 

Shutterstock

 


O pioneirismo da ciência psicodélica brasileira marcou novo tento. Depois de realizar o primeiro teste clínico controlado com essa classe de substâncias (ayahuasca, no caso) contra depressão, pesquisadores do Nordeste mostram que a melhora parece vir de um recuo na reação inflamatória.

Ainda não está provada a hipótese que liga esse transtorno mental com a inflamação, resposta típica do sistema imunológico ao ataque de agentes externos, como vírus. Tampouco se sabe o que desencadeia a inflamação discreta em pacientes deprimidos, apenas que eles têm níveis alterados de compostos, como o cortisol, que participam de sua modulação.

O novo estudo, publicado dia 10 no periódico especializado Journal of Psychopharmacology (doi.org/10.1177%2F0269881120936486), acrescenta uma peça ao quebra-cabeças da neurobiologia da depressão.

À frente está Nicole Leite Galvão-Coelho, do Departamento de Fisiologia e Comportamento da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A bióloga faz atualmente pós-doutorado na Universidade de Western Sydney (Austrália).

"É o primeiro estudo no mundo que aponta em humanos, tanto pacientes quanto pessoas saudáveis, a ação anti-inflamatória de um psicodélico clássico", afirma Nicole. "Antes disso, só alguns outros in vitro e com modelos animais já haviam demostrado esse potencial."

Psicodélicos clássicos como ayahuasca (chá utilizado em rituais de religiões como Santo Daime), LSD e psilocibina (presente nos chamados cogumelos mágicos) agem sobre receptores de serotonina no cérebro. Pessoas com depressão têm níveis diminuídos desse neurotransmissor, e remédios antidepressivos atuam para elevá-los.

A fisiologista colaborou com o grupo de Dráulio Araújo e Fernanda Palhano-Fontes, do Instituto do Cérebro e do Hospital Universitário Onofre Lopes, ambos da UFRN, responsáveis pelo estudo randomizado com grupo placebo.

Nicole analisou o sangue de 28 participantes com depressão nesse teste clínico pioneiro (14 tomaram ayahuasca e 14, placebo), além de 45 pessoas sem o transtorno. As amostras foram colhidas antes do tratamento e 48 horas depois. Para medir o grau de inflamação, ela usou uma proteína (conhecida pela abreviação CRP) produzida em maior quantidade no fígado quando ocorre a reação inflamatória do sistema imune.

"A ayahuasca reduziu de maneira significativa, após 48 horas, tanto a inflamação quanto a depressão, simultaneamente", diz a pesquisadora.

A reação inflamatória, assim como a ação de psicodélicos para atenuá-la, podem ser a chave para avançar no tratamento do tipo resistente de depressão. Ele aflige um terço dos mais de 300 milhões de pessoas com o transtorno no mundo, que não conseguem melhora com os antidepressivos convencionais, baseados na inibição da reciclagem de serotonina pelo sistema nervoso.

Essa foi a forma da doença investigada no estudo pioneiro da UFRN, cujos participantes sofriam com ela há 11 anos, em média. A pergunta que o grupo gostaria de responder é se níveis alterados de cortisol, chamado também de hormônio do estresse, estariam na raiz da resistência aos medicamentos disponíveis.

Isso porque, no caso dos pacientes crônicos, o nível de cortisol aparece diminuído, enquanto nos que apenas começam a apresentar sintomas de depressão ele costuma subir. A quantidade rebaixada do hormônio poderia talvez explicar a inflamação discreta constatada nos doentes com depressão resistente.

"Precisamos de mais estudos, com mais indivíduos e mais coletas, para entendermos melhor essa complexa relação da neurobiologia da depressão e, assim, ajudar os 30% de pacientes que não respondem ao tratamento."

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de pessoas com depressão aumentou 18,4% de 2005 a 2015. Com a pandemia de Covid-19 e os vários graus de isolamento social que acarretou, sem data certa para acabar, parece provável que o transtorno crescerá para se tornar o grande mal do século 21.

Renunciar ao potencial terapêutico dos psicodélicos, para quantidade crescente de especialistas, é uma extravagância que a humanidade não pode se permitir.*O QUE É AYAHUASCA

A ayahuasca, hoasca ou iagê, bebida originada de rituais xamânicos e indígenas de várias etnias do Brasil e do Peru, é um chá preparado com dois ingredientes vegetais: folhas do arbusto chacrona (Psychotria viridis) e casca do cipó mariri, caapi ou jagube (Banisteriopsis caapi).

A chacrona contém o principal composto psicoativo da beberagem, a n,n-dietiltriptamina (DMT). O mariri fornece os alcaloides harmina, harmalina e tetrahidroarmina, que inibem uma enzima degradadora da DMT e, com isso, prolongam seu efeito psicodélico.

No século 20, a ayahuasca se tornou o sacramento de religiões sincréticas surgidas na Amazônia que se espalharam pelo Brasil e outros países, como Santo Daime, Barquinha e União do Vegetal. Misturam-se nelas elementos cristãos, espíritas, indígenas e africanos.

FOLHAPRESS

 







Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Governo de Rondônia debate políticas públicas na área da Saúde em “Encontro Anual de Prefeitos e Secretários Municipais”
Como forma de encurtar distâncias e auxiliar os municípios, proporcionando mais eficiência no atendimento à população, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau)... ...


Zika pode lesar cérebros de 50 mil bebês até 2020
...


Governo sanciona projeto que libera inibidores de apetite
...


Anvisa proíbe venda de três emagrecedores fitoterápicos
...

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News