Rondônia, - 13:46

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Crivella diz que impeachment ‘não faz sentido’ e confronta acusador
O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) se pronunciou no final da noite desta terça-feira, 2, sobre a decisão da Câmara Municipal de abrir um processo de impeachment contra ele.
Publicado Quinta-Feira, 4 de Abril de 2019, às 07:56 | Fonte Veja.com 0

 
 

© Marcos Corrêa/PR O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella


O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) se pronunciou no final da noite desta terça-feira, 2, sobre a decisão da Câmara Municipal de abrir um processo de impeachment contra ele. Em vídeo publicado nas redes sociais, Crivella argumentou que a acusação contra ele “não faz sentido” e confrontou Fernando Lyra Reys, fiscal da Prefeitura responsável por apresentar a acusação.

Segundo o prefeito, a assinatura de um aditivo a um contrato da cidade sobre o mobiliário urbano da cidade foi feita com atendendo a Secretaria Municipal da Fazenda e a Procuradoria-Geral do Município (PGM). “Foi com o parecer dos nossos procuradores que nós aceitamos aquilo recomendava a Fazenda, que era fazer um aditivo ao contrato, que não causou nenhum prejuízo à Prefeitura, pelo contrário”, disse.

Ele também rebateu a tese de que, como ao final do contrato renovado o mobiliário passaria a pertencer à Prefeitura, as trocas de propaganda exposta deveriam ser cobradas. No entendimento de Crivella, pareceres da Justiça adotados durante a gestão do ex-prefeito César Maia (DEM) vedavam a cobrança. Maia, hoje vereador, votou a favor da admissibilidade do impeachment.

Acusações à parte, Marcelo Crivella repetiu o discurso de sua base na Câmara Municipal e direcionou ataques pessoas à Fernando Reys. Procurador concursado da Fazenda municipal, o fiscal exercia cargo em comissão na gestão Crivella, do qual foi exonerado.

No vídeo, o prefeito insinua que a denúncia apresentada possa ser uma retaliação do fiscal à demissão deste. “Só agora, depois que foi exonerado do cargo que exercia por sua chefe, pela chefe do setor em que atuava, ele resolveu entrar com o pedido de impeachment”.

A abertura do processo de impedimento do prefeito foi aprovada na Câmara com larga margem. Dos 50 vereadores votantes, 35 apoiaram o pedido, contra 14 votos contrários e uma abstenção. A partir de agora, o caso será analisado por uma comissão especial, escolhida aleatoriamente.

Para a sorte de Crivella, dos três membros definidos, dois votaram contra o impeachment – e um, inclusive, é Paulo Messina (Pros), que era chefe da Casa Civil do prefeito até se exonerar para retornar à Câmara justamente para defender a permanência do chefe no cargo.

 









Veja também em POLÍTICA


A crise em nova fase
...


Cardozo afirma ter ''absoluta convicção'' de que não há ilegalidade na campanha de Dilma
...


Embrapa inicia Dias de Campo de Soja em Rondônia no dia 23 de fevereiro
...


Delcídio diz em delação que Temer indicou ex-diretor da Petrobras preso na Lava Jato
...

 


ads2507



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News