Rondônia, - 06:49

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
Clima
Poluição do ar por combustíveis fósseis mata mais pessoas por ano do que cigarro
Atualmente, o foco das atenções tem sido a possibilidade de o surto de coronavírus se tornar a próxima pandemia, mas os cientistas estão alertando para uma pandemia em andamento que já existe: a poluição do ar.
Publicado Segunda-Feira, 9 de Março de 2020, às 07:14 | Fonte Gizmodo 0

 
 

Getty

Atualmente, o foco das atenções tem sido a possibilidade de o surto de coronavírus se tornar a próxima pandemia, mas os cientistas estão alertando para uma pandemia em andamento que já existe: a poluição do ar.

Em um artigo publicado na semana passada na revista Cardiovascular Research, a equipe de pesquisadores europeus destaca o número de mortes causadas pela poluição do ar a cada ano. Quase 8,8 milhões de pessoas morrem anualmente devido a essa qualidade do ar reduzida, o que pode causar doenças cardíacas, câncer de pulmão e infecções respiratórias mais leves. Para colocar as coisas em perspectiva, os cientistas escreveram um artigo comparando essas mortes a crises de saúde que recebem mais atenção. O tabagismo mata cerca de 7,2 milhões de pessoas por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2018, o HIV matou 770.000 pessoas, informa a OMS. Doenças transmitidas por vetores, como malária e dengue, são responsáveis ​​por cerca de 700.000 mortes anualmente. Embora todas as doenças devam ser motivo de alarme, a poluição do ar não recebe o tipo de atenção que todas essas outras crises de saúde pública recebem, apesar de matar mais pessoas por ano.

“Comparar a perda de expectativa de vida por poluição do ar a muitos outros fatores de risco deu origem a algumas surpresas”, escreveu o autor do artigo Jos Lelieveld, diretor do Departamento de Química Atmosférica do Instituto Max Planck da Alemanha, em um e-mail ao Gizmodo. “Não esperávamos que a mortalidade por poluição do ar fosse tão dominante em comparação a outros fatores de risco à saúde mais aceitos, incluindo o fumo”.

É por isso que os autores estão chamando a poluição do ar de pandemia. Os autores usaram um modelo atmosférico para calcular a exposição mundial a partículas e poluição por ozônio. Eles então inseriram esses dados em um novo modelo de mortalidade global para medir o impacto da poluição do ar na perda de expectativa de vida e na mortalidade prematura específica da doença. A equipe foi capaz de distinguir o impacto de diferentes tipos de poluição. A pesquisa constatou, sem surpresa, que a principal fonte de poluição do ar são os combustíveis fósseis. Vale lembrar que a indústria de combustíveis fósseis também é responsável pela crise climática.

Usinas, carros e uso de energia não estão apenas lançando gases de efeito estufa no ar e aquecendo o planeta. Eles também lançam um monte de lixo tóxico – como partículas e ozônio, mas também outros metais perigosos como o chumbo – que prejudicam nossa saúde. Dizer às pessoas para abandonarem seus carros ou refeições com muito carbono, no entanto, pode ser mais complicado do que convencer os viciados em cigarro a parar de fumar. Afinal, muitos de nós dependem de nossos carros e precisamos manter as luzes acesas em nossas casas. “É mais difícil apontar o dedo para nós mesmos”, disse ao Gizmodo Aaron Bernstein, diretor do Centro de Clima, Saúde e Meio Ambiente da Escola de Saúde Pública da Harvard TH Chan. (Ele não participou do estudo.) “O HIV e a malária são extremamente problemáticos, mas ninguém se beneficia dessas doenças. Estamos nos beneficiando dos combustíveis fósseis, e dizer que eles são um problema é um desafio, porque estamos muito envolvidos com eles. Nós somos tão dependentes deles, e ainda assim eles estão nos matando”.

As empresas de combustíveis fósseis estão se beneficiando mais, no entanto. O resto de nós é forçado a depender de combustíveis fósseis para nossos carros e casas porque – vamos ser sinceros – quem pode comprar um carro elétrico hoje em dia? E os veículos elétricos não são tão bons para o planeta se você os conecta a uma estação que ainda depende de gás ou petróleo. E energia limpa? Embora a geração de energia renovável esteja aumentando, isso não está acontecendo com rapidez suficiente para que os consumidores abandonem os combustíveis fósseis a tempo de cumprir as metas de redução de gases de efeito estufa. E certamente não está acontecendo rápido o suficiente para proteger a saúde pública.

O que vai mudar esse sistema fracassado é a vontade política.

“Nós sabemos como fazer energia renovável. Nós sabemos como eletrificar veículos. Sabemos como tornar as comunidades mais favoráveis a caminhadas”, afirmou. “Para convencer a vontade política, acho que precisamos deixar claro que a saúde das pessoas – que a saúde de todos – pode ser melhorada quando fazemos essas escolhas, e isso acontece agora mesmo quando você para de queimar combustíveis fósseis”.

O estudo mostra o quanto a poluição do ar representa um risco para a saúde. Já sabemos que ela está ligada a problemas cerebrais, depressão e violência. Agora, estamos colocando tudo isso em perspectiva. Existem limitações para esta pesquisa (como em qualquer estudo). A ciência ainda precisa examinar mais de perto os níveis de toxicidade entre as partículas do ar, o que pode influenciar os números. E sempre há incertezas ao analisar dados de saúde, que podem ser classificados incorretamente. Esse risco, no entanto, não é mais do que seria para dados relacionados a outros problemas de saúde (como fumar).

Para piorar a situação, essas descobertas ainda podem ser apenas um retrato atenuado da situação real, disse Bernstein. Isso porque o estudo nem se concentra nos impactos em crianças ou fetos. Também não considera a mortalidade infligida por outros compostos tóxicos resultantes da poluição do ar, como mercúrio ou chumbo. Se esse estudo contabilizasse os impactos à saúde dos combustíveis fósseis em geral, o que inclui as mudanças climáticas, os números seriam ainda mais surpreendentes.

“Os combustíveis fósseis”, disse Bernstein ao Gizmodo, “fariam o tabaco parecer um problema infinitesimalmente pequeno”.







Veja também em Tecnologia e Vida Digital


Detran Rondônia investe na aquisição de tabletes para tornar mais eficiente atendimento ao cidadão
O Governo de Rondônia, por meio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), investe em tecnologia com a aquisição de 152 tabletes que serão utilizados no atendimento ao usuário......


Governo de Rondônia investe na qualidade do ensino ofertado pela Mediação Tecnológica
Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), investe no planejamento aplicado à melhoria dos índices da Educação Tecnológica......


Tecnologia aplicada na cacauicultura acelera mudanças no setor em Rondônia
O projeto, Cacau Sustentável de Rondônia, é uma parceria do Governo de Rondônia, por meio da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater-RO), com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae...


Novo software de pesquisa de atas criado pela Supel facilita as contratações públicas em Rondônia
Com intuito de otimizar as contratações públicas, o Governo do Estado de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Licitações (Supel) desenvolveu o Sistema de Registro de Preços (SIRP Fácil)......

 




 
Pub
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News