Rondônia, - 01:58

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
TECNOLOGIA AMAZON
Amazon suspende uso do seu software de reconhecimento facial pela polícia durante um ano
A Amazon anunciou que entidades policiais não poderão utilizar a sua plataforma de reconhecimento facial Rekognition durante um ano
Publicado Sexta-Feira, 12 de Junho de 2020, às 07:10 | Fonte Gizmodo 0

 
 

David Ryder/Getty

A Amazon anunciou que entidades policiais não poderão utilizar a sua plataforma de reconhecimento facial Rekognition durante um ano. A moratória imposta pela companhia acontece dois dias depois de a IBM anunciar que não iria mais desenvolver, pesquisar e vender tecnologias de reconhecimento facial citando pesquisas que mostram vieses de discriminação e riscos de violações à privacidade. Em um comunicado, a Amazon disse que “defende que governos criem regulamentações mais fortes para reger o uso ético da tecnologia de reconhecimento facial e, nos últimos dias, o Congresso pareceu pronto para assumir esse desafio. Esperamos que esta moratória de um ano possa dar ao Congresso tempo suficiente para implementar regras apropriadas, e estamos prontos para ajudar se solicitado.” Nesse mesmo comunicado, a companhia afirma que vai continuar permitindo que organizações dedicadas a encontrar crianças desaparecidas e de combate ao tráfico humano utilizem o seu software.

Pesquisas sobre sistemas de reconhecimento facial apontaram que há grandes chances de a tecnologia reforçar injustiças e atingir minorias. Alguns estudos analisaram especificamente o software da Amazon – um deles, publicado em 2019 e realizado pelas pesquisadoras Joy Buolamwini, do MIT Media Lab, e Deborah Raji, do AI Institute, descobriu que o Rekognition tinha problemas significativos ao identificar o gênero de pessoas negras.

O Verge lembra que a Amazon tentou relativizar essas descobertas, mas diversos pesquisadores da área de inteligência artificial assinaram uma carta aberta afirmando que o Rekognition tinha falhas e que não deveria estar nas mãos de forças de aplicação da lei. Em 2018, a ONG União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês) mostrou que o software Rekognition, da Amazon, errou na identificação de 28 membros do Congresso dos EUA, ligando eles a fotos de arquivos policias. A empresa deu uma resposta atrapalhada.

Apesar dessas pesquisas, a Amazon não deixou de vender o seu software para departamentos policiais. A companhia também não tem uma grande presença no setor – até o ano passado, somente dois departamentos utilizavam ativamente o sistema.

No final das contas, a moratória da Amazon parece mais uma tentativa de passar uma boa imagem à luz dos protestos após a morte de George Floyd e as questões sobre a desigualdade racial e sobre uma possível reforma policial nos EUA. O caso da IBM é parecido: o negócio de reconhecimento facial não é um dos principais setores de atuação, nem gera receitas significativas para a empresa. Outras empresas como Google e Microsoft tinham anunciado, antes mesmos dos protestos, que iriam se retirar pelo menos temporariamente do fornecimento de sistemas de reconhecimento facial.

Apesar da saída das chamadas bigtechs, existem pequenas e médias empresas dedicadas somente ao desenvolvimento de sistemas como esse – sem contar que a China já emprega a tecnologia amplamente, e companhias do país a vendem ao redor do mundo.

Uma das principais fornecedoras desses sistemas para departamentos de polícia nos EUA é a Clearview AI, que coletava imagens pela internet sem o consentimento das pessoas. A companhia enfrenta uma série de processos sobre privacidade, mas não deve arredar o pé.

Em um comunicado ao Verge, o CEO da Clearview AI, Hoan Ton-That reforçou que a tecnologia é uma ferramenta efetiva: “Enquanto Amazon, Google e IBM decidiram sair do mercado, a Clearview AI acredita na missão de usar de forma responsável o reconhecimento facial para proteger crianças, vítimas de fraudes financeiras e outros crimes que afligem nossa comunidade.”

A noção popular de que as máquinas são “neutras” e “não erram” também abre espaço para abusos no uso do reconhecimento facial. Uma vez que esses sistemas são utilizados como evidência, é menos provável que uma pessoa inocente consiga provar que não é ela naquelas imagens.

A linha entre o uso dos sistemas de reconhecimento facial para segurança pública e para a vigilância permanente da população e a perseguição de determinados grupos étnicos é tênue. Há preocupações em outros países, como na Índia, onde os sistemas estão se ampliando rapidamente e há uma divisão forte entre religiões e etnias.







Veja também em Tecnologia e Vida Digital


Detran Rondônia investe na aquisição de tabletes para tornar mais eficiente atendimento ao cidadão
O Governo de Rondônia, por meio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), investe em tecnologia com a aquisição de 152 tabletes que serão utilizados no atendimento ao usuário......


Governo de Rondônia investe na qualidade do ensino ofertado pela Mediação Tecnológica
Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), investe no planejamento aplicado à melhoria dos índices da Educação Tecnológica......


Tecnologia aplicada na cacauicultura acelera mudanças no setor em Rondônia
O projeto, Cacau Sustentável de Rondônia, é uma parceria do Governo de Rondônia, por meio da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater-RO), com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae...


Novo software de pesquisa de atas criado pela Supel facilita as contratações públicas em Rondônia
Com intuito de otimizar as contratações públicas, o Governo do Estado de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Licitações (Supel) desenvolveu o Sistema de Registro de Preços (SIRP Fácil)......

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News