Rondônia, - 16:08

 

Você está no caderno - eleições2018
Eleições 2018
Sem Bolsonaro no debate, candidatos evitam ataques e pregam pacificação
Publicado Segunda-Feira, 10 de Setembro de 2018, às 06:19 | Fonte Estadão 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=353779&codDep=74" data-text="Sem Bolsonaro no debate, candidatos evitam ataques e pregam pacificação

  
 
 

© Tiago Queiroz/Estadão Henrique Meirelles (MBD) criticou propaganda eleitoral de Geraldo Alckmin (PSDB)

 

O debate entre os candidatos à Presidência da República promovido por TV Gazeta, Estadão, Jovem Pan e Twitter foi marcado pela defesa da não violência. Ao iniciar suas falas, Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) enfatizaram a necessidade de se pacificar a sociedade, em referência ao atentado em que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi atingido por uma facada, na última quinta-feira, em Juiz de Fora (MG).

No primeiro bloco, os candidatos escolheram os rivais para responder às suas perguntas. Quase todas as questões se referiram a propostas dos adversários, exceto por Guilherme Boulos (PSOL), que partiu para o ataque a Meirelles.

Meirelles foi o primeiro a perguntar, escolheu Alckmin para responder à sua questão. "Como vamos mudar esse radicalismo que tanto prejudica o Brasil?", perguntou, mencionando o incidente "lamentável" contra Bolsonaro. "É necessário um grande esforço conciliador". Sempre que há um esforço de união nacional, de pacificação, que é o que eu defendo, a democracia consolida-se.", disse o candidato tucano.

Meirelles criticou seu adversário: "O senhor prega a pacificação, no entanto, quando Bolsonaro ainda estava na sala de cirurgia, seu programa o atacava fortemente. Isso não é uma atitude de radicalização?". Alckmin afirmou que o emedebista "não viu" seu programa. "Nunca pregamos a violência. Sou contra qualquer tipo de radicalismo."

No segundo bloco, comentando que o atentado contra Bolsonaro aumentou a divisão entre os campos políticos no Brasil, a jornalista Vera Magalhães perguntou a Boulos se ele considera que a esquerda ajudou a fomentar a polarização no País, com o discurso do "nós contra eles que vigorou desde o governo Lula".

"Temos que diferenciar o que é violência e ódio na política e o que é polarização social. Quando diferença transborda para o ódio, isso é inadmissível. Aliás, essa semana, faz seis meses do assassinato covarde de Marielle (Franco, vereadora pelo PSOL), sem que a gente saiba quem matou e mandou matá-la. Bolsonaro sofreu ataque e repudiamos. Todas as diferenças que tenho com Bolsonaro vamos resolver na política, não na violência. Querer achar o pai da polarização é hipocrisia", respondeu Boulos.

Ciro pediu para comentar a pergunta de sobre polarização a Boulos, fazendo um gesto de "vem" com as mãos para a jornalista, que acabou escolhendo Meirelles para comentar. "Temos que promover o diálogo e caminhar juntos para a frente", disse o emedebista. 

Na tréplica, Boulos afirmou que, "efetivamente, a violência não é o meio para mudar o País". "Quem perde com uma campanha marcada por clima de violência é a democracia. Precisamos condenar todo tipo de violência, inclusive a que atinge a juventude negra nas periferias. Para enfrentar a violência, vamos fazer de cima abaixo", respondeu Boulos.

Em suas considerações finais, Marina lembrou que "esse é o primeiro debate depois do atentado contra Jair Bolsonaro". "Tenho dito reiteradas vezes que entrei nessas eleições mesmo com todas as dificudadades de não ter tempo de TV, de não ter dinheiro, mas disse que entrei para oferecer a outra face. Para a face do ódio, o amor. Para a face da violência e do desrespeito, temos que ter tolerância, respeito com as ideias dos outros. Sou mulher, sou mãe de quatro filhos. Vi a violência perto de minha vida desde a adolescência. Tivemos o assassinato da Marielle, atentado ao Lula e atentado contra Bolsonaro. Não vamos chegar a lugar nenhum com um País dividido. Quero chamar você, mulher, para fazermos um grande movimento para unir o Brasil. Um País próspero e bom de se viver", afirmou a candidata da Rede.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em eleições2018


Justiça Eleitoral em Rondônia divulga prestação de contas parcial das Eleições 2018
Cerca de 70% dos candidatos e partidos prestaram contas em Rondônia...


Integrantes da Patrulha Eleitoral participaram de comemoração da independência
Além de levantar a bandeira do Brasil, os alunos da Escola Juscelino Kubitchek exibiram o símbolo da Patrulha nas ruas de Alta Floresta do Oeste...


Ibope Governo/RO: Expedito Júnior, 32%; Acir Gurgacz, 14%; Maurão de Carvalho, 12%
Coronel Marcos Rocha tem 4%; Pimenta de Rondônia e Coronel Charlon, 3%; Vinicius Miguel, 2%; Pedro Nazareno, 1%; e Comendador Valclei, 0%. Levantamento foi feito de 14 a 16 de setembro....


Ibope Senado/RO: Confúcio Moura, 33%; Valdir Raupp, 20%; Fátima Cleide, 16%
Marcos tem 13%; Carlos, 11%; Jesualdo, 8%; Aluízio e Edésio, 5%; Jaime, 3%; Bosco e Terrinha têm 2%, cada; José, Fabrício, Paulo, Ted e Tito têm 1%, cada. Levantamento foi feito do dia 14 a 16 de setembro....

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM