Rondônia, - 09:03

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
De postos sem combustível a fábricas paradas: o quinto dia de paralisação
Publicado Sexta-Feira, 25 de Maio de 2018, às 10:10 | Fonte Revista Exame 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=348997&codDep=30" data-text="De postos sem combustível a fábricas paradas: o quinto dia de paralisação

  
 
 

Danos: ainda que o movimento termine nesta sexta-feira, levará dias até que o abastecimento, a produção fabril e as rotinas voltem ao normal no país (Leonardo Benassatto/Reuters)

 

Com a indefinição sobre seu final, a greve de caminhoneiros chega ao quinto dia com consequências em todo o país. Com bloqueios de estradas, a paralisação continua minando o abastecimento de produtos básicos  e causando enormes filas de motoristas em postos de combustíveis. Para esta sexta-feira, a cidade de São Paulo anunciou mais uma retirada do rodízio de automóveis e a suspensão do serviço de coleta de lixo, além de redução da frota de transporte público.
Foram relatadas reduções drásticas nos estoques de combustível, principalmente em cidades na Bahia e escassez completa de combustíveis em municípios do Paraná. No Rio de Janeiro, falta combustível em metade dos postos da cidade e esse número era esperado chegar a 90% na noite de ontem. A falta de combustível já começa também a levar ao cancelamento de voos: as companhias aéreas Azul e Latam ampliaram o número de aeroportos com restrições de operação.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo,  na região de Passos, no sul de Minas Gerais, mais de 500.000 litros de leite já foram jogados fora porque, com a falta de transporte, o produto se perde em pouco tempo e não há como utilizá-lo — também não pode ser doado antes do processo de pasteurização. A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) voltou a informar que há unidades de processadoras de carnes paradas no país por causa da greve dos caminhoneiros. Todas as montadoras de veículos do país anunciaram que encerrariam a produção nesta sexta-feira, pela falta de peças. Hospitais alertaram para a falta de remédios e o risco a pacientes. 

Mesmo que o movimento termine nesta sexta-feira, levará dias até que o abastecimento, a produção fabril e as rotinas voltem ao normal no país. Fora os danos irreparáveis, como alimentos jogados fora, animais mortos de inanição nas estradas e pacientes que ficaram sem remédios. A conta de quanto o país perdeu nos últimos dias ainda será feita. A única já computada é o baque para a Petrobras, que cedeu à pressão e cortou o preço do diesel: a petroleira perdeu 45 bilhões de reais na bolsa nesta quinta-feira.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em NACIONAL


MPF, ISA e outras organizações promovem debate sobre 30 anos da Constituição
Seminários em Brasília e São Paulo discutem importância e ameaças aos direitos ambientais, de comunidades indígenas e tradicionais. Juristas de renome nacional já confirmaram presença...


Museu Nacional estuda expor permanentemente acervo na Quinta
Parte do acervo que sobreviveu a incêndio foi exibida no fim de semana ...


Taxa de suicídios entre indígenas é três vezes superior à média do País
A não demarcação de terra, o preconceito e a interculturalidade são alguns dos fatores para analisar ocorrências...


Toffoli deve incluir Miguel Arraes no Livro dos Heróis da Pátria
Ocupando pela primeira vez o Palácio do Planalto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, assinará duas leis, uma que modifica o prazo de licença paternidade para militares e a outra que inscreve o nome do ex-governador de Pernambuc...

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM