Rondônia, - 11:51

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Após 53 mortes em protestos, Nicarágua dá passo em direção ao diálogo
Publicado Quarta-Feira, 16 de Maio de 2018, às 09:38 | Fonte Revista Exame 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=348552&codDep=24" data-text="Após 53 mortes em protestos, Nicarágua dá passo em direção ao diálogo

  
 
 

NICARÁGUA: manifestantes protestam contra o presidente Daniel Ortega (Oswaldo Rivas/Reuters)

 

Depois de quase um mês de protestos que tomaram várias cidades da Nicaráguacontra o governo de Daniel Ortega, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) chega ao país nesta quarta-feira para iniciar um diálogo nacional com o objetivo de pôr um fim aos conflitos.

As tensões começaram no dia 18 de abril, quando estudantes se organizaram em manifestações contra uma reforma da Seguridade Social, o equivalente à Previdência Social no Brasil. A dura repressão por parte do governo causou revolta na população e mais manifestações começaram a aparecer em diversas cidades do país contra as medidas repressivas de Ortega. Organizações não governamentais estimam que pelo menos 53 pessoas já tenham morrido até agora -algumas estimativas falam em 65 mortos. O empresariado calcula mais de 100 milhões de dólares de perdas geradas pelo conflito.

Os manifestantes pedem uma renúncia imediata de Ortega que, tendo sido reeleito em 2016 para o terceiro mandato consecutivo, acumula 11 anos no poder. Mas há setores que buscam uma saída menos traumática para a crise com o adiantamento das eleições e a garantia de que nem Ortega nem sua esposa, vice-presidente e porta-voz, Rosario Murillo, participem do processo eleitoral. Segundo reportagem do jornal El País, o consenso na Nicarágua é que qualquer solução do conflito passa pela saída de Ortega da presidência antes do término oficial de seu mandato, em 2021.

Na última sexta-feira, em um comunicado conjunto, empresários, estudantes e representantes de organizações civis afirmaram estarem prontos para participar de um “diálogo nacional. Horas depois, a Conferência Episcopal do país fez um pronunciamento exigindo quatro condições para o início das conversas, entre elas, a entrada da CIDH para investigar os ocorridos em abril –única que viria a ser atendida pelo governo.

Na noite de sexta, Rosario Murillo foi à televisão pública ler uma carta de Ortega (que não aparece em público desde o dia 30 de abril), na qual o presidente concordava com as propostas da Igreja. Além da entrada da CIDH, os bispos pedem o fim da repressão contra protestos civis pacíficos, a dissolução dos grupos paramilitares e o fim do uso da Polícia Nacional em ações repressivas. No sábado, no entanto, forças do presidente atacaram uma cidade a 35 quilômetros da capital, Manágua, deixando um morto e dezenas de feridos. Na madrugada de segunda-feira, outro enfrentamento em uma zona produtiva deixou vários feridos.

Diante de tantas tensões, uma conversa nacional parece difícil. A própria Igreja afirmou que as “circunstâncias para o diálogo não são as mais idôneas”, mas que é preciso abrir o caminho para uma democratização do país. A Ortega, restam poucas opções. A reunião de hoje deve mostrar se ele está disposto a deixar o comando do país de forma pacífica.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em INTERNACIONAL


Macron busca guinada social com um plano contra a pobreza
Presidente francês, acusado de governar para os ricos, propõe vias alternativas aos subsídios tradicionais ...


Espanha abrirá arquivos secretos da ditadura de Franco
Um relatório interno do Ministério da Defesa apoia a liberação de documentos militares anteriores a 1968 ...


Kiev diz serem falsos dados russos que culpam país por queda de avião malaio
Equipa Conjunta de Investigação formada após o desastre indicou que o sistema de mísseis antiaéreos que derrubou o avião malaio pertencia a uma unidade militar russa, que o deslocou de Kursk, na Rússia, para Donetsk, na Ucrânia, um mês antes do ata...


Ucrânia anuncia que vai pôr termo ao tratado de amizade com a Rússia
O ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano vai apresentar ao Presidente Petro Poroshenko um projeto-lei sobre a denúncia do acordo, assinado em 1997, que em Moscovo está a ser interpretado como um passo para uma eventual rutura das relações b...

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM