Rondônia, - 04:56

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Saúde
Asma interna 2 vezes mais pacientes do que outras doenças
Publicado Segunda-Feira, 12 de Março de 2018, às 10:25 | Fonte Notícia ao Minuto 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=344497&codDep=42" data-text="Asma interna 2 vezes mais pacientes do que outras doenças

  
 
 

© iStockEmbora seja uma doença inflamatória crônica que atinge mais de 6 milhões de brasileiros adultos e responsável por mais de 120 mil internações anuais no Sistema Único de Saúde (SUS), o tratamento correto da asma não é seguido pela maioria dos pacientes. É o que mostra o resultado do projeto “Respira: impacto da asma sobre a qualidade de vida de pacientes adultos e sobre o uso de recursos da saúde no Brasil”, que traça um panorama sobre o tratamento da asma no país. + 5 alimentos que ajudam a desenvolver a inteligência da criança O estudo aponta que, apesar de 61,9% dos pacientes tomarem medicamentos para a asma, apenas 32,4% foram considerados totalmente aderentes ao tratamento, sendo que a classe de medicamentos mais utilizada é dos broncodilatadores de curta duração, com 38,5% dos pacientes. Entre os pesquisados, 51,2% estão com a asma não controlada, 36,4% estão com a doença parcialmente controlada, e 12,3% são totalmente controlados. Para a diretora médica associada da área de respiratória da AstraZeneca Brasil, Dra. Angela Honda, os dados encontrados refletem resultados preocupantes. “No Brasil, são poucos os estudos que analisaram o impacto da asma na qualidade de vida dos pacientes e no uso de recursos de saúde, o que dificulta a definição de políticas de saúde pública eficientes para o tratamento da doença” explica a especialista. “No estudo, pudemos perceber que pacientes asmáticos são, em média, hospitalizados duas vezes mais do que os não asmáticos. O mesmo vale para as visitas de emergência, o que mostra o grande impacto da asma na qualidade de vida e nos sistemas de saúde” complementa o gerente médico da AstraZeneca Brasil, Dr. Márcio Penha. O estudo também mostrou que a asma mal controlada está associada com baixa qualidade de vida do paciente e impacta diretamente em suas atividades diárias. “Pacientes asmáticos sofrem perda de produtividade no trabalho e em diversas outras atividades do dia a dia, o que faz da doença uma das mais caras ao sistema de saúde. Isso ocorre devido à grande utilização de recursos destinados aos cuidados desses pacientes” destaca o Dr. Márcio Penha. As internações por conta de complicações da asma custaram R$552 milhões ao SUS no período de 2008 a 2013, e embora tenha havido uma redução de 10% do total de óbitos de 2008 para 2013, aproximadamente 5 pacientes morrem de asma diariamente no Brasil segundo dados do DATASUS. “A baixa adesão ao tratamento da asma é uma realidade no Brasil. Diversos estudos confirmam que, quando os sintomas pioram, a maioria dos pacientes aumenta o uso de broncodilatadores em vez de utilizar a medicação de controle que requer administração diária. No caso da asma, o tratamento crônico é essencial, pois a inflamação dos brônquios é constante. Nesse caso, identificar o paciente e fazer o diagnóstico correto é fundamental para a definição do melhor tipo de tratamento” finaliza Angela. O estudo “Respira: Impacto da asma sobre a qualidade de vida de pacientes adultos e sobre o uso de recursos da saúde no Brasil” teve dados extraídos da National Health and Wellness Survey (NHWS), um estudo transversal incluindo 12.000 indivíduos da população brasileira realizado em 2015. O NHWS tem sua amostragem estratificada por gênero e idade, com posterior correção para evitar vieses de seleção de status socioeconômico. Serviço: A AstraZeneca é uma empresa biofarmacêutica global, com foco principal na descoberta, desenvolvimento e na comercialização de medicamentos de prescrição, principalmente para o tratamento de doenças em três principais linhas terapêuticas - Oncologia, Doenças Cardiovasculares & Metabólicas e Respiratório.

