Rondônia, - 07:43

 

Você está no caderno - Notícias da Região Norte
Pacaraima vive aparente clima de tranquilidade
Pacaraima vive aparente clima de tranquilidade, diz pároco da cidade
Três dias depois da agressão de moradores de Pacaraima (RR) a imigrantes venezuelanos, quando atearam fogo a seus pertences e os expulsaram de barracas e abrigos, em um princípio de revolta contra a presença deles na cidade, ainda há um clima de tensão entre os imigrantes, apesar de a situação na cidade estar mais tranquila, de acordo com relato do pároco da Paróquia de Pacaraima, padre Jesus.
Publicado Quarta-Feira, 22 de Agosto de 2018, às 05:39 | Fonte Amazonia.org.br 0

 
 

Divulgação - Internet

 

Três dias depois da agressão de moradores de Pacaraima (RR) a imigrantes venezuelanos, quando atearam fogo a seus pertences e os expulsaram de barracas e abrigos, em um princípio de revolta contra a presença deles na cidade, ainda há um clima de tensão entre os imigrantes, apesar de a situação na cidade estar mais tranquila, de acordo com relato do pároco da Paróquia de Pacaraima, padre Jesus. Há ainda, segundo o padre, temor de que o governo venezuelano retalie as agressões com corte de energia e gasolina que abastecem o município brasileiro.

O padre disse que muitos venezuelanos ainda estão voltando para o país de origem ou indo para abrigos da capital do estado, Boa Vista. Outros ficaram na cidade venezuelana de Santa Elena de Uiaren, fronteira com Pacaraima, e podem voltar ao Brasil quando a situação normalizar. Cerca de 1,2 mil venezuelanos cruzaram de volta a fronteira do país com o Brasil após o conflito.

“A situação aqui está aparentemente calma, uma calma tensa. Hoje, no café da manhã, veio bastante gente, umas mil pessoas. Então, parece que pouco a pouco está normalizando, mas é uma calma estranha, cheia de temores. Está longe de ser normal, eles ainda estão com medo”, disse à Agência Brasil.

A Paróquia de Pacaraima serve diariamente café da manhã para cerca de 1.600 imigrantes venezuelanos. Depois do conflito do último sábado (18), menos de mil pessoas têm procurado o serviço. Ontem (20), apenas 600 apareceram para tomar o café, disse o padre.

As 160 crianças venezuelanas, muitas delas indígenas, que frequentam o centro de atendimento da Pastoral também não estão indo às aulas. Segundo recomendação das Nações Unidas, elas devem esperar três dias para voltar aos estudos.

Desde a eclosão da crise na Venezuela, milhares de venezuelanos se instalaram na pequena cidade de Pacaraima, situada na fronteira com o país vizinho. Atualmente, cerca de 4 mil imigrantes estão em abrigos ou nas ruas da cidade, que tem cerca de 12.300 habitantes, segundo estimativa do IBGE de 2017.

Para a irmã Rosita Milesi, coordenadora do Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), é inaceitável que os imigrantes permaneçam em situação de rua, vulneráveis à violência e outros tipos de violação de direitos. “Deixar o povo [imigrantes] dormindo nas ruas não é solução. Esse é o grande problema. Não é conveniente, não é digno, adequado. Ademais, a população fica com dificuldade, não é justo deixá-las na rua esperando atendimento. Isso para mim é um problema sério”, avaliou a religiosa.

 

Por: Débora Brito
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Fernando Fraga

 







Veja também em Notícias da Região Norte


Reestruturadas, salas do Centro de Incubação do Estado abrigarão novas empresas
...


Polícia Militar realiza concerto musical para celebrar 42 anos da instituição
...


Pará fecha 2017 com alta cobertura vacinal contra a febre aftosa
...


Banda Tucandeira grava DVD no Teatro Amazonas
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News