Rondônia, - 02:22

 

Você está no caderno - Ação Parlamentar
Artigos
O Norte também tem cachaça
Por intermédio do meu amigo Jackson Jibóia tive o prazer de ter acesso ao anuário “A Cachaça no Brasil-Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes-Ano 2020” publicado pelo Ministério da Agricultura...
Publicado Sexta-Feira, 24 de Julho de 2020, às 08:43 | Fonte Silvio Persivo 0

 
 

Silvio Persivo

Por intermédio do meu amigo Jackson Jibóia tive o prazer de ter acesso ao anuário “A Cachaça no Brasil-Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes-Ano 2020” publicado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA, que busca atualizar os estabelecimentos da área cadastradas no Brasil. Os dados se referem ao ano de 2019, o que é preciso ressaltar porque se trata de um setor muito dinâmico no qual as alterações, ainda mais com a atual pandemia, se verificam rapidamente. Também é preciso dizer que, conforme ressalta o próprio trabalho, o anuário atual modificou algumas formas do anterior procurando tornar os dados mais reais, mais transparentes, excluindo os produtores inexistentes, bem como fazendo diferenciação entre produtores e marcas. A publicação revela que, no ano de 2019, existiam 894 (oitocentos e noventa e quatro) produtores de cachaça registrados no Mapa. Minas Gerais ocupou a 1ª posição, com quase o triplo do 2º colocado, que é São Paulo. Mais uma vez evidenciou-se a concentração da produção de cachaça na Região Sudeste, com 622 (seiscentos e vinte e dois) estabelecimentos registrados, sendo que Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Rio de Janeiro juntos concentram cerca de 70% da produção registrada. A proporção foi igual ao ano anterior, com a região Nordeste com 129 (cento e vinte e nove) estabelecimentos,14,4%, a região Sul com 101 (cento e um), 11,3%, a região Centro-Oeste com 33 (trinta e três), 3,7% e, por fim, a região Norte, com somente 9 (nove) produtores, com a menor parcela, de 1%. Vale salientar que produção de cachaça acontece em 558 (quinhentos e cinquenta e oito) municípios brasileiros contando com o Distrito Federal, continuando a representar 10,02% do total. Com maior representatividade aparece a região Sudeste, com cerca de 22% dos municípios com produção de cachaça. Segundo a publicação, quando se refere ao Norte, não há estabelecimentos registrados para produção de aguardente e de cachaça nos estados do Amapá, Amazonas e Roraima, todos da região Norte, sendo a região com menor número de estabelecimentos registrados, destacando-se apenas o estado do Pará. A produção de cachaça em Rondônia e no Acre está restrita apenas a um estabelecimento que não se consegue saber qual é na publicação. A do Acre não tenho a menor dúvida que é a do meu amigo Jackson Jibóia que produz a Jibóia, uma cachaça que degustamos com muito prazer no Buraco do Candiru, que, aliás, a inclui nas suas camisas de carnaval e out-doors de eventos como parceiro. Já a de Rondônia tenho impressão que, embora existam outras,  não são registradas, de forma que penso que a registrada deve ser, até pelo tempo de existência, a do João Zanin, lá de Vilhena, que começou a ser produzida no ano de 2.000, a que também tem nome de cobra, Cachaça Sucuri, distribuída em pontos de venda de Ariquemes, Porto Velho, Mato Grosso, São Paulo, Curitiba e outros estados. Lá inclusive ela tem duas linhas, uma com envelhecimento de dois anos em barril de carvalho e outra com um ano de cura, inclusive com envelhecimento em barris de jequitibá. Pelo que sei, embora existam outras, é a cachaça mais famosa no Estado. Posso estar errado, mas, penso que ela é a que tem registro (também outros podem ter feito ultimamente), mas, são empreendedores como o Jibóia e o Zanin, que fazem com que nossos estados, Rondônia e Acre, apareçam no Anuário da Cachaça. São os pioneiros de uma tradição nacional que, orgulhosamente, se mantém também no Norte do País. Merecem os nossos parabéns que são extensivos também a outros que, infelizmente, pelo menos aqui em Rondônia sei que existem, e que não estão registrados.







Veja também em Ação Parlamentar


Luizinho Goebel indica demandas a serem atendidas na área da saúde em municípios
O deputado Luizinho Goebel (PV) fez indicações ao governo do Estado para que, através da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) sejam atendidas demandas dos municípios de Cerejeiras, Ji-Paraná e Espigão do Oeste....


Agricultores de Cujubim contra criação de Estação Ecológica
O deputado Adelino Follador (DEM) criticou na segunda–feira (26) a decisão do governo do Estado de criar, sem critério, uma grande Estação Ecológica (Soldado da Borracha), com de 11 Unidades de Conservação nos municípios de Porto Velho e Cujubim, q...


Prefeito de Guajará-Mirim pede apoio para recuperar trecho interditado da BR 425
As fortes chuvas que caíram nos últimos dias provocaram uma erosão na BR 425, que interliga Guajará-Mirim e Nova Mamoré à BR 364, no trecho à altura do Km 56, nas proximidades do distrito de Araras. ...


Lazinho da Fetagro reafirma posição contrária ao projeto que prevê aumento da cota do reservatório da usina
Durante a sessão ordinária desta quarta-feira (11) no Plenário da Assembleia, o deputado Lazinho da Fetagro (PT) reafirmou posição contrária a aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 102/2016, de autoria do Poder Executivo, que altera dispositi...

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News