Rondônia, - 10:10

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Afogamento é maior causa de mortes acidentais de crianças no Brasil; saiba como evitar
Publicado Segunda-Feira, 25 de Junho de 2018, às 05:20 | Fonte BBC do Brasil 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=350084&codDep=30" data-text="Afogamento é maior causa de mortes acidentais de crianças no Brasil; saiba como evitar

  
 
 

PIRANKA / GETTY IMAGES - Image caption - Em 2016, quase mil crianças morreram afogadas no Brasil

 

PIRANKA / GETTY IMAGES - Image caption - Em 2016, quase mil crianças morreram afogadas no Brasil

 

 

O esquiador americano Bode Miller, seis vezes medalhista olímpico, passou neste mês por uma tragédia familiar que repercutiu em vários países. Ele perdeu Emeline, a filha de um ano de idade, encontrada inconsciente na piscina de um vizinho. Enquanto os pais conversavam, não perceberam que a menina havia caído na água e estava se afogando. Quando o socorro chegou, já era tarde.

Nos Estados Unidos, dez pessoas morrem afogadas diariamente, conforme a USA Swimming Foudation. O afogamento é a principal causa de morte não intencional em crianças de um a quatro anos no país.

No Brasil, o quadro não é diferente. Todos os dias, 17 pessoas morrem afogadas - sendo que três delas são crianças - , de acordo com o Ministério da Saúde.

Em 2016, ano com os dados mais recentes, foram 913 óbitos por afogamento de crianças de até 14 anos de idade. Essa é a maior causa de morte acidental entre crianças na faixa de um a quatro anos, sendo a piscina o local onde a maioria dos incidentes ocorre, ainda conforme o Ministério da Saúde.

 

 

 

Mulher e salva-vidas simulam manobra com boneco em uma praia

Direito de imagem - SOBRASA / DIVULGAÇÃO - Image caption - Dependendo do caso, ações de suporte à vida (foto) podem evitar uma morte

 

 

"Afogamento não é acidente, não acontece por acaso, tem prevenção", ressalta o médico David Szpilman, da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa). "O grande problema é que não se dá a devida importância a esse vilão da saúde pública", como diz Szpilman. "Não há campanhas de combate ao afogamento", critica.

A blogueira Odele Souza escreve desde 2007 para alertar sobre o perigo dos ralos das piscinas - uma ameaça mesmo àqueles que sabem nadar. Em 1998, sua filha Flávia, na época com dez anos, teve os cabelos puxados por causa da sucção.

"Já são mais de 20 anos desde que você sofreu o acidente que lhe deixou vivendo em coma. Por causa da sucção dos ralos de piscinas, que infelizmente continuam a ocorrer em todas as partes do mundo, querida. O descaso com a vida humana é revoltante. Tenho lutado pela Lei de Segurança nas Piscinas que salvaria tantas vidas e evitaria que outras crianças venham a ter o seu destino, mas as autoridades pouca atenção nos têm dado", escreveu Odele no Dia das Mães, mês passado.

Um projeto de lei que disciplina a prevenção de acidentes em piscinas no território nacional tramita no Congresso desde 2014. A ausência de regras definidas a todos os Estados é duramente criticada por pessoas que perderam entes queridos em afogamentos.

Em todos os países, o afogamento está entre as principais causas de morte de crianças pequenas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os números, contudo, são nebulosos: muitos governos, em geral da Ásia e África, não repassam as informações à OMS. Cerca de 360 mil pessoas morrem por afogamento ao ano no mundo, em todas as faixas etárias. No entanto, especialistas afirmam que esse é um valor subestimado, podendo chegar a até 1 milhão de óbitos.

São mais precisos os dados sobre casos fatais, baseados nas certidões oficiais de atestados de óbito. No Brasil, entre 2001 e 2016, houve uma redução de 39% nos casos fatais em crianças de até 14 anos. Especialistas, no entanto, afirmam que, apesar da redução, é inaceitável uma criança morrer por um motivo que, muitas vezes, poderia ser completamente evitado. A BBC News Brasil ouviu especialistas e selecionou dicas para evitar este tipo de tragédia.

 

 

Pessoa na água com o braço levantado

Direito de imagem - PRIMAGEFACTORY / GETTY IMAGES - Image caption - 'Afogamento não é acidente, não acontece por acaso, tem prevenção', diz o médico David Szpilman, da Sobrasa

 

 

Como prevenir?

