Rondônia, - 01:19

 

Você está no caderno - eleições2018
Eleições 2018
Haddad não deve manter visitas a Lula e PT admite rever programa
Publicado Terça-Feira, 9 de Outubro de 2018, às 06:10 | Fonte Notícia ao Minuto 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=355451&codDep=74" data-text="Haddad não deve manter visitas a Lula e PT admite rever programa

  
 
 

© Rovena Rosa/Agência Brasil Haddad não deve manter visitas a Lula e PT admite rever programa


O ex-presidente Lula liberou seu herdeiro político, Fernando Haddad (PT), de fazer visitas semanais a ele em Curitiba e autorizou o PT a revisar pontos do programa de governo para tentar ampliar as alianças -e o discurso- no segundo turno.

A instalação de uma Assembleia Nacional Constituinte, por exemplo, deve ser uma das propostas retiradas do plano.

Nesta segunda-feira (8), Haddad se reuniu com Lula na sede da Polícia Federal, na capital paranaense, e ouviu do ex-presidente que era preciso "ir para a rua fazer campanha" e tentar conter o avanço da onda em apoio a Jair Bolsonaro (PSL).

Lula deu carta-branca ao candidato para firmar sua identidade própria e conversar com diversos partidos, sem restrições. 

A ideia é que os acordos formais se deem entre siglas de centro-esquerda, como PDT, PSB e PSOL, mas haja espaço para formar uma frente em defesa da democracia. 

Nesse grupo, poderiam entrar líderes de partidos como o PSDB, por exemplo, que tem como um de seus ícones o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tem boa relação com Haddad.

Em São Paulo, o candidato relatou a conversa com Lula para dirigentes do PT em um encontro ampliado da coordenação de sua campanha.

Depois da reunião, a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR), foi escalada para verbalizar publicamente as decisões e afirmou que as visitas de Haddad a Curitiba vão "depender da dinâmica da campanha".

"Temos agora menos de 20 dias [de campanha]. Não sei qual será o tempo e a disposição para isso [manter visitas semanais a Lula]. Se for possível, ele vai, se não for possível, vai fazer campanha", declarou Gleisi.

Ela admitiu ainda que há uma "solicitação" de partidos para que a Assembleia Nacional Constituinte não conste do programa de governo e que "possivelmente haverá uma revisão" do texto.

Gleisi repetiu Haddad em seu pronunciamento no domingo (7) e disse que o PT fará um "chamamento aos democratas", e que não haverá restrição a partidos para as conversas no segundo turno.

"Não temos restrição. Se as pessoas tiveram noção do que está em jogo e defenderem a democracia [conversaremos]. Não significa um pacto programático e que possamos mudar substancialmente propostas", completou.

A campanha de Haddad também incorporou o senador eleito pela Bahia, Jaques Wagner, para comandar as articulações políticas.

Wagner tem bom trânsito entre políticos, empresários e integrantes das Forças Armadas -ele foi ministro da Defesa no governo Dilma Rousseff- e vai integrar a equipe de Haddad nas três semanas do segundo turno.

O clima na campanha petista um dia após ser chancelado o segundo turno contra Bolsonaro é de apreensão. A avaliação é de que reverter o quadro de votos, 46% para o capitão reformado contra 29% de Haddad, é "muito difícil". 

Bolsonaro venceu em todas as regiões do país, menos no Nordeste, mas avançou sobre estratos do eleitorado petista e tem o apoio da maior parte do mercado financeiro seduzido pelas ideias de seu guru, o economista Paulo Guedes.

De perfil conciliador, Wagner chega justamente para tentar ampliar o arco do diálogo, não só com políticos mas também com empresários e tentar esfriar os ânimos dentro do PT.

Uma ala importante da coordenação defende que o eixo do segundo turno seja o debate econômico, com a radicalização do discurso e sem acenos ao mercado, enquanto o grupo mais próximo a Haddad quer que o candidato faça movimentos que amplie seu arco de apoio, inclusive com empresários e investidores.

A desconstrução de Bolsonaro se dará pelos direitos sociais, tentando mostrar inconsistências de suas propostas e que ele vai retirar direitos da população.

A preocupação da campanha é que não será possível vencer a eleição conquistando apenas os votos da centro-esquerda e centro-direita, mas também o eleitor tradicionalmente lulista que migrou para Bolsonaro.

Por isso, avaliam, o discurso focado no eleitorado mais pobre é tão importante.

A campanha, porém, ainda não encontrou um antídoto eficaz para combater as notícias falsas contra o petistas que circulam nas redes sociais e querem reforçar essa área no segundo turno. Com informações da Folhapress.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em eleições2018


Rocha levou a eleição também em Ariquemes, Cacoal, Rolim de Moura e Vilhena
Os números da eleição de 2º turno que elegeu o candidato do PSL, Coronel Marcos Rocha mostra os seguintes cenários nos maiores município de Rondônia ...


Derrotado nas urnas, Expedito Junior venceu em apenas três municípios de RO
O ex-senador, Expedito Junior (PSDB) adversário do candidato do (PSL) eleito no 2º turno das eleições deste domingo (28) venceu em apenas três municípios do estado...


Wilson Lima foi eleito governador do Amazonas
Com 83% das urnas apuradas, o candidato Wilson Lima (PSC) está matematicamente eleito governador do Amazonas, com 60,15% dos votos válidos. Amazonino Mendes (PDT) ficou com 39,85%....


Com 100% das urnas apuradas, Coronel Marcos Rocha obteve 261.156 mil votos de diferença para Expedito Junior
Conforme dados do sistema de apuração do TSE, o candidato de Jair Bolsonaro, ganhou com uma diferença de 261.156  mil votos válidos ...

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News