Rondônia, - 10:56

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
A crise em nova fase
Publicado Sábado, 7 de Abril de 2018, às 11:52 | Fonte Veja.com 0

 
 

Protesto petista (Claiton Stumpf/Divulgação)

 

A prisão de Lula não encerra a crise; coloca-a em novo (e mais complexo) patamar. A bagunça que promoveu, país afora, confirmou que o número dos que o seguem, embora barulhentos e violentos, é cada vez menor. O PT, definitivamente, perdeu povo.

Mas não perdeu a capacidade de agir no tapetão. O partido ainda deposita suas esperanças no STF. É lá que estão as duas ações declaratórias de constitucionalidade (ADC) que tratam da prisão em segundo grau. O relator, ministro Marco Aurélio, contrário a essas prisões, vai levar o tema ao plenário na quarta-feira.

Se a maioria – e ela já parece estabelecida – entender que as prisões só devem ocorrer após o trânsito em julgado da sentença condenatória, o que equivale a quatro instâncias de apelação, Lula não ficará nem uma semana na cadeia.

Nem ele, nem a clientela enjaulada pela Lava Jato. Entre outros, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Antonio Palocci, João Vaccari. De quebra, o recurso às delações premiadas, vital para o desbaratamento dos crimes de colarinho branco, perde sua razão.

Com a exigência do trânsito em julgado, reabre-se larga avenida para recursos e apelações, que podem levar anos e nem se consumar, provocando a prescrição da pena. Basta dispor de bons advogados, que jamais faltaram aos ladrões engravatados, e tudo voltará a ser como sempre, no generoso país da impunidade.

A menos que algum ministro do STF recue de posição já proclamada, isso irá ocorrer. Já no seu voto, embora contrário ao habeas corpus a Lula, a ministra Rosa Weber reiterou ser contrária à prisão em segundo grau. Rejeitou o HC, segundo disse, em respeito à jurisprudência vigente (estabelecida há pouco mais de um ano pela terceira vez), que a autoriza. Mas postula nova revisão.

Nesses termos, o voto da ministra, que garantiu maioria (6 a 5) contra o HC de Lula, inverterá o resultado quando do julgamento das ADCs. A favor do trânsito em julgado, além de Rosa Weber, estão os ministros Celso de Melo, Marco Aurélio, Lewandowski, Toffoli e Gilmar Mendes. Ou seja, seis dos onze ministros.

Confiante nessa manobra, Lula se recusou ontem a apresentar-se espontaneamente à prisão, em busca de torná-la um acontecimento político. É que, paralelamente ao que ocorre no âmbito do STF, há manobras que buscam colocá-lo como preso político, o que o deixaria não apenas solto, mas com aura de perseguido e ficha limpa para se candidatar.

É improvável que o consiga, mas está tentando.

O Brasil é signatário do pacto de San Jose da Costa Rica, de 1969, que, entre outros postulados, condena prisões políticas. E os advogados de Lula lutam para inseri-lo nessa categoria, embora nela não caiba de modo algum, já que os crimes que cometeu – e que se reproduzem em mais seis processos – são de ordem penal: corrupção passiva, roubo, lavagem de dinheiro.

Mas o PT confia na solidariedade de um tribunal internacional sob domínio de grupos ideológicos afins. E tem o apoio de entidades da sociedade civil brasileira. No dia seguinte à negação do habeas corpus, suas lideranças reuniram-se em Brasília com bispos da CNBB.

A entidade, uma das matrizes do partido, busca um meio de reabilitar moralmente Lula, sob os protestos de sua ala ortodoxa e à revelia de sua doutrina. O PT dividiu também a Igreja Católica.

Na contramão dessas manobras, ecoam as palavras do comandante do Exército, general Villas Boas, advertindo para as consequências institucionais do ambiente de impunidade no país.

Foi a primeira manifestação de um chefe militar em 33 anos de Nova República. Sua fala, à revelia de Temer (réu em crimes semelhantes aos de Lula), demonstra, sem o explicitar, a vacância da Presidência da República. A crise, como se vê, entra em novo estágio.

Ruy Fabiano é jornalista 

 









Veja também em POLÍTICA


A carreira internacional de João Santana, marqueteiro do PT alvo da Lava Jato
...


STF manda desarquivar duas ações contra três ministros do governo FHC
...


Moro põe planilhas da Odebrecht com nomes de políticos sob sigilo
...


Nasce uma Estrela - Por: Reginaldo Trindade
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News