Rondônia, - 04:46

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Motoristas e cobradores decidem suspender greve de ônibus por 24 horas
Publicado Terça-Feira, 12 de Junho de 2018, às 05:37 | Fonte Notícia ao Minuto 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=349529&codDep=30" data-text="Motoristas e cobradores decidem suspender greve de ônibus por 24 horas

  
 
 

© Reuters / Ricardo Moraes

 

Motoristas e cobradores de ônibus do Rio em greve desde a madrugada desta segunda-feira, 11, decidiram em assembleia que terminou há pouco suspender por 24 horas a paralisação. Eles voltarão ao trabalho nesta terça-feira, 12. A categoria aceitou a proposta de recomposição salarial de 7% (eles estavam pedindo originalmente 10%) oferecida pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), e o aumento do valor das cestas básicas de R$ 200 para R$300 pelas empresas. No entanto, volta a se reunir para definir os rumos do movimento no que diz respeito ao fim do acúmulo de função de motorista e cobrador.

"Continuamos em estado de greve até que o prefeito decida acabar com a dupla função", afirmou o presidente do Sintraturb, Sebastião José. "Disso, a categoria não abre mão." O reajuste de 7% será feito em duas vezes: 3,5% em junho e o restante em novembro.

Sem aumento há dois anos, os rodoviários pediam reajuste salarial de 10% e da cesta básica, plano de saúde, aumento do vale-alimentação para R$ 490,50 e do vale-refeição para R$ 480 e o fim de dupla função de motorista e cobrador.

O empresariado havia acenado na semana passada com apenas 4% de reajuste, sendo 2% este mês e mais 2% em novembro, o que fora considerado "ridículo" pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus do Rio (Sintraturb Rio). Nesta segunda, a proposta subiu, mas ainda assim não foi acatada pela categoria.

Antes da assembleia, Sebastião José se reuniu com Crivella. Após a reunião, o prefeito, em entrevista, chegou a fazer um apelo pela retomada das atividades. "Faço um apelo a todos esses sacrificados motoristas e funcionários que sabem da crise terrível que o Rio passa por conta de desmandos administrativos e políticos", disse.

"Nenhum Estado tem a tragédia de ver um governador condenado a 127 anos de cadeia, vários líderes políticos presos, empresários, funcionários públicos presos. Precisamos arrecadar, trabalhar dobrado", continuou o prefeito, referindo-se ao ex-governador Sergio Cabral (MDB).

Durante o dia, cerca de 30% da frota de 7.200 ônibus circulou, o que atrapalhou milhares de pessoas que seguiam para o trabalho. A espera por ônibus superou duas horas no terminal da Central do Brasil. Ônibus comuns e BRTs foram depredados e tiveram pneus esvaziados para que não seguissem viagem. Os bairros mais afetados foram os das zonas oeste e norte, mais adensadas.

"Primeiro foi a greve dos caminhoneiros e a falta de combustível, agora a dos rodoviários e falta ônibus. Acho as reclamações justas, mas deixar o trabalhador a pé não é justo. Já avisei ao patrão mas não sei se ele vai entender", disse a doméstica Jaqueline Soares, de 45 anos, que foi de Piabetá, na Baixada fluminense, ao terminal da Central do Brasil sem problemas (a greve foi apenas na capital), e passou 2h15 no terminal para seguir para a Barra da Tijuca, na zona oeste. Ela esperava a linha 309, da Viação Real, que teve apenas 10% de sua frota rodando de manhã.

Segundo o sindicato, as jornadas de trabalho chegam, em alguns casos, a 16 horas por dia. Rodoviários entrevistados pelo Estado em garagens relataram outros abusos. "Na carteira são sete horas. Fazemos doze e não recebemos a hora extra. Somos escravos do século 21", lamentou um motorista. "Meu salário foi parcelado em 23 vezes; minhas contas, não", disse outro, mostrando o contracheque. Outra reclamação é a ausência de banheiros nos terminais e de ar condicionado nos ônibus, o que os penaliza no verão carioca (mais da metade da frota não é climatizada).

Eles afirmaram que por vezes deixam de transportar passageiros com direito à gratuidade na passagem, como estudantes e idosos, para que cheguem ao total de pagantes exigido pelos empresários. "Quem não bate a meta de 300 passageiros leva ‘gancho’ (suspensão) da empresa, tem o dia descontado e o vale-refeição também. Agora a prefeitura acertou o aumento das passagens (de R$ 3,60 para R$ 3,95), mas quem se dá bem é o dono da empresa, enquanto o funcionário e o passageiro sofrem", desabafou outro. Com informações do Estadão Conteúdo. 

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em NACIONAL


Ônibus perdem espaço para metrô e aplicativos em SP
Segundo o estudo, 362 mil deslocamentos são feitos diariamente com aplicativos, contra 113 mil em táxis....


Polícia investiga vida de homem que matou 4 em Campinas (SP)
Ainda não há informações sobre a motivação do crime. A polícia investiga a vida do atirador...


Rio de Janeiro: caminhoneiros entram em confronto com a polícia
Ontem, apenas três pontos de alto movimento de caminhões foram fechados pelos manifestantes, mas todos já foram liberados....


MP-GO recebe 40 denúncias contra João de Deus
O MP e a Polícia Civil de Goiás começaram a agendar os depoimentos....

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News