 

Embora seja uma doença inflamatória crônica que atinge mais de 6 milhões de brasileiros adultos e responsável por mais de 120 mil internações anuais no Sistema Único de Saúde (SUS), o tratamento correto da asma não é seguido pela maioria dos pacientes.

É o que mostra o resultado do projeto “Respira: impacto da asma sobre a qualidade de vida de pacientes adultos e sobre o uso de recursos da saúde no Brasil”, que traça um panorama sobre o tratamento da asma no país.

O estudo aponta que, apesar de 61,9% dos pacientes tomarem medicamentos para a asma, apenas 32,4% foram considerados totalmente aderentes ao tratamento, sendo que a classe de medicamentos mais utilizada é dos broncodilatadores de curta duração, com 38,5% dos pacientes. Entre os pesquisados, 51,2% estão com a asma não controlada, 36,4% estão com a doença parcialmente controlada, e 12,3% são totalmente controlados.

Para a diretora médica associada da área de respiratória da AstraZeneca Brasil, Dra. Angela Honda, os dados encontrados refletem resultados preocupantes. “No Brasil, são poucos os estudos que analisaram o impacto da asma na qualidade de vida dos pacientes e no uso de recursos de saúde, o que dificulta a definição de políticas de saúde pública eficientes para o tratamento da doença” explica a especialista.

“No estudo, pudemos perceber que pacientes asmáticos são, em média, hospitalizados duas vezes mais do que os não asmáticos. O mesmo vale para as visitas de emergência, o que mostra o grande impacto da asma na qualidade de vida e nos sistemas de saúde” complementa o gerente médico da AstraZeneca Brasil, Dr. Márcio Penha.

O estudo também mostrou que a asma mal controlada está associada com baixa qualidade de vida do paciente e impacta diretamente em suas atividades diárias. “Pacientes asmáticos sofrem perda de produtividade no trabalho e em diversas outras atividades do dia a dia, o que faz da doença uma das mais caras ao sistema de saúde.

Isso ocorre devido à grande utilização de recursos destinados aos cuidados desses pacientes” destaca o Dr. Márcio Penha. As internações por conta de complicações da asma custaram R$552 milhões ao SUS no período de 2008 a 2013, e embora tenha havido uma redução de 10% do total de óbitos de 2008 para 2013, aproximadamente 5 pacientes morrem de asma diariamente no Brasil segundo dados do DATASUS.

“A baixa adesão ao tratamento da asma é uma realidade no Brasil. Diversos estudos confirmam que, quando os sintomas pioram, a maioria dos pacientes aumenta o uso de broncodilatadores em vez de utilizar a medicação de controle que requer administração diária. No caso da asma, o tratamento crônico é essencial, pois a inflamação dos brônquios é constante. Nesse caso, identificar o paciente e fazer o diagnóstico correto é fundamental para a definição do melhor tipo de tratamento” finaliza Angela.

O estudo “Respira: Impacto da asma sobre a qualidade de vida de pacientes adultos e sobre o uso de recursos da saúde no Brasil” teve dados extraídos da National Health and Wellness Survey (NHWS), um estudo transversal incluindo 12.000 indivíduos da população brasileira realizado em 2015. O NHWS tem sua amostragem estratificada por gênero e idade, com posterior correção para evitar vieses de seleção de status socioeconômico.

Serviço:

AstraZeneca é uma empresa biofarmacêutica global, com foco principal na descoberta, desenvolvimento e na comercialização de medicamentos de prescrição, principalmente para o tratamento de doenças em três principais linhas terapêuticas - Oncologia, Doenças Cardiovasculares & Metabólicas e Respiratório. 

 

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Este cara tinha um “segundo dedo” crescendo sobre o seu dedo médio
...


Diga adeus aos lábios ressecados no Outono
...


Confira as dicas essenciais para preparar bem os cogumeloss
...


Contato com plástico na gravidez afeta fertilidade por gerações
...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM