Rondônia, - 00:03

 

Você está no caderno - Agronegocios / Pecuária
regularização de terras urbanas
Confúcio defende regularização de terras urbanas e rurais no país
A cobrança se deu pelo motivo da suspensão de todos os projetos de atribuição de terras no Brasil, devido às modificações da estrutura, dispostas pelo governo...
Publicado Quinta-Feira, 11 de Abril de 2019, às 14:55 | Fonte Assessoria de Comunicação 0

 
 

Divulgação

O senador, Confúcio Moura (MDB/RO)

Em decorrência da paralisação do processo da reforma agrária no país pelo governo federal, o senador Confúcio Moura (MDB) recomendou um prazo de sessenta dias, ao presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), general do Exército, João Carlos Jesus Corrêa para criar instrumentos de descentralização de entrega das glebas, de participação compartilhada com estados e municípios. A comunicação foi feita durante pronunciamento na segunda-feira (8). 

 

A cobrança se deu pelo motivo da suspensão de todos os projetos de atribuição de terras no Brasil, devido às modificações da estrutura, dispostas pelo governo de Jair Bolsonaro. Para o senador, a ação pode agravar a questão fundiária. Ele defendeu a regularização de terras urbanas e rurais para estimular a produção, gerar emprego, aumentar o produto interno bruto (PIB) e também reduzir a violência, especialmente no campo.

 

De acordo com o Senador, os estados de Mato Grosso, Goiás, Tocantins, parte de Maranhão, Bahia e Piauí, cresceram a partir das pequenas glebas. “Quem conhece o drama fundiário é o governador e o Prefeito. São eles que sabem onde estão os grandes conflitos fundiários, as ocupações de terra e quem é que precisa de terra”, ressaltou Confúcio ao criticar a questão de as terras serem da União.

 

“Eu cheguei em Rondônia na década de 70. Fui para lá como médico recém-formado, atraído por essa propaganda”, disse o parlamentar se referindo ao programa de colonização da época, e da promessa da reforma agrária, “E chega agora, em pleno ano de 2019, paralisa toda a sistemática da reforma agrária no Brasil por tempo indefinido”, lamentou.

 

Confúcio Moura citou o programa “Terra Legal”, criado em 2009, sob a consultoria do cientista político e ex-ministro, Mangabeira Unger para resolver os graves e intensos conflitos de terra na Amazônia, porém, mesmo sendo uma Lei boa, não aconteceu como previsto.

 

O senador lembrou ainda que este ano, é de orçamento, de ajuste e das reformas e disse que não se pode perder tempo. Ele alertou sobre a elaboração do Plano Plurianual (PPA), da Lei Orçamentária Anual (LOA), e da importância da previsão dos recursos das receitas e a fixação das despesas para o exercício financeiro seguinte.

 

“Não podemos sentar em cima de um problema tão quente como são os fundiários brasileiros e ficar deixando o tempo passar para não se estressar de jeito nenhum”, asseverou.

 

 

Em tempo 

 

A violência no campo ampliou em 2017. De acordo com relatório da Comissão Pastoral da Terra (CPT), foram registrados 1.431 conflitos no campo com 71 mortes. É o maior número de assassinatos desde 2003, quando 73 morreram por conflitos rurais. Os números de 2018 ainda não foram divulgados pela CPT.







Veja também em Agronegocios / Pecuária


Sebrae ajuda colocar o Tambaqui na 3ª colocação na lista de exportação nesse primeiro semestre
Com projeto de atendimento apoiando a cadeia produtiva, produtores conseguiram grandes resultados...


Seagri realiza diagnóstico da cadeia Castanha-do-Brasil em Rondônia com apoio do Sebrae
Estudo servirá para direcionar ações que beneficiem produtores...


Psicultura em Rondônia deve gerar mais 5 mil empregos nos próximos anos
Rondônia está atendendo atualmente uma média mensal de 85 empresas, que manifestam interesse em se instalar no Estado.....


Embrapa desenvolve sistema orgânico de produção de manga
Técnica fica disponível para uso por agricultores interessados ...

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News