Seja qual for o ambiente do afogamento, uma piscina, um rio ou uma represa, existem etapas para ajudar uma pessoa que está em apuros na água. O primeiro passo é a prevenção: crianças na água ou próximas a ela precisam ser supervisionadas o tempo todo, sem descanso - e bem de perto. O responsável deve sempre ficar a um braço de distância, mesmo na presença do guarda-vidas.

"Água no umbigo, sinal de perigo". Mesmo nas piscinas infantis ou se a criança já sabe nadar, é preciso ficar atento. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), bastam 5 centímetros de água para um bebê se afogar na banheira, por exemplo. Em piscinas, verifique se existe ralo antissucção. Na praia, identifique onde está a corrente de retorno e não deixe a criança nadar nesse local. Na dúvida, fale com o salva-vidas.

Brincadeiras de prender a respiração embaixo da água devem ser permitidas apenas sob supervisão; deixar brinquedos dentro ou próximos à água pode servir de atrativo para as crianças.

Boias não são equipamentos de segurança e podem facilitar um afogamento; prefira o colete salva-vidas.

Fique atento

A segunda recomendação para prevenir emergências é a atenção: é preciso definir claramente quem está vigiando a criança na água, sem distrações como, por exemplo, celulares ou bate-papo. Diferentemente do que os filmes e a ficção podem dar a entender, o afogamento é um processo silencioso e é bom atentar para os sinais visíveis: cabelos caindo no rosto ou os braços muito imóveis podem ser sinais de alerta.

"Uma pessoa que está se afogando não consegue respirar, muito menos gritar. Se ela levantar o braço, afunda naquele momento. O olho leigo enxerga uma pessoa brincando na água", diz o especialista. "São inúmeros casos em que uma criança está morrendo e ninguém percebe o que está acontecendo", diz Szpilman.

Em caso de emergência, o melhor caminho é chamar ajuda e ligar para o número de emergência 193. Dependendo da situação, outra recomendação é jogar à vítima uma boia ou outro objeto que flutue. É importante manter-se seguro, puxando a pessoa com um objeto, como, por exemplo, o cabo da peneira para piscina.

 

 

Boia e escada em piscina

Direito de imagem - THEERAWAT PAYAKYUT / GETTY IMAGES - Image caption - Boias não devem ser consideradas itens de segurança. Prefira coletes salva-vidas.

 

 

Como socorrer

Caso a vítima não respire, é necessário fazer manobras de ressuscitação com rapidez.

"Se não houver respiração, é preciso fazer cinco ventilações (respirações) boca a boca. Se a vítima não responder, seja falando, tossindo ou vomitando, significa que o coração também pode estar parado. Aí você vai começar a fazer 30 compressões cardíacas, mantendo duas ventilações e 30 compressões até a ambulância chegar, ela voltar a respirar ou até a exaustão do seu braço", diz Szpilman.

O médico da Sobrasa não recomenda a chamada Manobra de Heimlich, muito popular há 20 anos, em que uma pessoa usa as mãos para fazer pressão sobre o diafragma, comprimindo os pulmões.

"Pode provocar vômito e a vítima acabava aspirando a água do vômito, piorando o quadro", afirma o especialista.

 

 

Pessoa com o braço levantado na água

Direito de imagem - GETTY IMAGES - Image caption- Todos os anos, pelo menos 17 pessoas morrem afogadas no Brasil - e o número pode ser ainda maior

 

 

E depois do susto?

Após um episódio de afogamento, pais ou responsáveis precisam ficar atentos aos sinais de tosse, dificuldade respiratória ou vômito - podem ser complicações do quadro de saúde.

Na dúvida, o melhor é procurar o médico.

 

 

Criança em apuros numa piscina

Direito de imagem - CHAMELEONSEYE / GETTY IMAGES - Image caption - Ao levar crianças para a piscina, defina um adulto responsável por prestar atenção aos pequenos


 

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em NACIONAL


Toffoli deve incluir Miguel Arraes no Livro dos Heróis da Pátria
Ocupando pela primeira vez o Palácio do Planalto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, assinará duas leis, uma que modifica o prazo de licença paternidade para militares e a outra que inscreve o nome do ex-governador de Pernambuc...


Museu Nacional estuda expor permanentemente acervo na Quinta
Parte do acervo que sobreviveu a incêndio foi exibida no fim de semana ...


Cotistas com menos de 60 anos têm última semana para sacar PIS/Pasep
Esta é a última semana para que todos os cotistas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) saquem o benefício fora dos critérios previstos em lei. ...


Filme mineiro vence Festival de Brasília e leva cinco prêmios
O grande vencedor do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foi o longa-metragem Temporada, de André Novais Oliveira....

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM