Rondônia, - 15:38

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
Tecnologia
Sem fragmentação, Linux não seria Linux, diz CEO da Canonical
De acordo com Mark Shuttleworth, desfragmentar as distribuições de Linux seria ideal para levá-lo às massas, mas isso destruiria o pilar da liberdade de criação
Publicado Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, às 10:38 | Fonte Olhar Digital 0

 
 

 


O Linux triunfou no mundo dos servidores e smartphones (Android), o que não aconteceu no desktop. E, para muitos, incluindo o próprio Linus Torvalds, criador da plataforma, uma das principais razões dessa derrota é a fragmentação. De fato, Torvald gostaria que, às vezes, houvesse uma distribuição padronizada para todas as distribuições.

Mark Shuttleworth, CEO da Canonical, a empresa responsável pelo Ubuntu – uma das distribuições de Linux mais populares entre o usuário final – pensa de forma similar, mas nem tanto. Em entrevista ao TFiR, ele garante: se o Linux tivesse se restringido a uma só visão, se fosse fechado e controlado por uma única entidade, então não seria Linux. Para Shuttleworth, o pilar de sustentação do sistema é que todo mundo pode fazer o que quiser com ele. 

O CEO da Canonical também comentou sobre como a comunidade do Linux (formada especialmente por engenheiros) tende a ser bastante intensa em suas opiniões e como todos querem algo diferente dos outros. “O software livre atrai pessoas que querem ser diferentes, e isso também torna um pouco difícil a criação de algo que funcione para todos”, afirma Shuttleworth. "Eu ainda tenho esperanças para o Linux nos computadores[domésticos], mas, realmente, não ajuda muito se você tentar empurrar a ideia de que um desktop é o melhor desktop, porque as pessoas vão dizer 'Oh! Mas não é o melhor desktop para mim'". 

Unity: a má recepção e o futuro

Shuttleworth ainda garante que aprendeu uma lição com a polêmica do Unity: "As pessoas não queriam ser forçadas a usá-lo. Então agora, minha visão é de apoiar os ambientes do Gnome, do KDE e do Mate. Isso dá aos desenvolvedores a liberdade de escolher entre todas essas coisas."

Ele revela não entender exatamente porque as pessoas ficaram tão bravas com o Unity. De fato, chega a dizer que, com a convergência, estavam realmente fazendo algo diferente, mas a comunidade não permitiu: "Estávamos dez anos à frente, mas a comunidade não nos deixou fazer isso". Ele admite que ele e a Canonical falharam nisso, por muitas razões, mas afirma estar convencido que a convergência entre macOS e iOS virá. E quando isso acontecer, o Ubuntu já terá desenhado isso uma década antes – sem o reconhecimento devido dos usuários.

Fonte: Genbeta

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Tecnologia e Vida Digital


Lenovo apresenta o primeiro computador dobrável do mundo. Confira o vídeo!
A empresa anunciou o novo dispositivo durante a Lenovo Accelerate. O notebook quer atingir o público que precisa de alta performance e mobilidade...


Tamagotchi On é a versão conectada do brinquedo de 1996
O animal de estimação digital pode se conectar com o smartphone e acessar uma loja virtual para obter casas maiores e mais filhotes...


Em São Paulo, quem andar de patinete elétrico na calçada ou sem capacete será multado
Se você trabalha ou passa pela região da Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo, sabe que os patinetes elétricos são um sucesso de público....


Bug no WhatsApp permitia instalação de spyware por meio de chamada no app
Um poderoso spyware desenvolvido pela empresa de ciberinteligência israelense NSO Group explorou uma vulnerabilidade no WhatsApp para infectar dispositivos....

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News